"Quero imaginar sob que novos traços o despotismo poderia produzir-se no mundo... Depois de ter colhido em suas mãos poderosas cada indivíduo e de moldá-los a seu gosto, o governo estende seus braços sobre toda a sociedade... Não quebra as vontades, mas as amolece, submete e dirige... Raramente força a agir, mas opõe-se sem cessar a que se aja; não destrói, impede que se nasça; não tiraniza, incomoda, oprime, extingue, abestalha e reduz enfim cada nação a não ser mais que um rebanho de animais tímidos, do qual o governo é o pastor. (...)
A imprensa é, por excelência, o instrumento democrático da liberdade." Alexis de Tocqueville
(1805-1859)

"A democracia é a pior forma de governo imaginável, à exceção de todas as outras que foram experimentadas." Winston Churchill.

sábado, 30 de janeiro de 2016

PRESIDENTE DA ANDRADE GUTIERREZ NEGOCIA DELAÇÃO E PODE ENTREGAR SEGREDOS DE LULINHA

Procuradores da Lava Jato querem que Otávio Azevedo conte detalhes da compra de participação societária da Gamecorp – empresa que tem o filho mais velho de Lula como sócio – pela Telemar, que tem a Andrade Gutierrez entre seus controladores


É POR ALÍ! - A Procuradoria da República quer saber por que a Andrade Gutierrez, do empreiteiro preso Otávio Azevedo, repassou 5 milhões de reais à empresa de Fábio Luís, o filho mais velho de Lula(Sérgio Lima/Folha Imagem)

O ex-presidente Lula tem uma espécie de dupla identidade. No mundo da fantasia, ele é a viva alma mais honesta do Brasil, não está sob investigação das autoridades nem tem responsabilidade sobre o petrolão e o mensalão. 

O líder messiânico, o novo pai dos pobres, seria a representação da virtude e da nobreza de propósitos. Já no mundo real, onde os fatos se sobrepõem a versões, emerge uma figura bem diferente - e bastante encrencada. 

A Procuradoria da República no Distrito Federal investiga se Lula fez tráfico de influência em favor da Odebrecht, que contratou a peso de ouro suas palestras enquanto atacava os cofres da Petrobras. 

O Ministério Público de São Paulo decidiu denunciar Lula por ocultação de patrimônio depois de colher evidências de que a OAS bancou a reforma de um tríplex no Guarujá que pertence à família do ex-presidente. Agora, é a vez de a Lava-J­ato chegar ao petista. 
Delegados e procuradores têm "alto grau de suspeita" de que a OAS, a fim de quitar propinas, deu imóveis a políticos. 
O caso do tríplex de Lula será esquadrinhado nessa nova etapa da operação, que foi batizada, devido ao seu DNA incontestável, de Triplo X.

O mito imaginário, quem diria, tornou-se um cliente contumaz da Justiça. Hoje, apurações sobre corrupção grossa deságuam sucessivamente nele. Autoridades já reuniram provas das relações umbilicais de Lula com a Odebrecht, a OAS e a UTC, cujo dono, Ricardo Pessoa, disse ao Ministério Público ter repassado 2,4 milhões de reais, via caixa dois, à campanha à reeleição do ex-pr­esidente. 

Suspeita de também participar do assalto à Petrobras, a Andrade Gutierrez deve engrossar o cordão de empreiteiras que cerca o petista. Preso desde junho do ano passado, o presidente licenciado da construtora, Otávio Azevedo, negocia um acordo de delação premiada com o Ministério Público. 

Os procuradores insistem para que ele conte detalhes da operação de compra de participação societária na Gamecorp - empresa que tem Fábio Luís, o filho mais velho de Lula, como sócio - pela antiga Telemar, que tem a Andrade Gutierrez entre seus controladores. Azevedo recusou-se até aqui a explicar a real motivação da operação. Os procuradores, em contrapartida, não aceitam assinar o acordo de colaboração enquanto não receberem a explicação devida.

Para sair do impasse e fugir de uma condenação pesada à prisão, Azevedo decidiu narrar seus segredos aos investigadores. Ele dirá que a antiga Telemar, que foi rebatizada de Oi, comprou cerca de 30% da Gamecorp, por 5 milhões de reais, em 2005, a pedido de Lula. Naquela época, o presidente sabia que o banqueiro Daniel Dantas apresentara uma oferta para se tornar sócio da Gamecorp. 

Como queria Dantas longe de seu filho e de seu governo, o petista, segundo Azevedo, pediu aos donos da Telemar/Oi, entre eles a Andrade Gutierrez, que apresentassem uma oferta agressiva de compra dos papéis da empresa de seu primogênito. Assim foi feito. Três anos depois dessa transação, o governo Lula mudou a legislação para permitir que a Telemar/Oi se fundisse com a Brasil Telecom, sob o pretexto de criar um gigante brasileiro no setor de telecomunicações. 

Azevedo confidenciou a advogados e executivos que, após essa segunda transação, viabilizada graças à mudança da legislação feita sob medida por Lula, sócios da Gamecorp e integrantes do governo começaram a exigir mais ajuda financeira da Andrade Gutierrez. Pressionada, a empreiteira, por meio da Oi, passou a contratar periodicamente serviços da própria Gamecorp. Serviços que, conforme Azevedo, não eram necessários.

Assim, estabeleceu-se um canal permanente de repasse de dinheiro para Fábio Luís e seus sócios - entre eles, Fernando Bittar e Jonas Suassuna, proprietários formais do sítio em Atibaia que é usado como refúgio por Lula e que, tal qual o tríplex no Guarujá, teve parte de sua reforma paga pela OAS. 

A assessoria de imprensa da Oi confirmou que a empresa contrata regularmente serviços da Gamecorp, mas se recusou a fornecer os valores dos contratos. Na campanha presidencial de 2014, integrantes da chapa de Dilma Rousseff chegaram a reclamar dos desembolsos da Andrade Gutierrez, acusando Azevedo de ser um tucano enrustido. 
Ele desabafou com um amigo: "O PT não pode reclamar depois de tudo o que fiz por eles". 
Azevedo disse que a pressão partia do ministro Edinho Silva, então tesoureiro da campanha à reeleição, e de Giles Azevedo, ex-­chefe de gabinete e atual assessor especial da presidente. Como se sabe, a parceria com a empreiteira transformou Fábio Luís, outrora um monitor de zoológico, num empresário de sucesso.

30 de janeiro de 2016
Por: Daniel Pereira, Rodrigo Rangel e Robson Bonin
VEJA

LÁ DAS BANDAS DO SANATÓRIO...

A PITONISA
De Dilma Sapiens a Dilma Pitonisa: "Não há provas contra Lulana 22ª fase da Lava Jato". Ela tem mais pose de investigadora do que de presidente da República. Mas tanto numa quanto noutra função, diz o que lhe dá na telha, sem medo de passar por mentirosa.

MAIS DO MESMO

Agora que a Políca Federal se aproxima de Lula, o PT prepara o que chama de ato em sua defesa. Ora, qual é a notícia? É só mais do mesmo. O PT já fez isso com o Zé Dirceu, o Zé Genoìno, o Delúbio, o Vaccari Neto. Não seria o PT se não saísse em defesa de Lula. Ou de qualquer companheiro flagrado com a boca na botija.

DESTRUINDO O PAÍS

Rui Falcão, presidente subalterno do PT nacional, saiu em defesa de Lula. Em nota encaixada em uma rede social na sexta-feira, ele afirmou que as investigações que cercam o presidente de honra do partido têm o objetivo de tentar "derreter o Lula", para destruir o PT. E lascou o berro:

"Estão tentando 'derreter o Lula' para destruir o PT. Eles sabem qual é a liderança, qual é a força política que tem o PT. Isso já vinha antes de a gente ter a Presidência. Tem uma série de episódios para tentar destruir o PT e destruir o Lula. São os mitos: casa do Morumbi, fortuna do Lula, conta no exterior, uma série de ataques. Não passarão".

Uma vez mais, Falcão misturou alhos com bugalhos. O PT é que vem derretendo o Brasil. Há 13 anos, desde que assumiu o poder, o PT vem destruindo o país.

CAIU A MÁSCARA

Quem diria?!? Antes do Carnaval caiu a máscara de pobre do Lula.

PETROBRAS, A CARA DO DESGOVERNO BRASILEIRO
A Petrobras é a cara do Brasil da Silva. Tem 315 mil funcionários: 84 mil efetivos e 231 mil terceirizados. Lucrou em 2014, 1 bilhão de dólares.
A Exxon Móbil tem 83.500 funcionários espalhados em mais de 100 países e lucrou, no mesmo glorioso ano de 2014, 32,5 bilhões de dólares.
A Royal Dutch Shell, tem um quadro de 94 mil funcionários em 90 países; seu lucro em 2014 foi de 14 bilhões de dólares.
A British Petroleum, com 84.500 empregados teve um lucro de 12,1 bilhões no mesmo período. E o governo brasileiro e seus democratas de gaveta se dizem massacrados pela "direita" que quer "terceirizar" a Petrolona. Vão se catar.

O CONTRATO DESMENTE A DEFESA DE LULA
Os termos do contrato de adesão ao triplex do Guarujá desmente a defesa de Lula. Quando assinou o contrato por um apartamento da Bancoop, então presidida por Vaccari Neto, dona Marisa Letíca mulher de Lula, sabia que estava adquirindo uma unidade no Residencial Mar Contábrico, hoje Condomínio Solaris. Era o triplex 164-A.
A tal desistência alegada por Lula é mais uma empulhação. O prazo legal para fazer essa opção expirou em novembro de 2009, 3 dias depois que a obra caiu nas mãos da empreiteira OAS. A tal oportuna desistência se deu, nada mais nada menos do que cinco anos depois do prazo legal.
Mas com Lula é assim mesmo, ele sempre cria mais oportunidades pelas costas do que as oportunidades que encontra pela frente.

TEM QUE PARECER
Lula classifica como "levianas" as acusações do Ministério Público. Pô, esse cara já cansou a beleza brasileira. Ele e o PT fingem que não sabem que essa coisa de se fazer de inocente, de vítima e de pobre já não cola mais. Lula é a versão brasileira da mulher de Cesar: não basta ser honesto, tem que parecer honesto. E nem isso mais ele consegue.

AS CONTAS NÃO BATEM
As contas do setor público têm hoje o maior rombo da história: R$ 112,24 bilhões. Ai, ai, ai bico surubico, cadê o dinheiro que estava aqui? Os gatos comeram. E a gata agora quer que a gente entre na guerra contra a picadura de um mosquito. O que a gente quer agora é "guerra" contra quem nos arrombou. 

RISCO OLÍMPICO
De um lado, Dilma tira proveito da tal guerra contra o mosquito desviando a atenção da crise e do desgoverno para a luta com o Aedes Aegyptis; do outro se dá mal, porque enterra a Olimpíada no Rio, já que ninguém quer vira para o Brasil fazer turismo-aventura. O Comitê Olímpico Internacional, acabade editar uma cartilha prevenindo todo mundo sobre os riscos de uma picadura à brasileira.

O CRAQUE
Agnelo Queiroz anuncia que vai entrar com recurso contra a sua sentença de oito anos de inelegibilidade. Isso já era esperado. Todo mundo sabe do seu know how em matéria de Segundo Tempo. Ganhou muito e por muito tempo com o programa Segundo Tempo, quando foi ministro do Esporte.

SUSPEITOS
Então, para encurtar o caso, Lula e dona Marisa Latícia, vão depor dia 17 de fevereiro, depois do Carnaval, como suspeitos de sonegação de patrimônio e lavagem de propina.

INDA QUE MAL PERGUNTE...

O que é que o Lula da Silva tem que o Paulo Maluf não tem?

AFANO

Governo anuncia que a tarifa extra da bandeira vermelha na conta de luz será menor em fevereiro. Pra mim agora é tarde, Inês é morta. Viajamos por mais de trinta dias, a casa ficou vazia com todos os bicos de energia desligados e a conta veio maior que a de dezembro. Vou me queixar pro bispo.

BONDADE EXTREMA

O Estado Islâmico, num gesto de extrema bondade e nobreza, acaba de proibir o estupro de grávidas. Ah, bom. 

MAIS DOIS COMPLICANDO DILMA

O empreiteiro Otávio Azevedo, ex-presidente da Andrade Gutierrez à beira de um acordo de delação premiada, revelou ter sido pressionado por Edinho Silva e Giles Azevedo, dois dos mais próximos auxiliares de Dilma Vana. É a Lava Jato entrando com tudo no Palácio do Planalto. Os dois dizem que não, mas não são delatores premiados. O que sai de sua boca entra por um ouvido e sai pelo outro.

QUE PLANO, QUAL O QUÊ!
Rui Falcão, presidente subalterno do Partido dos Trabalhadores: "Lula é o plano A do PT para 2018, não há plano B". Disse por dizer, porque ninguém lhe perguntou coisa nenhuma.

E, para não dizerem que não falei de flores, vou adiantando desde já que o PT nunca teve plano A nem B, nem programa de governo, só tem plano de poder.

Em todo caso, nem com o alfabeto todo de cabo a rabo, de fio a pavio, de A a Z, o PT sem ter o PMDB como sócio ganha eleição para qualquer coisa; muito menos para a Presidência da República.

LULA DESCANSA EM ATIBAIA
SEMPRE QUE NÃO TRABALHA

Definitivamente estou convencido de que o Lula perdeu a voz. Não, avós não, a voz. A campainha já não bate bem nos favos de sua garganta. Agora, só quem fala por ele é o Instituto que lhe rouba o divino e imaculado nome.

Ontem mesmo, véspera de sábado radiante, o instituto que parou de fazer palestras no exterior desde que a Lava Jato entrou em cena, saiu meio que defendendo Lula das suspeitas de maracutais lá pelos lados de Atibaia. O instituto diz que Lula disse que frequenta o tal sítio de Atibaia em dias de descanso.

Faltou dizer duas coisas: por que ele pediu a Léo Pinheiro, da OAS, que tocasse as obras no aprazível e luxuoso recanto Santa Bárbara que; e faltou dizer também que "dias de descanso" para Lula é um dia sim e outro também, posto que trabalhar mesmo, nunca foi a sua praia, desde que trocou a metalurgia pelo sindicalismo político-petista.

A TROCO DE QUÊ?!?

O Zé Dirceu, depois de um chá de banco de duas horas, entrou na Vara de Sérgio Moro. Levou 3 horas para dizer nada mais nada que é igual ao dobro de nada. De bom mesmo, negou ter indicado Renato Duque para a Diretoria de Serviços da Petrobras. Isso foi bom, porque assim todo mundo fica sabendo que ele não a cabecinha privilegiada da politicalha que bagunça esse país.

Dirceu não disse por que razões durante todo esse tempo aguentou calado as mais torpes e agressivas acusações que tanto o prejudicaram. Só nesta sexta, Dirceu acabou com o fingimento de que era ele quem mandava no Renato Duque. Inda que mal pergunte: a troco de quê?!? Que gentinha bem estranha essa que arrombou a Petrobrás, né não?!?

E depois de tudo, ontem mesmo, veio o advogado de Dirceu dizer à mídia curiosa que Zé Dirceu "não vai fazer acordo nenhum de delação porque ele tem caráter".

Pois é desse tipo de caráter que toda alma viva, ainda que tão honesta quanto o Lula, deve fugir, botar sebo nas canelas, escatafeder-se. Agora a gente entende por que depois daquele telefonema antigo "tamo junto nessa, companheiro" o Lula nunca mais falou com o Zé Dirceu. É que lobo não come lobo; caráter não bate com caráter, por que senão o homem seria mesmo o lobo do homem.

NÃO INTERESSA QUE A MULA MANQUE
O QUE A GENTE QUER É ROSETAR

Ahê gurizada medonha, vocês pensam que estou dando bola, ou pouco me importando que a mula seja manca? Fico até com dó e piedade da pobre da mula, mas não dou a mínima bola para as alegações de Lula que o seu instituto reverbera.


Grande coisa eles - Lula e o seu instituto - dizerem que não têm nem nunca tiveram um triplex no Guarujá e um sítio na área rural de Atibaia. Grande coisa.

O que me interessa e interessa às vivas almas brasileiras mais honestas que Lula, é que nem ele e nem o seu instituto têm acordo de delação premiada.

Sua palavra, pois, vale tanto para mim, para todas as almas vivas mais honestas desse país, da Polícia Federal, do Ministério Público, da Igreja Católica, das igrejas evangélicas, e tanto valerá também para a Justiça, quanto uma nota de três reais.

Então, gurizada medonha, não me importa que a mula manque, o que eu quero é rosetar. Pode ser até que vocês não se importem também e queiram rosetar igual a mim... Mais do que eu, duvido!


30 de janeiro de 2016
in sanatório geral

CARÁTER? QUE CARÁTER??

O Hegeliano Caráter do Canalha

Todo comunista é canalha. Por definição não tem caráter. Por isso amigos vocês devem ler Hegel para entender a lógica de um canalha profissional: 
Dirceu não fará delação porque tem caráter, diz defesa.
30 de janeiro de 2016
in selva brasilis

KKKKKKK...
m.americo

DESMORONA O CASTELO DE LULA



A revista Isto é que chega às bancas neste sábado traz uma alentada reportagem sobre o rumoroso caso do já famoso triplex do edifício Solaris, localizado em área nobre do Guarujá, que coloca Lula no olho do furacão das investigações da Operação Lava Jato. Documentos obtidos por ISTOÉ colocam em xeque versões apresentadas pelo ex-presidente sobre o tríplex no Guarujá, que entrou na mira da Lava Jato por suspeitas de camuflar pagamento de propina. 
Transcrevo a parte inicial da extensa reportagem da revista IstoÉ com link ao final para leitura completa. Leiam:

Na sexta-feira 29, o Ministério Público de São Paulo intimou para prestar depoimento o ex-presidente Lula, sua mulher Marisa Letícia e o ex-presidente da OAS, Leo Pinheiro. Lula será ouvido em 17 de fevereiro como investigado, sob a suspeita de ter praticado crimes de ocultação de patrimônio e lavagem de dinheiro. Frente a frente com os promotores, a família do ex-presidente e o empreiteiro terão de apresentar justificativas mais plausíveis do que aquelas já expostas até agora a respeito do tríplex localizado no condomínio Solaris, no Guarujá, e reformado pela OAS, que na semana passada transformou-se em alvo da mais recente fase da Operação Lava Jato. As suspeitas, segundo os procuradores, recaem sobre o uso dos apartamentos do Solaris, entre eles o de Lula, para “repasse disfarçado de propina a agentes envolvidos no esquema criminoso da Petrobras.” Em outras palavras, pagamento de suborno do Petrolão.

MARÉ DE MISTÉRIOS

ISTOÉ teve acesso a três documentos que comprometem as versões exibidas por Lula, desde que o caso veio à tona. No ano passado, quando surgiram as primeiras denúncias de que a empreiteira OAS, envolvida nas falcatruas da Petrobras, desembolsou mais de R$ 700 mil na reforma do apartamento no litoral paulista, o Instituto Lula se esmera em negar com veemência que o ex-presidente ou a ex-primeira-dama Marisa Letícia sejam donos do imóvel. Eles seriam, segundo insistem em afirmar, apenas cooperados de uma cota da quebrada Bancoop, a Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo, já comandada por dirigentes petistas, como João Vaccari Neto e Ricardo Berzoini, hoje ministro de Dilma, que deixou mais de três mil famílias sem ver a cor de seus imóveis e do dinheiro aplicado por eles movidos pelo sonho da casa própria. O discurso do principal líder petista persistiu até semana passada, apesar de toda a sorte de depoimentos que confirmaram a presença rotineira de integrantes da família Lula durante as obras responsáveis por mudar (para melhor) a configuração do tríplex. Os documentos que ISTOÉ apresenta agora revelam que Lula jamais abriu mão do imóvel. Há sete anos, a família Lula deveria ter exercido o direito, caso tivesse interesse, de se desfazer da cobertura de frente para a praia e receber a restituição em dinheiro do que havia desembolsado até ali. Mas não o fez. Na época, um acordo foi selado, transferindo o empreendimento atrasado e inacabado da Bancoop para a OAS. 

Clique sobre a imagem para vê-la ampliada

Ratificado na assembleia dos proprietários em 27 de outubro de 2009 e subscrito pelo ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, o “Termo de Acordo para Finalização do Residencial”, de 14 páginas, é taxativo. Diz que os investidores do inacabado Residencial Mar Cantábrico, renomeado tempos depois para Solaris, tinham dez dias a contar daquela reunião para se desligarem da Bancoop. Precisavam, afirma a cláusula 8.1 do capítulo VIII, também optar entre duas opções em até 30 dias. A primeira, afirma o capítulo X, receber os valores em espécie com multa. A outra consistia em manifestar o desejo de ficar com o imóvel e custear novas despesas para sua finalização. Os valores já pagos, então, iriam ser transformados em uma carta de crédito pela OAS que deveria ser “usada com exclusividade como parte de pagamento para a aquisição de unidade do empreendimento”. Evidente que aquela era uma oportunidade para que os até então aspirantes a adquirir o imóvel desistissem dele, caso tivessem vontade. Mais do isso. As cláusulas 8.2, 8.3 e 8.4 afirmam que “os cooperados que não atenderem ao disposto item 8.1 infringirão deliberação da Assembleia” e “serão penalizados” com a “sua eliminação da Bancoop”.  Não foi uma mera ameaça. Segundo apurou ISTOÉ junto a cooperados da empresa, quem descumpriu esses itens acabou acionado na Justiça. Por isso torna-se completamente inverossímil a nota divulgada pelo Instituto que leva o nome do ex-presidente, quando sugere que a família Lula poderia decidir, em 2015, entre ficar ou não com o apartamento. Se porventura isso acontecer, sobretudo depois da eclosão do escândalo, ficará configurado mais um favorecimento da empreiteira OAS, implicada no Petrolão, ao petista e seus familiares. 

30 de janeiro de 2016
in aluizio amorim

TRIPLEX COMPROVA ELO ENTRE LULA E O PETROLÃO, AFIRMA CAIADO

PARA O DEMOCRATA A JUSTIÇA VAI JUNTAR AS PEÇAS E CHEGAR EM LULA

PARA CAIADO TRIPLEX É O ELO ENTRE LULA E O PETROLÃO FOTO: GUSTAVO LIMA/ CÂMARA DOS DEPUTADOS

O líder do Democratas no Senado Federal, Ronaldo Caiado (GO), ressaltou o avanço das investigações da Lava Jato em cima do imóvel triplex que indica o favorecimento do ex-presidente Lula em negócios com empresas achadas no Petrolão.

Para o senador, a comprovação de que o bem é de propriedade do líder petista indica um elo direto entre o esquema de desvio de recursos da Petrobras e o então presidente da República que tinhan nomeado todos os diretores da estatal envolvidos.

"O Petrolão não nasceu sem pai. Um esquema criminoso desse, altamente organizado, tinha um comando que vinha das maiores instâncias do Palácio do Planalto para manter um grupo no poder e o enriquecimento ilícito de agentes públicos. Esse triplex é o elo de Lula com o Petrolão", afirmou.

Para o democrata, os próximos passos da Justiça Federal devem juntar as peças que faltam para que se feche o quebra-cabeças da Lava Jato, tendo Lula como peça central. "Os investigadores da Lava Jato e o juiz Sérgio Moro querem encontrar os mandantes desse crime que lesou o país e já estão na porta do vizinho, literalmente. Com a ajuda do Ministério Público, agora vão bater na porta certa", ironizou.



30 de janeiro de 2016
diário do poder

DILMA, A HONESTA

Depois que o Lula se declarou a pessoa mais honesta que que jamais existiu no Brasil, ele, que entre outras coisas que a nossa vã filosofia não alcança e que o juiz Moro ainda não publicou, foi o mentor do mensalão que levou às grades uma boa quantidade de “cumpanheros”, menos ele, favoreceu amigos tipo Bumlai conseguindo polpudos financiamentos do BNDES para sua empresa falida, que colaborou e continua colaborando com empreiteiras corruptas dentro e fora do país, que está envolvido na Operaão Zelotes e suspeito de envolvimento no petrolão, que vive ostentando com a maior cara de pau propriedades como um apartamento triplex no Guarujá, luxuoso sítio em Atibaia reformado a seu gosto pela OAS, tudo adquirido, é claro, com seu salário de sindicalista e de Presidente da República, além de ser titular de um instuituto milionário, comecei a vacilar e a ter dúvidas sobre o significado do conceito de honestidade tal como aprendi de meus pais ainda pequenino. Imaginando poder estar equivocado, fui ao Google em busca de uma interpretação mais moderna. Vejam o que encontrei:”honestidade é a palavra que indica qualidade de ser verdadeiro: não mentir, não fraudar, não enganar”.

Já que Lula é caso perdido, comecei a tentar enquadrar a nossa Presidanta nessa definição, ela que, com menos pompa que seu antecessor, também se declara honesta. Numa rápida análise, conclui que ela, apesar de não zerar a redação, não passa no exame.

Quanto a não mentir, não há o que falar. A campanha de 2014 faria de pinochio um aprendiz. Nunca se mentiu tanto na história política do país. Não consigo imaginar como a nossa “mulher sapiens” conseguia se olhar no espelho com aquele imenso nariz a lhe adornar o rosto, que já não é dos mais bem dotados pela natureza, depois dos seus discuros eleitoreiros que enganaram milhões de ingênuos e incautos, que acreditaram na sua enganação a ponto de reconduzi-la ao Palácio do Planalto.

Quanto ao quesito não fraudar (estamos nos aproximando do Carnaval quando a expressão quesito vira moda), os exemplos das suas infrações são aos montes: lei da repatriação dos dinheiros ilícitos no exterior, uma ode à lavagem de dinheiro; MP das empreiteitas, para não estancar o propinoduto; bilhões para o fundo partidário e para as emendas dos deputados, em mais uma tentativa de comprar votos para se manter no cargo (coitado do Joaquim Levy e seu ajuste fisal de saudosa memória); compra de refinaria de Pasadena, quando ela era presidente do conselho da Petrobrás; doação da BR Distribuidora para o meliante Fernando Collor, que ri na nossa cara exibindo sinais aparentes de muita riqueza como seus “carrinhos” importados – antes era Fiat Elba, agora são Lamborghinis e Ferraris; etc. etc. etc.

Na área da enganação, a coisa continua com ela prometendo mundos e fundos, como uma rápida recuperação da enonomia que esculhambou e aumento de empregos, conversa para engambelar os 10 milhões de desempregados e mais os outros milhões que estão morrendo de medo de perder os seus.

Por essas e outras que, convenhamos, não dá para classificar Dilma de honesta. Honesta ela seria se renunciasse ao cargo, como quer 88% da população, e nos desse a chance de começar a tapar os buracos feitos nos 13 anos de desmandos perpetrados pela clePTocracia que seu partido instaurou.

Mas acho que isso não vai acontecer: Dilma não é suficientemente honesta.
Enquanto isso, a nave vai. Em direção ao precipício.
Diz um ditado lá dos pampas que pulga gorda só dá em cachoro magro.
As pulgas de Brasília estão cada vez mais gorgas e o povo cada vez mais magro.
30 de janeiro de 2016
Faveco Corrêa é jornalista e consultor.

NO MELHOR DOS MUNDOS POSSÍVEIS...

INSTITUTO LULA REBATE CRÍTICAS DE GERALDO ALCKMIN
INSTITUTO RECOMENDA GOVERNADOR EXPLICAR 'DESVIOS' EM SÃO PAULO


INSTITUTO RECOMENDA GOVERNADOR EXPLICAR 'DESVIOS' EM SÃO PAULO (FOTO: INSTITUTO LULA)


O Instituto Lula, através de sua assessoria de imprensa, rebateu as críticas do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e recomendou que o governador explique "desvios" no estado. Em evento na manhã deste sábado, Alckmin afirmou que o "ex-presidente é o retrato do Partido dos Trabalhadores (PT), que está envolvido em corrupção".

Em resposta à questionamento do Broadcast, a entidade afirma que "seria mais proveitoso para a população de São Paulo se o governador explicasse os desvios nas obras do metrô e na merenda escolar, a violência contra os estudantes e os números maquiados de homicídios no estado, ao invés de tentar desviar a atenção para um apartamento que não é e nunca foi de Lula".

Nesta semana, a Polícia Federal deflagrou a 22ª fase da Lava Jato, tendo como foco obras da Cooperativa Habitacional dos Bancários de São Paulo (Bancoop), entre elas o edifício Solaris, no Guarujá (SP), onde a esposa de Lula, Marisa Letícia, teve direito de compra de um apartamento. O ex-presidente e a ex-primeira-dama foram intimados pelo Ministério Público de São Paulo a depor sobre o apartamento, na condição de investigados - a investigação tenta descobrir se houve ocultação de patrimônio.

"Eu acho que o Lula é o PT. O Lula é o retrato do PT, partido envolvido em corrupção, sem compromisso com as questões de natureza ética, sem limites. É muito triste o que estamos vendo", disse o governador, em evento realizado em São Paulo. "O que a sociedade espera é que seja apurado com absoluto rigor e se faça justiça".

A fala de Alckmin aos jornalistas ocorreu após solenidade de entrega de 734 novas viaturas para as polícias Civil e Militar, destinadas às unidades da capital. Desse montante, 265 novos veículos serão destinados à Polícia Civil, enquanto a Polícia Militar receberá 469 viaturas. O investimento total do Estado para a renovação da frota foi de mais de R$ 56 milhões. (AE)



30 de janeiro de 2016
diario do poder

FIM DA 'BLINDAGEM POLÍTICA'

OPOSIÇÃO ACREDITA QUE CERCO A LULA ESTÁ SE FECHANDO
OPOSIÇÃO SE ANIMA COM INVESTIGAÇÃO DO TRÍPLEX ATRIBUÍDO A LULA


"AS EVIDÊNCIAS SE AVOLUMAM E É UM ASSUNTO QUE NÃO SE ESGOTA. PRIMEIRO O TRIPLEX, AGORA O SÍTIO. SÃO ELEMENTOS DEMOLIDORES", AFIRMOU O PRESIDENTE DO DEM (FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO CONTEÚDO)

A oposição está certa de que o “cerco está se fechando” contra o ex-presidente Lula. Para líderes e dirigentes oposicionistas no Cogresso Nacional, suspeitas ganharam força após uma fornecedora afirmar que a Odebrecht pagou pela reforma de um sítio usado pelo petista e sua família.

O presidente do DEM, senador Agripino Maia (RN), afirmou que “as evidências se avolumam e é um assunto que não se esgota. Primeiro o tríplex, agora o sítio. São elementos demolidores”. “Em algum momento, esse laço vai se fechar”, concluiu o democrata.

O líder do partido na Câmara, deputado Mendonça Filho (PE), acredita que é o “fim da blindagem política” de Lula após as novas revelações sobre as relações entre Lula e empreiteiras envolvidas no escândalo da Operação Lava Jato colocam o petista “sob grave suspeita”. “São fatos contundentes que minam a blindagem política de Lula e colocam em xeque a figura quase mítica do ex-presidente”, afirmou.

“O Petrolão não nasceu sem pai. Um esquema criminoso desse, altamente organizado, tinha um comando que vinha das maiores instâncias do Palácio do Planalto para manter um grupo no poder e o enriquecimento ilícito de agentes públicos”, afirmou o também democrata senador Ronaldo Caiado (GO), líder do DEM no Senado.

Para o líder do PPS na Câmara, deputado Rubens Bueno (SP), não foi apenas Lula que se beneficiou da relação com empreiteiras. “Seu instituto recebeu milhões de empreiteiras por palestras, ele viajou o mundo de carona em jatinhos dessas empresas, seus filhos também foram beneficiados e ainda temos 'presentes', as reformas que, ao final das investigações, poderão ser caracterizadas como propina”, afirmou Caiado.



30 de janeiro de 2016
diário do poder

"LADRÃO" E "SEM VERGONHA"

EMPREITEIRO É HOSTILIZADO POR MANIFESTANTES APÓS DEPOR À LAVA JATO
EMPREITEIRO PRESO NA LAVA JATO, GÉRSON ALMADA É XINGADO NA RUA


GÉRSON DE MELLO ALMADA, RÉU POR CORRUPÇÃO E LAVAGEM DE DINHEIRO, FOI CHAMADO DE 'VAGABUNDO', 'LADRÃO', 'SEM VERGONHA' NA SAÍDA DA AUDIÊNCIA COM O JUIZ FEDERAL SÉRGIO MORO (FOTO: REPRODUÇÃO)

O empresário Gérson de Mello Almada, um dos dirigentes afastados da empreiteira Engevix, foi hostilizado por um grupo de manifestantes na saída do prédio da Justiça Federal, em Curitiba, nesta sexta-feira, 29.

Réu da Operação Lava Jato, Almada foi interrogado no início da tarde pelo juiz federal Sérgio Moro no processo que tem como alvo principal o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu.

Aos berros de ‘vagabundo’, ‘ladrão’, ‘sem vergonha’, o grupo cercou o carro que estacinou em frente ao prédio da Justiça.

Assustado, Almada deixou o local sem falar com a imprensa.

Alguns dos manifestantes chegaram a dar tapas e chutes no veículo.

O motorista desceu para discutir com os manifestantes, mas deixou o local em seguida.

Por conta do incidente, dois policiais federais, entre eles o agente Newton Ishii, o popular ‘Japonês da Federal’, advertiram as pessoas sobre os limites para as manifestações. (AE)



30 de janeiro de 2016
diário do poder

DIRCEU CONFIRMA QUE UM LOBISTA PAGOU SUA REFORMA E OUTRO BANCOU SUAS VIAGENS DE JATINHO

EX-BRAÇO DIREITO DE LULA, ZÉ DIRCEU FOI OUVIDO POR SÉRGIO MORO

JOSÉ DIRCEU NEGOU QUE TENHA INDICADO DUQUE PARA A PETROBRAS (FOTO: PAULO LISBOA/AE)

O ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu, admitiu nesta sexta-feira (29), em depoimento ao juiz federal Sérgio Moro, que o empresário Milton Pascowitch, um dos delatores do esquema de desvios da Petrobras, pagou a reforma de seu apartamento e de sua casa. Ele também confessou que usava frequentemente o jatinho de outro lobista, Julio Camargo, réu e delator na Lava Jato.

De acordo com seu advogado, Roberto Podval, Dirceu negou que tenha indicado o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque, apontado como indicação do PT, para o cargo. O ex-ministro foi interrogado na ação penal da Lava Jato na qual é réu.

De acordo com a defesa do ex-ministro, José Dirceu não recebeu diretamente o dinheiro da reforma. Acrescentou que o custeio foi feito em razão da amizade entre Dirceu e Pascowitch. O ex-ministro e mais 15 investigados foram denunciados pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. Além do ex-ministro, também prestou depoimento hoje Gerson Almada, ex-executivo da empreiteira Engevix.

A acusação contra Dirceu e os demais denunciados se baseou nas afirmações de Milton Pascowitch, em depoimento de delação premiada. O delator afirmou que fez pagamentos em favor de Dirceu e Fernando Moura, empresário ligado ao ex-ministro.

Segundo os procuradores, o dinheiro saiu de contratos entre a Engevix e a Petrobras e teriam passado por Renato Duque e o empresário Fernando Moura, que assinou acordo de delação premiada.

José Dirceu está preso preventivamente desde agosto do ano passado em um presídio em Curitiba. A defesa do ex-ministro disse que a denúncia é inepta, por falta de provas. Conforme os advogados, a acusação foi formada apenas com declarações de investigados que firmaram acordos de delação premiada.



30 de janeiro de 2016
diário do poder

BRASIL VIROU O PAÍS DA INQUISIÇÃO

BRASIL VIROU O PAÍS DA INQUISIÇÃO


A Folha publica reportagem atribuindo a Lula a propriedade de um sítio em Atibaia que teria sido reformado pela Odebrecht. Esforço próprio de reportagem? No mesmo dia, segundo a Folha de hoje, procuradores e delegados da Lava Jato do Paraná já se deslocaram para o local mencionado. E um barco de alumínio, de R$ 4 mil, passa a ser a prova do crime da família Lula.

Tal rapidez destoa da programação da Lava Jato. É evidente que o jornal foi alimentado previamente pelos procuradores e delegados da Lava Jato, antes mesmo de terem provas consistentes se houve a tal reforma bancada pela empreiteira.
No Estadão, um lobista justifica-se ao seu empregador afirmando que perdeu uma licitação da Secretaria de Educação do governo de São Paulo porque o vencedor pagou R$ 100 mil ao ex-Secretário Herman Voorwald.
Pouco importa se o lobista chutou a explicação apenas para limpar a barra perante seus contratantes. Pouco importa se a vítima, em questão, tem vida limpa, conduta ilibada e sempre se ateve à carreira acadêmica. Caiu na rede é peixe, é o bordão de uma imprensa leviana, inconsequente que há muito perdeu a noção de reportagem.
UM PAÍS INTOLERANTE
No Rio, uma acusação inconsistente de ação terrorista contra um físico franco-argelino altamente qualificado é endossada de pronto pelo Ministro da Educação, sem sequer ouvir o acusado. O Brasil, que poderia se tornar uma ilha para abrigar a imigração qualificada, entra na lista dos países intolerantes.
Todos esses capítulos mostram uma opinião pública doente, um país doente, inquisitorial, na qual os princípios fundadores do estado democrático foram jogados no lixo por essa combinação fatal de mídia-procuradores-delegados.
O cerco que se montou sobre Lula em nada difere da campanha contra Vargas em 1954. A chamada publicidade opressiva da mídia exige alimentação constante de fatos, factoides, meros rumores. Por mais que haja criatividade, não se consegue alimentar o noticiário sem o apoio de algum evento que cuspa permanentemente as informações.
CRIANDO O CLIMA
No caso de Vargas, uma CPI que se julgava inócua – a da Última Hora – passou a ser o motor gerador de factoides, permitindo o uso da publicidade opressiva por parte da mídia, especialmente da rádio Globo.
Dia após dia a CPI soltava seus factoides, que alimentavam o noticiário. Samuel Wainer recebeu xis de financiamento do Banco do Brasil, bradava a mídia. E escondia o fato de que o Globo e a própria Tribuna da Imprensa (de Carlos Lacerda) receberam mais. O financiamento da UH era reverberado dia e noite condenando os adversários perante a opinião pública e, através dela, pressionando os tribunais superiores.
Criado o clima, despertado o monstro do efeito manada, toca a uma devassa implacável sobre todos os atos de governo.
Aí se descobre que o guarda-costas Gregório Fortunato era dono de uma fortuna apreciável. Mais: que aceitou adquirir uma fazenda de um filho de Getúlio, para que ele pudesse quitar dívidas pessoais.
EXERCÍCIO DO PODER
É evidente que o exercício do poder abre facilidades que acabam sendo aproveitadas pelos elos moralmente mais fracos da corrente. Assim como é evidente que existem sempre áulicos que arrotam a suposta intimidade com o poderoso para enriquecer. 
E é evidente também que o exercício corriqueiro do poder seleciona ganhadores. É parte da própria lógica econômica medidas oficiais de estímulo à economia. Para estimular a economia, na outra ponta há os setores que se privilegiam.
Basta juntar tudo no mesmo caldeirão e alimentar o monstro. Tudo passa a ser criminalizável. É o que comprova a ofensiva da Operação Zelotes contra uma Medida Provisória que foi aprovada por unanimidade no Congresso, de mera prorrogação de uma decisão tomada pelo governo anterior, do PSDB, de estimular a indústria automobilística em regiões menos desenvolvidas.
Por que a fixação nessa MP? Porque supõe-se que no final do arco-íris esteja Lula.
MINISTRO VACILANTE
É um trabalho extraordinariamente facilitado quando encontra pela frente um Ministro da Justiça vacilante ou cúmplice, e governos que não sabem se defender.
Em São Paulo há um controle rígido sobre as ações do Ministério Público Estadual. As apurações caminham lentamente e jamais chegam no andar de cima. No máximo vaza alguma coisa para a imprensa, que dura o tempo máximo de uma edição de jornal.
Tome-se a última denúncia contra a Delta, uma prorrogação de contrato no valor de R$ 71 milhões aprovado pela DERSA. Na CPMI da Cachoeira foi desvendada a estratégia da construtora. Ganhava licitações com preços baixos, tendo a garantia de aditivos posteriores.
No máximo, a investigação baterá em algum subalterno da DERSA, mesmo com o episódio Paulo “não se deixa um aliado caído no campo de batalha” Preto ainda fresco na memória de todos.
MILITÂNCIA DE MORO
Na Lava Jato a militância do juiz Sérgio Moro, dos procuradores e delegados é claramente partidária e alimenta o noticiário há mais de ano E ai de quem ousar rebater e atribuir à operação propósitos autoritários. Imediatamente aparecerá na mídia um procurador enviado de Deus acenando para o ímpio com duzentos anos de prisão.
30 de janeiro de 2016
Luis Nassif

NOTA AO PÉ DO TEXTO


QUEM É LUÍS NASSIF?

Nassif, Serviços, Demissões e Processos

Já falamos em dois textos recentes sobre as relações de Luis Nassif com o Governo Federal, tanto como devedor inadimplente do BNDES quanto como prestador de serviços. Agora, vamos relembrar alguns momentos da trajetória do auto-intitulado “introdutor do jornalismo de serviços no Brasil”.
Nassif é conhecido por acumular, além de processos e cobranças judiciais onde figura como réu, demissões “polêmicas” de grandes veículos de comunicação:
  • Folha de São Paulo: Nassif trabalhou na Folha por mais de uma década, e chegou a fazer parte do Conselho Editorial do jornal. Em 2005, foi acusado por Diogo Mainardi, em sua coluna na revista Veja, de publicar release do lobista Luis Roberto Demarco na íntegra em sua coluna, e foi demitido, três anos depois, após o mesmo Diogo Mainardi, novamente na Veja, ter acusado Nassif de usar seu espaço no caderno financeiro da Folha para falar bem do então secretário de Segurança Pública de São Paulo Saulo Abreu enquanto buscava patrocínios para eventos de sua empresa. Segundo Mainardi, após a negativa do secretário em participar do evento de Nassif, Saulo passou a ser atacado pelo colunista.
Em sua defesa, Nassif exibiu nota emitida pela direção da Folha alegando que a decisão de sua demissão foi tomada em conjunto, “a fim de se dedicar a seus empreendimentos pessoais”.
  • Portal iG: Após o desligamento do grupo Folha, seu blog que era mantido no UOL (que é de propriedade do jornal) passou a ser hospedado no portal iG, controlado pela Brasil Telecom. O iG também hospedava os blogs de Mino Carta, Paulo Henrique Amorim, Ricardo Kotscho e outros nomes identificados com o governismo. Após a fusão Oi-Brasil Telecom, os novos controladores substituíram a diretoria do portal. Paulo Henrique Amorim foi demitido e alguns meses depois encerrou-se o contrato com Nassif, que não foi renovado.
No iG, o blog de Nassif era patrocinado por empresas como Vale, Odebrecht e Petrobras, além da própria Brasil Telecom. Foi neste período que Nassif publicou o “Dossiê Veja”, uma série de artigos que denunciava, através de associações vagas e ilações sem provas, condutas da revista de maior circulação no Brasil. Os artigos também atingiam jornalistas de outros veículos, inclusive da Folha de São Paulo.
  • TV Cultura: Em 2010, Nassif foi demitido da TV estatal paulista, onde era contratado para fazer comentários econômicos no telejornal noturno. A Fundação que gere a emissora alegou que a demissão ocorreu pois eram frequentes “ao longo do período de vigência do contrato, as situações em que a direção do ‘Jornal da Cultura’ solicita a presença do jornalista e ele não está disponível, em razão de viagens ou outros compromissos profissionais. Isso obriga o jornal a adequar-se às conveniências de seu colaborador e não o contrário, como seria de esperar”.
Nassif desmentiu os argumentos do jornal insinuando, para variar, que a culpa era de José Serra. Também para variar, sem prova alguma.
Por conta do “Dossiê Veja”, que o transformou em estrela da petistosfera, Nassif foi processado por alguns dos jornalistas citados, incluindo o redator-chefe da revista Mario Sabino. Em 2009, Nassif e o iG foram condenados solidariamente a pagar 100 salários mínimos a Sabino como indenização por danos morais. Não cabe aqui avaliar cada caso ou julgar os “ataques à reputação” praticados, mas cumpre lembrar que, além dos processos, surgiram várias respostas indignadas: Nassif foi desmentido e desafiado publicamente por diversos envolvidos, como o editor da revista Istoé Dinheiro Leonardo Attuch, o apresentador do SporTV André Rizek, freelancer da revista Veja e blogueiro do mesmo portal iG em diferentes momentos e a jornalista Janaína Leite, repórter da Folha que cobria o caso Telecom Italia. Diogo Mainardi também respondeu com a coluna “Nassif, o banana”, onde revela o “caso Saulo”.
Paralelamente a suas atividades como jornalista, Luis Nassif também atua como empresário, cobrando por consultorias, palestras, seminários e análises econômicas através de duas empresas, a Dinheiro Vivo Consultoria S/C e a Dinheiro Vivo – Agência de Informações S.A., das quais já falamos anteriormente.
Temos, então, o Nassif jornalista, acusado por Mainardi de publicar release de lobista e de usar a influência de sua coluna na Folha para obter vantagens junto a políticos e empresários, e o Nassif empresário e analista econômico, com tantas dificuldades em administrar as finanças de sua própria empresa que virou devedor inadimplente do BNDES (os juros mais baixos do mercado) duas vezes!
Mesmo assim, o Governo Federal, através de ministérios e estatais, não teve dúvidas em firmar contratos sem licitação que somam ao menos R$ 2,4 milhões desde 2007 com Nassif,  tanto como “jornalista”, através de banners de patrocínio em seu blog, quanto como “empresário”, financiando os eventos de uma Dinheiro Vivo e contratando consultoria da outra.
Nassif, com esse histórico financeiro de suas empresas, é curiosamente especializado em jornalismo econômico. E quem o contrata para fazer análises e comentar notícias é exatamente o Governo Federal (dono do BNDES), a quem a EBC/TV Brasil está subordinada.
(por implicante)

NÃO SEI NÃO... MAS EU DESCONFIO QUE ESTÃO RINDO DESSES 200 MILHÕES DE BABACAS...

QUE VERGONHA...
OAS PAGOU ATÉ MOBÍLIA E ELETRODOMÉSTICOS DO TRIPLEX NO GUARUJÁ
SÓ A COZINHA E O QUARTO TERIAM CUSTADO À EMPREITEIRA R$380 MIL


A construtora OAS pagou até mesmo eletrodomésticos da cozinha de um tríplex do Guarujá (SP) que pertenceria ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. 
Segundo investigadores, a empresa adquiriu geladeira, no valor de R$ 10 mil; forno de micro-ondas, R$ 5 mil; tampo de pia de resina americana, R$ 50 mil; e forno elétrico, R$ 9 mil, do imóvel que está sob investigação da Operação Lava Jato e do Ministério Público de São Paulo por suspeita de ter sido usado para pagamento de propina. 
A cozinha e o quarto teriam custado à empreiteira R$ 380 mil.

Oficialmente, o imóvel está em nome da OAS, mas há indícios de que pertence ao ex-presidente e sua mulher, Marisa Letícia. O promotor Cássio Conserino, do MP-SP, intimou o casal para prestar depoimento sobre o tríplex no próximo dia 17 a partir de depoimentos que revelaram a presença de Marisa Letícia supervisionando a obra.

Todo o apartamento foi reformado pela construtora em obra que teria custado R$ 777 mil. A empreiteira é alvo da Operação Lava Jato sob a acusação de ter pagado propina em troca de obras na Petrobrás.



Os eletrodomésticos da cozinha do tríplex, segundo investigadores, foram adquiridos pela OAS na loja Kitchens na Avenida Faria Lima, em São Paulo. Um sítio em Atibaia, no interior paulista, que também pertenceria ao ex-presidente, recebeu cozinha planejada da mesma loja que custou R$ 180 mil. 
A contratação da Kitchens pela OAS para mobiliar o apartamento 164-A do condomínio Solaris, no Guarujá, foi revelada pelo site O Antagonista. O site também informa que a cozinha do sítio foi bancada pela mesma empreiteira e, nessa caso, paga em espécie.

A reforma no tríplex foi realizada entre abril e setembro de 2014, quando Lula já havia deixado a Presidência da República. Se comprovado que o petista omitiu o imóvel de sua declaração de bens, o próximo passo, segundo os investigadores, é saber a razão. 
Uma das hipóteses é a necessidade de encobrir suposto pagamento por tráfico de influência, uma vez que Lula teria renda para comprar o imóvel. 
O ex-presidente tem reiterado que, após deixar o governo, sua única atividade remunerada é a de palestrante. Ele também nega fazer lobby para empresas.

No total, as cozinhas do tríplex e do sítio custaram R$ 312 mil. Incluindo os armários do imóvel, a conta chega em R$ 560 mil. 
Segundo uma fonte com acesso aos dados relacionados à compra e que pediu para não ser identificada, a Kitchens vendeu, ainda para o apartamento, armários do dormitório, lavanderia e banheiro. 
Com a entrada da OAS em recuperação judicial, a empresa Kitchens ficou no prejuízo e não recebeu a última parcela de R$ 33 mil referente à cozinha do tríplex. A loja vai tentar receber o valor na Justiça.

Outros itens


Documentos obtidos pelo Estado revelam que a OAS também financiou outros itens do apartamento comprados no mercado de luxo. 
Uma escada caracol custou R$ 23.817,85. Outra, que dá acesso à cobertura, R$ 19.352. O porcelanato para as salas de estar, jantar, TV e dormitórios foi estimado em R$ 28.204,65. 
O rodapé em porcelanato, R$ 14.764,71. O deck para piscina, R$ 9.290,08. O elevador instalado oferece a possibilidade de ser personalizado, com acabamento conforme a escolha do cliente, e custou R$ 62.500.

O jornal O Estado de S.Paulo tentou contato com a OAS ontem por telefone e e-mail, mas não obteve resposta. O ex-presidente Lula tem sustentado que ele não é dono do tríplex nem do sítio em Atibaia. 

“Lula nunca escondeu que sua família comprou, a prestações, uma cota da Bancoop, para ter um apartamento onde hoje é o edifício Solaris. Isso foi declarado ao Fisco e é público desde 2006. 
Ou seja: pagou dinheiro, não recebeu dinheiro pelo imóvel. Para ter o apartamento, de fato e de direito, seria necessário pagar a diferença entre o valor da cota e o valor do imóvel, com as modificações e acréscimos ao projeto original. 
A família do ex-presidente não exerceu esse direito. Portanto, Lula não ocultou patrimônio, não recebeu favores, não fez nada ilegal. E continuará lutando em defesa do Brasil, do estado de direito e da democracia.”


30 de janeiro de 2016
diário do poder

LAVA JATO LEVA MAIS LAMA PARA ANTESSALA DE DILMA

Em fase de negociação com a Procuradoria Geral da República, o acordo de delação premiada de Otávio Azevedo, ex-presidente da empreiteira Andrade Gutierrez, tem tudo para criar novos embaraços para o Palácio do Planalto e para a presidente Dilma Rousseff. A proposta de acordo, em que Azevedo detalha aquilo que tem para contar às autoridades, envolve dois dos auxiliares mais próximos da presidente da República em uma ofensiva para fazer com que a empreiteira despejasse mais dinheiro na campanha da então candidata petista à reeleição.

Publicidade
</div> <div id='passback-wbbc9c0b86b'></div>
Nos chamados "anexos" da delação premiada, que resumem os tópicos principais da colaboração, Otávio Azevedo afirmou que a pressão por dinheiro, em pleno ano eleitoral de 2014, partiu do então tesoureiro da campanha petista, Edinho Silva, hoje ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, e de Giles Azevedo(foto), ex-chefe de gabinete e atual assessor especial de Dilma Rousseff. 

A mensagem, segundo o executivo, era clara: se a Andrade Gutierrez não se engajasse mais efetivamente na campanha petista, seus negócios com o governo federal e com as empresas estatais estariam em risco em caso de vitória de Dilma. Em outras palavras, o executivo, preso em junho do ano passado pela Operação Lava-Jato, relatou o que entendeu como um achaque.

A negociação, iniciada no ano passado, está em fase final na Procuradoria, mas tem enfrentado alguns empecilhos. Até recentemente, os procuradores insistiam para que o executivo fosse além do esquema de corrupção na Petrobras e no setor elétrico. Eles queriam incluir na delação negócios suspeitos na área de telecomunicações, onde o executivo, durante anos, exerceu forte influência - antes de assumir a presidência da Andrade, Otávio Azevedo comandava a Oi, que faz parte do mesmo grupo empresarial. 

Ele esteve à frente, por exemplo, do polêmico processo de fusão da empresa com a Brasil Telecom. Também foi um dos responsáveis pela decisão de aportar recursos na Gamecorp, a empresa de entretenimento de Fábio Luís, o Lulinha, filho mais velho do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O aporte, como se sabe, se deu pouco antes de sair a decisão do governo que abriu caminho para fusão, tão almejada pela companhia. Até recentemente, Azevedo vinha resistindo a incluir esses temas no acordo, o que fez com que a negociação emperrasse na Procuradoria.

A pressão do alto comando da campanha de Dilma Rousseff sobre a Andrade Gutierrez tinha uma explicação. Os petistas reclamavam que a empreiteira, embora fosse detentora de grandes contratos no governo e em estatais, vinha apoiando a candidatura do tucano Aécio Neves. A queixa se transformou em ameaça. A Andrade acabou abrindo os cofres. De agosto a outubro, a empreiteira doou oficialmente 20 milhões de reais ao comitê de Dilma. A primeira contribuição, de 10 milhões de reais, se deu nove dias após Edinho Silva visitar Otávio Azevedo na sede da empreiteira -- àquela altura, a Andrade já havia repassado mais de 5 milhões à campanha de Aécio e não tinha doado ainda um centavo sequer ao comitê petista.

Por ora os procuradores têm apenas os tópicos da delação do executivo. É a partir da assinatura do acordo que começarão os depoimentos - em que ele dará os detalhes de cada um dos assuntos relacionados na proposta de delação. Nas investigações da Lava-Jato, não é a primeira vez que Edinho Silva é acusado de pressionar empreiteiras a dar dinheiro para a campanha. Alvo de um inquérito aberto no Supremo Tribunal Federal, ele já havia aparecido nesse mesmo papel na delação premiada de Ricardo Pessoa, dono da UTC. 

Até aqui, a menção a Giles Azevedo é tida como um dos pontos mais sensíveis da delação, justamente por seu potencial de dano à presidente da República. De todos os auxiliares de Dilma Rousseff, ele é o mais próximo da presidente. É dos poucos autorizados, no governo e fora dele, a falar em nome da petista.

Em notas enviadas a VEJA, o ministro Edinho Silva informou que se encontrou com o então presidente da Andrade Gutierrez e que as doações feitas pela empreiteira foram todas legais e declaradas ao Tribunal Superior Eleitoral. Giles Azevedo, que era o coordenador da campanha de Dilma, disse que esteve uma única vez com Otávio Azevedo em 2014, mas não informou o motivo da reunião. (Veja)

30 de janeiro de 2016
in coroneLeaks

O FILHO MAIS IDIOTA

Em uma de suas postagens no Facebook, nessa quinta-feira, 28, Fábio Luis Lula da Silva, o filho mais velho do ex-presidente adicionou um link sobre o “mercado imobiliário suspeito brasileiro”. É um pôster ilustrado com seis casos de compras de supostamente suspeitas. Cita, pela ordem, com as respectivas compras, ou venda, a jornalista Patrícia Poeta, os senadores Aécio Neves e Álvaro Dias, o ex-ministro Joaquim Barbosa, do Supremo Tribunal Federal, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, e por último, “Lula, 65 anos, metalúrgico e ex-presidente - Desistiu de um apartamento no Guarujá avaliado em R$ 1,5 milhão então, a pergunta: “Por que apenas Lula é alvo da imprensa e da Lava-Jato?”. Vejam abaixo:


É uma peça mentirosa, caluniosa, bem ao estilo do PT. É como diz o Estadão: "Todos os casos citados têm informações erradas ou imprecisas. E nenhum está sob investigação da Polícia Federal, a não ser o edifício Solaris, no Guarujá."

Peguemos o caso de Aécio Neves. O apartamento é da família há muitos anos e por isso tem o valor tão baixo. Se o filho mais idiota tivesse o mínimo de informação saberia que o valor de um imóvel só pode ser corrigido se sofrer reformas, sendo necessário apresentar as notas para a Receita Federal. É na hora da venda que é feita a correção e sobre a diferença entre o valor declarado e o valor da venda é cobrado 15% de Imposto de Renda. Por isso, não há como escapar do leão.

A não ser que vendedor seja da família Silva e monte falcatruas como a que está sendo descoberta no Guarujá.

30 de janeiro de 2016
in coroneLeaks