"Quero imaginar sob que novos traços o despotismo poderia produzir-se no mundo... Depois de ter colhido em suas mãos poderosas cada indivíduo e de moldá-los a seu gosto, o governo estende seus braços sobre toda a sociedade... Não quebra as vontades, mas as amolece, submete e dirige... Raramente força a agir, mas opõe-se sem cessar a que se aja; não destrói, impede que se nasça; não tiraniza, incomoda, oprime, extingue, abestalha e reduz enfim cada nação a não ser mais que um rebanho de animais tímidos, do qual o governo é o pastor. (...)
A imprensa é, por excelência, o instrumento democrático da liberdade." Alexis de Tocqueville
(1805-1859)

"A democracia é a pior forma de governo imaginável, à exceção de todas as outras que foram experimentadas." Winston Churchill.

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

"ISSO AQUI É UMA FARRA" - DIZ REQUIÃO!

Senado compra passagens aéreas com preço quintuplicado.


BRASÍLIA — O Senado vem pagando por passagens aéreas para senadores e servidores em viagens internacionais preços que equivalem a até cinco vezes os encontrados nos sites das próprias empresas.

Irritados com os valores exorbitantes, alguns senadores já reclamaram providências da direção do Senado em discursos no plenário, e outros se negam a aceitar os bilhetes apresentados por agências contratadas pela Casa, comprando diretamente nas companhias aéreas.
 
Como integrante da Comissão de Ciência e Tecnologia, em outubro passado, o senador Walter Pinheiro (PT-BA) participaria de reunião com a Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro, em Miami. Segundo Pinheiro, os valores das passagens em classe executiva encaminhadas pela agência Voetur Turismo e Representações Ltda. — contratada pelo Senado em agosto de 2013 com dispensa de licitação — variaram, desde as primeiras solicitações, de R$ 14 mil a até R$ 20,8 mil.

Espantado com os valores, mesmo com a multa de uma remarcação de data, ele considerou o preço inaceitável. Pesquisou no site da companhia aérea, no mesmo dia, e comprou com seu cartão de crédito uma passagem, em classe econômica, por R$ 4.272,78.

— O setor responsável mandou ofício justificando o preço final em função da remarcação do bilhete, o que não foi aceito — explicou Pinheiro, que, a partir de então, optou por adquirir pessoalmente suas passagens, pedindo posterior ressarcimento.

SEPARANDO AS CONTAS
Para minimizar o problema, Pinheiro obteve do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), promessa de votar logo projeto de sua autoria que cria conta bancária exclusiva, com registro próprio no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ) por gabinete, para melhor administrar e separar pessoa física da pessoa política, que passaria a ter atuação jurídica.

O senador Roberto Requião (PMDB-PR) é outro que não se conforma com os preços cobrados e pagos pelo Senado pelas passagens aéreas, classificados por ele como “absurdos”. Ele disse que já fez pelo menos três discursos cobrando providências. Lembra de uma viagem oficial que fez para o México, por uma agência que antecedeu a Voetur:

— A passagem que o Senado me forneceu, na classe executiva, custava R$ 17 mil. Minha mulher comprou no site da empresa, na última hora, para ir sentada ao meu lado, e pagou cerca de R$ 4 mil. Isso aqui é uma farra!

Em outubro de 2013, o senador Antônio Carlos Valadares (PSB-SE) também teve um contratempo com a Voetur, em viagem para visitar obras da Copa em Natal, com o roteiro Brasília-Natal-Aracaju. Como teve de remarcar o trecho Natal-Aracaju, o bilhete original emitido pela Voetur foi de R$ 1.167,43 para R$ 3.240.56:

— A agência respondeu que não ia baixar o preço! Paguei do meu bolso o mais barato, pedi ressarcimento, e depois mandei ofício ao Renan reclamando.

10 de fevereiro de 2014
Maria Lima
O Globo

O HUMOR DO DUKE

 
Charge O Tempo 10/02

DILMA ACREDITA QUE AS ACUSAÇÕES DE TUMA JR. VÃO INVIABILIZAR A CANDIDATURA DE LULA

 

 


 
A sucessão presidencial está cada vez mais empolgante. Dois conhecidos jornalistas políticos – Ricardo Noblat e Josias de Souza – já anunciaram que Marina Silva desistiu de disputar e até aceita ser vice de Eduardo Campos, na chapa do PSB, mas só anunciará essa decisão no mês que vem. Ou seja, a notícia ainda não está confirmada.

No PSDB, o candidato oficial é o senador Aécio Neves, mas há controvérsias. O jornal O Globo chegou a anunciar a desistência do ex-governador José Serra, que manda no partido. Porém, no dia seguinte ele desmentiu, dizendo que não era bem assim.

Também no PT a situação continua indefinida. O partido prefere a candidatura de Lula, mas aceita a contragosto votar em Dilma Rousseff, que luta com todas as armas para tirar as possibilidades de Lula concorrer.
Nessa reta de chegada para a definição, Dilma está mais animada. Em sua opinião, as denúncias do delegado Romeu Tuma Jr., ex-secretário nacional de Justiça, sobre a atuação de Lula como informante do DOPS no regime militar, podem inviabilizar definitivamente uma nova candidatura do ex-presidente.

LULA NÃO LIGA

O raciocínio de Dilma Rousseff parece linear. É muito possível que as denúncias de Tuma Jr. atinjam Lula profundamente, sobretudo se o delegado apresentar no segundo livro as provas que afirma dispor, não somente contra Lula, mas também contra José Dirceu, Tarso Genro e companhia limitada.

Mas acontece que Lula não liga para isso. O exercício do poder exacerbou sua autoestima. Julga ser inatingível, acha que é uma espécie de Abraham Lincoln redivivo, mas não conhece a frase famosa: “Pode-se enganar a todos por algum tempo; pode-se enganar alguns por todo o tempo; mas não se pode enganar a todos o tempo todo”. Por isso, continua viajando e delirando, julgando-se acima do bem e do mal.

Sua tática é bastante conhecida. Finge que não é com ele, manda o PT blindá-lo no Congresso e foge da imprensa. Repete exatamente o que fez no caso Rosegate, em que conseguiu êxito total. Um ano depois, ninguém toca mais no assunto.

Traduzindo: Lula continua pré-candidato e já está em campanha, a pretexto de ajudar Alexandre Padilha. Acha que a crise econômica enfraquecerá Dilma Rousseff de tal forma que o PT saberá se livrar dela.

E JOAQUIM BARBOSA?

Bem, este é o quadro atual. Mas fica faltando a possibilidade de o ministro Joaquim Barbosa se candidatar. Esta continua a ser a grande incógnita. E o grande temor do PT, porque a candidatura dele, no mínimo, levaria a disputa para segundo turno.

Os demais candidatos (Eduardo Campos/Marina Silva e Aecio Neves/José Serra), o PT, Lula e Dilma acham que os derrotam ainda no primeiro turno.
O presidente do Supremo tem até o dia 5 de abril para se desincompatibilizar. O que fará ninguém sabe.
AMANHÃ: Lula pode provocar a candidatura de Joaquim Barbosa
 
10 de fevereiro de 2014
Carlos Newton

DEPUTADO PETISTA QUE DESQUALIFICOU MÉDICA CUBANA, FERINDO-LHE A HONRA, DEVERIA FAZER O MESMO COM LULA

 

jose_geraldo_01Dois pesos – É escandalosa e vexatória a postura do PT em relação à decisão da médica cubana Ramona Rodríguez de abandonar o programa “Mais Médicos”, uma das bandeiras de Dilma Rousseff para fazer avançar o seu projeto de reeleição.

Diante do fato que ocupou o noticiário nacional nos últimos dias, petistas, cumprindo ordens palacianas, passaram a denegrir a honra da médica que discordou do esquema escravagista montado pelos governos de Dilma Rousseff e Raúl Castro.

Deputado federal pelo PT do Pará, José Geraldo deflagrou uma operação covarde para aniquilar a honra da médica cubana, ao mesmo tempo em que tenta salvar a imagem do desgoverno do seu partido, cada vez mais afogado em desmandos e desacertos.
E um dos muitos absurdos gestados no Palácio do Palácio do Planalto é o programa “Mais Médicos”, que contempla o trabalho escravo, como essa prática fosse normal e encontrasse guarida na legislação brasileira.

O petista José Geraldo usou a tribuna da Câmara dos Deputados para afirmar que Ramona Rodríguez foi flagrada embriagada várias vezes em Pacajá, munciípio do interior do Pará, além de ter mantido relações sexuais com um morador da cidade. Fosse pautada pela responsabilidade daqueles que a frequentam e cumpridora da legislação, a Câmara dos Deputados deveria, por meio da Mesa Diretora, abrir um processo de quebra de decoro contra o parlamentar petista, pois não é assim que se age ao defender um crime, como é o regime de escravidão ao que foi submetida a médica cubana.

Fora isso, o deputado José Geraldo precisa esclarecer ao povo brasileiro, em especial à parcela de bem e não amestrada da sociedade, o que significam esses ataques sórdidos e se os mesmo podem ser usados de maneira isonômica, inclusive para analisar casos em que estão envolvidos seus companheiros de legenda. Se eventuais excessos em relação à bebida alcoólica, o que carece de comprovação, e manter relações sexuais permite que alguém seja julgado de maneira covarde e rasteira, que José Geraldo faça o mesmo com o ex-presidente Luiz Inácio da Silva, que entre os petista é um ser intocável.

Lula, deveria saber o senhor José Geraldo, não apenas é conhecido como um amante daquela água que passarinho não bebe, mas manteve um caso extraconjugal com Rosemary Noronha, a Marquesa de Garanhuns, flagrada pela Polícia Federal na Operação Porto Seguro. Para que não pairem dúvidas a essa parlamentar que se comporta como um proxeneta da combalida reputação do seu partido, a própria Rosemary Noronha se apresentava aos parceiros de ilegalidades como a namorada de Lula.

Como o ex-presidente continua fugindo da imprensa para não ter que responder sobre o escândalo que continua no desvio do silêncio obsequioso imposto pelo Palácio do Planalto, que o senhor José Geraldo se dê por satisfeito com sua ignorância preconceituosa, não sem antes reverenciar sua obediência covarde e criminosa.

10 de fevereiro de 2014
ucho.info

A IDEOLOGIA QUE NOS OPRIME

 

percival_puggina_01Volta e meia, ouço que as ideologias acabaram. Ensinam-me que esquerda, direita e seus arredores perderam prazo de validade.
Vai atrás! Chega a ser engraçado, porque não abro jornal, não ouço rádio nem assisto tevê sem que as ideologias fluam aos borbotões das palavras e das imagens.
Elas estão entre as mais imediatas causas das notícias. A ideologia que rege a banda nacional, por exemplo, está desintegrando a sociedade. Será preciso mais, para que o reconheçamos?

Rouba-se tudo de todos. O carrinho do bebê e, não raro, também o bebê. A pensão da velhinha e o guarda-chuva do velhinho. Rouba-se tudo de todos. O país virou um covil onde ladrões espantam turistas e apavoram os nativos. Por quê? Porque nossos governantes, legisladores e muitos magistrados consideram de “baixa lesividade” os crimes contra o patrimônio (alheio, claro).

Nem por roubo à mão armada alguém vai para regime fechado. Se condenado, o assaltante ruma para o semiaberto, onde não tem vaga. E daí para casa e para as ruas. É por isso que um desmanche de automóveis pode ser fechado quatro vezes. E continuar operando. E é por isso que os vândalos promovem trottoirs em Porto Alegre, quebrando o que encontram pela frente, enquanto a Brigada Militar a tudo assiste zelando pelo bem-estar e segurança dos facínoras. Bem sei o quanto essa determinação superior contradiz o ânimo e os princípios que norteiam a formação dos membros da corporação.

O zelo pelo patrimônio privado ocupa o último lugar entre as preocupações das autoridades nacionais. Tendo o direito à propriedade deixado de ser significativo, por motivos doutrinários, filosóficos e ideológicos, tais crimes sumiram do catálogo das condutas coibidas. De tanto repetir que pedra é pau, furto e roubo se converteram em atos de justiça distributiva. “Encostaram-lhe uma arma no peito? Depenaram seu apê? Vá catar coquinho. Cada um com seus problemas.”

De nada vale mostrar o quanto é malévola e incoerente essa ideologia de Twitter, essa filosofia de quarto de página. Afinal, se o ladrão rouba por necessidade e não por adesão livre e racional ao crime, como explicar o vertiginoso aumento da criminalidade num período de expansão do emprego e da renda das pessoas? Temos, aqui, duas fatuidades: a ideologia que inspira o governo e sua política social. O crime avança – sei que a nada serve repeti-lo – porque é um negócio de alta renda e baixo risco.

Há muitos anos ouvi de alguém com influência na formulação das concepções a que estamos atrelados que nossos códigos protegiam mais os bens do que as pessoas. Foi como subir instantaneamente numa escada e espichar os olhos na direção do horizonte. Estava visto aonde aquilo iria nos levar. Hoje, o ladrão toma-te os bens na boa, mas se o ofenderes com palavras interditas, “preconceituosas”, raios e trovões cairão sobre tua cabeça. Ante a inércia, aumentou significativamente o furto e, mais ainda, o roubo à mão armada, não raro com execução das vítimas.

A desatenção aos crimes contra o patrimônio acabou com a segurança das pessoas cuja proteção se pretendeu priorizar – quem não vê? Ou será preciso desenhar? Não se constroem presídios e os existentes, superlotados, regurgitam as populações carcerárias de volta às ruas. Por fim, diante desse quadro macabro, nossos governantes fazem quanto podem para desarmar a população. E proclamam, com candura, que não há ideologia alguma nisso.

10 de fevereiro de 2014
Percival Puggina (68) é arquiteto, empresário, escritor

VEJAM O TIPO DE "RACIOSSÍMIO" DE QUEM ELEGE NOSSOS POLÍTICOS

Distraídos? Não, destruídos, intelectualmente falando.
 
1. Um sujeito comprou uma geladeira nova e, pra se livrar da velha, colocou-a na calçada em frente à casa com o aviso: “De graça. Se quiser, pode levar”. A geladeira ficou três dias, sem receber um olhar dos passantes. Ele chegou à conclusão que as pessoas não acreditavam na oferta. Parecia bom demais pra ser verdade, e ele mudou o aviso: “Geladeira à venda por R$ 50,00″. No dia seguinte, ela tinha sido roubada!
Cuidado! Esse tipo de gente vota!

2. Olhando uma casa para alugar, meu irmão perguntou à corretora de imóveis de que lado era o Norte, porque não queria que o sol o acordasse todas as manhãs. A corretora perguntou: “O sol nasce no norte?”. Quando meu irmão explicou que o sol nasce no Leste (aliás, há um bom tempo isso acontece), ela disse: “Eu não me mantenho atualizada a respeito desse tipo de coisa”.
Ela também vota!

3. Antigamente, eu trabalhava em suporte técnico num centro de atendimento a clientes em Manaus. Um dia, recebi um telefonema de um sujeito que perguntou em que horário o centro de atendimento estava aberto. Eu disse a ele: “O número que o senhor discou está disponível 24 horas por dia, 7 dias por semana. “Ele perguntou: “Pelo horário de Brasília ou pelo horário de Manaus?”. Pra acabar logo com o assunto, respondi: “Horário de Manaus”.
Ele vota!

4. Meu colega e eu estávamos almoçando no restaurante self-service da empresa, quando ouvimos uma das assistentes administrativas falando a respeito das queimaduras de sol que ela havia tido, ao ir de carro ao litoral. Estava num conversível, por isso “não pensou que ficaria queimada, pois o carro estava em movimento”.
Ela também vota!

5. Minha cunhada tem uma ferramenta salva-vidas no carro, projetada para cortar o cinto de segurança, se ela ficar presa nele. Ela guarda a ferramenta no porta-malas!
Minha cunhada também vota!

6. Meus amigos e eu fomos comprar cerveja para uma festa, e notamos que os engradados tinham desconto de 10%. Como era uma festa grande, compramos 2 engradados. O caixa multiplicou 10% por 2 e nos deu um desconto de 20%.
Ele também vota!

7. Saí com um amigo e vimos uma mulher com um aro no nariz, atrelado a um brinco, por meio de uma corrente. Meu amigo disse: “Será que a corrente não dá um puxão a cada vez que ela vira a cabeça?”. Expliquei que o nariz e a orelha de uma pessoa permanecem à mesma distância, independente da pessoa virar a cabeça ou não.
Meu amigo também vota!

8. Eu não conseguia achar minhas malas na área de bagagens do aeroporto. Fui então até o setor de bagagem extraviada e disse à mulher que minhas malas não tinham aparecido. Ela sorriu e me disse para não me preocupar, porque ela era uma profissional treinada e eu estava em boas mãos. “Apenas me informe: o seu avião já chegou?”.
Ela também vota!

9. Esperando ser atendido numa pizzaria, observei um homem pedindo uma pizza para viagem. Ele estava sozinho e o pizzaiolo perguntou se ele preferia que a pizza fosse cortada em 4 pedaços ou em 6. Ele pensou algum tempo, antes de responder: “Corte em 4 pedaços… Acho que não estou com fome suficiente para comer os 6 pedaços”.
Adivinha?? Isso mesmo, ele também vota!
 
10 de fevereiro de 2014
Por Magu, no Prosa e Política.

PARADINHA DE DILMA EM PORTUGAL TEVE UM MOTIVO: OS 25 MILHÕES DE EUROS DO PT LEVADOS POR ROSEMARY. SERÁ?



Tratada como segredo de Estado pelo Palácio do Planalto, a passagem da presidente Dilma Rousseff por Portugal já estava confirmada e foi comunicada ao governo local na quinta-feira, o que contradiz o ministro das Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo, segundo quem a decisão de parar em Lisboa só foi tomada “no dia da partida” da Suíça, no sábado passado.

A presidente e sua comitiva, desembarcaram em Lisboa, onde passaram o sábado e a manhã de domingo. Jantaram em um dos restaurantes mais badalados da cidade e se hospedaram nos hotéis Ritz e Tivoli - 45 quartos foram usados. Nada foi divulgado à imprensa.

Segundo fontes palacianas, Dilma se encontrou com representantes do Banco Espírito Santo (BES). Estranhamente o mesmo banco denunciado por Anthony Garotinho, do Partido Republicano. Segundo Garotinho, Rosemary (Caso Rosemarygate) levou 25 milhões de euros para Portugal numa viagem com o ex-presidente Lula da Silva. O montante está depositado numa conta na agência no Banco Espírito Santo (BES), no Porto.

O deputado acrescenta que Rosemary transportou o dinheiro numa mala diplomática, livre de inspecção. Contactado pela Agência Brasil, o BES informou, oficialmente, não “ter registo de qualquer depósito realizado pela senhora mencionada”, acrescentando mesmo que ela não é cliente do banco. Noronha foi exonerada após investigação da polícia federal, que revelou a existência de um esquema de fraudes de pareceres técnicos de importantes agências do governo em favorecimento de privados.

O senador Delcidio do Amaral (PT) e ex patrão de Dilma Rousseff na Petrobrás, tem um projeto de lei que “repatriaria” os 25 Milhões de Euros enviado pelo PT de forma ilegal. O projeto de lei nº 354/2009, O texto “dispõe sobre medidas de estímulo à prática de cidadania fiscal”, mas, na prática, tem por objeto conferir anistia criminal e incentivos fiscais para recursos depositados no exterior e não-declarados.

Em nota divulgada pela Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (ENCCLA), procuradores do Ministério Público Federal integrantes de grupo especializado em delitos financeiros e de lavagem de dinheiro também são contra o projeto de lei nº 354/2009, de autoria do senador Delcídio do Amaral (PT-MS).

Segundo a ENCCLA, aprovar o projeto, significaria reconhecer a inutilidade de boa parte do esforço desencadeado nos últimos anos no combate a crimes financeiros e correlatos. O PLS 354/2009 traz limitações na averiguação da origem de recursos mantidos no Exterior. Ele tem como medida principal a extinção da punibilidade dos crimes contra a ordem tributária, evasão de divisas (e sua lavagem), descaminho, falsificação de documento, falsidade ideológica e sonegação previdenciária, em relação às pessoas que mantêm dinheiro no exterior sem declará-los no Brasil (sem pagar impostos).

Se o projeto for aprovado: pessoas físicas poderiam introduzir alterações na declaração de bens e direitos (sejam eles no país ou no Exterior) pagando quantias correspondentes a 5 e 10%, respectivamente, sobre o valor total declarado - sendo que estes valores chegam a 27,5% na declaração normal.

A Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), alertou a sociedade para os prejuízos morais do projeto conhecido como “Cidadania Fiscal” (PLS 354/2009), em tramitação Senado Federal, que contempla, com anistia tributária e penal, contribuintes brasileiros que repatriarem valores mantidos no exterior e não declarados à Receita. O projeto é de autoria do senador Delcídio Amaral (PT-MS).

O projeto é a proposta mais imoral que já tramitou no Congresso Nacional desde a redemocratização do País. Segundo a Ajufe, há formas judiciais de recuperar esse dinheiro dentro dos princípios legais e constitucionais e a anistia, nesse caso, funcionaria como um estímulo ao crime de evasão de divisas. “Esse projeto de lei é um absurdo, é uma vergonha e não pode ser aprovado, sob pena de violação o principio constitucional da moralidade, que rege administração pública em todas as suas esferas”

Justiça quebra o sigilo de contas e a polícia pede ajuda internacional para rastrear doação clandestina ao PT na campanha de 2002. O ex-presidente Lula será intimado a depor

Em setembro do ano passado, o empresário Marcos Valério (preso), o operador do mensalão, apresentou-se voluntariamente à Procuradoria-Geral da República em Brasília e prestou um longo depoimento em que formalizava algumas revelações acachapantes sobre o maior escândalo de corrupção da história do país. O julgamento do processo contra os mensaleiros, entre eles o próprio Valério, estava em pleno curso no Supremo Tribunal Federal (STF).

O empresário queria proteção e um acordo de delação premiada. Entre as novidades, Valério contou que o ex-presidente Lula não só tinha conhecimento do mensalão como avalizou as operações financeiras clandestinas. Disse ainda que o dinheiro usado para subornar parlamentares também pagou despesas pessoais de Lula, inclusive quando ele já ocupava a cadeira de presidente da República. O depoimento deu origem a várias investigações. Uma delas, envolvendo uma suposta doação ilegal de dinheiro ao PT, agora vai ganhar reforço internacional.

A Polícia Federal pediu ajuda para rastrear a movimentação de contas bancárias no exterior que, segundo o publicitário Marcos Valério, foram utilizadas pelo PT para receber doações ilegais que bancaram despesas da campanha presidencial de 2002.

Em seu depoimento, o operador do mensalão forneceu aos procuradores os números de três contas usadas para receber 7 milhões de dólares da Portugal Telecom, gigante do setor de telefonia que tinha negócios no Brasil e interesse em se aproximar do governo recém-empossado. Valério disse que a doação foi acertada por Lula, José Dirceu e o ex-ministro Antonio Palocci, e que ele cuidou pessoalmente da operação em Lisboa. Para despistar eventuais curiosos, os depósitos teriam sido feitos por fornecedores da Portugal Telecom em Macau, um pedaço minúsculo de terra no sul da China colonizado pelos portugueses onde a influência de Lisboa se faz presente até hoje.
 
10 de fevereiro de 2014

O TRIPÉ

 

O senhor Pedro Passos, sócio fundador da empresa Natura e presidente do Iedi (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial), concedeu entrevista a jornalistas do Estadão.
Entre suas considerações, a fala que transcrevo aqui adiante é especialmente alarmante: «O ambiente econômico está muito prejudicado no País. A taxa de investimento é muito baixa, o clima de confiança não existe, acabou. Falta direção. Não está claro para onde estamos indo, quais são os grandes compromissos. Isso cria instabilidade.»
Sabemos todos que nossos atuais mandachuvas se sustentam há mais de dez anos no poder. Sabemos também que essa longevidade ― incomum em nossa República ― está equilibrada num tripé: economia estável, grandes capitães da indústria satisfeitos, camadas populares felizes. Para parar em pé, uma mesa ― ou um palanque, como queiram ― precisa de três pés. Com dois, vai bambear.
Durante dez anos, a economia brasileira, estabilizada por medidas tomadas por governos anteriores, beneficiou-se do ambiente internacional de expansão. Conseguiu, assim, surfar na crista da onda. Estava armado o primeiro pilar.
 
Botte-cul artesanal
Botte-cul artesanal
 
Na esteira dessa expansão, os grandes grupos econômicos brasileiros ― aqueles que, no fundo, detêm o poder real ― não tiveram do que reclamar. Só pediam mais do mesmo. Coração leve, constituíram o segundo pilar.
Esse clima de euforia amplificado por bem orquestrada propaganda embalou as camadas menos favorecidas da população. Elas não relutaram em aplaudir e acompanhar a carruagem. Estava montado o tripé.
Numa análise ingênua e superficial, muitos medalhões acreditaram que o «sistema» duraria decênios. É verdade que ainda está de pé, pelo menos em aparência. Mas fendas, fissuras e rachaduras se alastram pelas paredes. Sapo que incha demais periga explodir.
O panorama da economia planetária já não se apresenta tão róseo para o Brasil. A primeira perna do tripé está bambeando. As considerações tecidas pelo presidente do Iedi deixam claro que os grandes empreendedores andam desanimados com as incertezas nacionais. Perigam expatriar seus capitais e investir em ambientes mais propícios. Se o fizerem, a segunda perna do tripé também vai bambear.
 
Botte-cul design
Botte-cul “design”
 
Resta um último ponto de apoio: o voto popular. Não há que esquecer que ele deriva, em grande parte, da dinâmica econômica do país. Baixos investimentos e altos gastos de manutenção da máquina governamental não são o melhor combustível para arribar o povão a um bem-estar duradouro. Propaganda ufanista não enche barriga.
Se o voto das camadas menos informadas também esmorecer, o palanque vai acabar desabando por mera falta de pontos de apoio. Saco vazio não para em pé. E tem mais: ainda que, por hipótese, o apoio dos estratos mais dependentes da população se mantivesse, as duas outras pernas continuariam faltando. Que eu saiba, o único banquinho de um pé só é aquele que pequenos camponeses utilizam para a ordenha. Em francês popular, o nome é botte-cul.
No entanto… vale lembrar que vaca mal alimentada dá pouco leite. Pode até secar de todo.
 
10 de fevereiro de 2014
José Horta Manzano
 

COMENTÁRIO SOBRE O CASO DO CINEGRAFISTA DA BAND ATINGIDO POR MORTEIRO EM MANIFESTAÇÃO NO RIO

GOVERNO DILMA NEGA DIREITO À COMPLETA PREVENÇÃO DO CÂNCER DE MAMA

Trata-se de uma portaria do governo federal que mudou as regras para realização do exame preventivo. Conseguem ouvir o silêncio das feministas-de-governo quanto a isso? Diferente do barulhão que fazem quando reclamam das tenebrosas piadas "machistas" da TV, né?

 

dilma padilha Governo Dilma nega direito à completa prevenção do câncer de mama
 
Segue nota divulgada pela Sociedade Brasileira de Mastologia, assinada pelo Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR), pela Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) e pela Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM):
Governo federal nega direito à prevenção do câncer de mama – O governo federal decidiu, unilateralmente, que mulheres com até 49 anos não têm mais o direito de detectar precocemente o câncer de mama. A Portaria nº 1.253, editada em novembro de 2013 pelo Ministério da Saúde, restringe o repasse de verbas da União aos municípios a mamografias em pacientes na faixa etária de 50 a 69 anos. A medida contraria a Lei 11.664/08, em vigor desde 29 de abril de 2009, segundo a qual todas as mulheres têm direito à mamografia a partir dos 40 anos. Além disso, a Portaria nº 1.253 refere um procedimento condenável pelos médicos: a meia mamografia, denominada mamografia unilateral, isto é, exame em apenas uma das mamas. Pelo que estabelece texto, os municípios têm a opção de arcar sozinhos com o custeio de mamografias para mulheres com até 49 anos e podem remunerar somente a mamografia unilateral. A mamografia é um exame que exige a comparação das duas mamas. Com a publicação da Portaria, pode-se interpretar que é possível realizar a mamografia unilateral. Mas não há como selecionar um dos lados a examinar sendo que a lesão procurada muitas vezes não é palpável. Tampouco se pode admitir a espera de que o tumor cresça para se examinar a mama com maior chance de câncer. Além disso, a chamada mamografia unilateral reduziria pela metade o número de casos diagnosticados. Se este impropério continuar, será inevitável o aumento de mortes e de retirada de seios (mastectomias) que poderiam ser evitadas. Diante do subfinanciamento da saúde no Brasil, com diminuição progressiva da participação da União no custeio do Sistema Único de Saúde e consequente oneração dos municípios, na prática a referida portaria nega às mulheres com até 49 anos a prevenção e o tratamento precoce do câncer de mama. De acordo com parecer da Comissão Nacional de Mamografia – formada pelo Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR), Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) e Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), estudo internacional aponta redução de 26% a 29% na mortalidade em mulheres entre 40 e 49 anos comparadas a pacientes não submetidas ao rastreamento (mamografia preventiva). A Comissão também cita estudo brasileiro mostrando que 42% dos casos de câncer de mama registrados em Goiânia (GO) ocorreram em pacientes abaixo dos 49 anos. O levantamento de um grande hospital oncológico de Curitiba (PR) aponta que, de 2005 a 2009, 39,8% das pacientes operadas com diagnóstico de câncer de mama tinham até 49 anos. O índice passou a 37,1% de 2010 a 2011. Dessa forma, o CBR, a Febrasgo e a SBM afirmam que as determinações da Portaria nº 1.253 não se enquadram na boa prática médica e são prejudiciais à saúde da mulher brasileira. Defendemos o rastreamento mamográfico para todas as mulheres assintomáticas acima de 40 anos. Enfatizamos também que, no caso das pacientes que apresentem sintomas mamários, não existe limitação quanto à faixa etária para a avaliação mamográfica, que sempre deve ser bilateral (denominada de mamografia diagnóstica). Enquanto estudamos contestar a Portaria nº 1.253 na Justiça, se não houver abertura de diálogo por parte do Ministério da Saúde, recomendamos aos médicos que continuem prescrevendo a mamografia de rastreamento para pacientes acima de 40 anos e não aceitem a chamada mamografia unilateral.” (grifos nossos)
A nota alude à Portaria 1234, de 2013, redigida de maneira burocrática e hermética, ao fazer ela própria referência a outros quadros de exames e afins. Na prática, tem-se o que foi denunciado pelas associações de saúde. Só serão pagos exames em UMA das mamas (chega a parecer escárnio, não?).
 
E se alguém fizer comparativos com os gastos monumentais com a copa ou portos em Cuba, vão dizer que é “coisa de reaça alienado”. Mas é, sim, a pura verdade. E é também a despedida de Padilha (saiba mais sobre ele aqui e aqui) do Governo Dilma – agora o mandaram concorrer a “Haddad do Estado de SP”.
Ou este governo ou não é sério ou é seriamente picareta.
 
10 de fevereiro de 2014
Gravatai Merengue

OS MITOS VENDIDOS PELO MARKETING DO PT VISANDO AS ELEIÇÕES

A taxa de desemprego seria 4 vezes maior, o Brasil segue importando petróleo, a dívida externa segue viva e quase 30 milhões de brasileiros continuam na pobreza extrema


dilma 19 11 12 1 Os mitos vendidos pelo marketing do PT visando as eleições
 
O PT vem vendendo seu governo como conquistador de metas há muito desejadas pelo brasileiro: o fim do desemprego e da dívida externa, autossuficiência do petróleo ou ainda o baixo índice de pessoas vivendo na pobreza extrema. O que poucos sabem é que, a exemplo do que Mantega fez com a economina, todas essas soluções nascem de uma espécie de “contabilidade criativa” comandada por seus marketeiros.
 
Por exemplo, a taxa de desemprego no Brasil de acordo com dados do IBGE é de 5,5%, uma das melhores do mundo. Mas, segundo estudo feito pelo Instituto Ludwig von Mises Brasil em cima dos mesmos dados, ela estaria na verdade em 20,8%. A diferença entre as duas aferições é o que cada uma considera como desempregado, algo já detalhado no Implicante.
 
O IBGE não considera desempregadas pessoas que trabalham sem remuneração, desalentadas e que fazem bicos esporádicos, mesmo que seus ganhos fiquem abaixo do salário mínimo, o que favorece muito a propaganda enganosa do governo. O cálculo é tão desleixado que basta o brasileiro trabalhar uma hora por ano para não ser considerado desempregado.

O suposto fim da dívida externa

Outro mito vendido pelo partido é o fim da dívida externa brasileira. O que ocorreu, na verdade, foi que, a fim de quitá-la em 2008, o governo de Lula incorporou-a à dívida interna, que no mesmo ano atingiu R$ 1,4 trilhão – ou 65% do PIB brasileiro. Apenas de juros, o governo chegou a pagar R$ 13 bilhões em um mês.
 
O cenário piora com a notícia de que a dívida externa, depois de tão pouco tempo, já vem oscilando em torno dos US$ 310 bilhões. Enquanto issoa interna continua crescendo com média de 8,98% ao ano considerando o período entre 2004 a 2013. No mesmo intervalo, o PIB cresceu em média 3,64% – ou seja, menos da metade. Ao todo, o Brasil já soma mais de R$ 2 trilhões em dívidas.

O autossuficiente que importa petróleo

No que diz respeito à autossuficiência em petróleo, basta olhar para o recorde de déficit comercial que teve como principal responsável o produto, causador de um rombo de US$ 15 bilhões. Em 2006, quando alardeou o fato como uma grande conquista, Lula esqueceu-se de dar detalhes sobre essa autossuficiência.
 
A questão é que, embora produza barris o bastante para abastecer o seu consumo diário, apenas uma pequena porcentagem deles é de petróleo leve – de onde se extrai gasolina e outros derivados nobres. Assim, o país acaba precisando importá-lo, já que a maior parte de suas refinarias só é preparada para esse tipo de petróleo.
O que sobra do nosso óleo pesado vai para exportação. Mas o dinheiro que entra ainda não é suficiente para cobrir o que gastamos importando petróleo. Isso porque o óleo leve é mais caro, por render mais derivados nobres e ser mais fácil de refinar.
A partir de 2007, a demanda cresceu mais que a produção, e até setembro de 2012 havia déficit de 48 milhões de barris naquele ano. Em 2013, a Petrobrás anunciou que voltou a importar petróleo da Venezuela após nove anos sem fazê-lo, mas afirma que em 2014 deve recuperar a “autossuficiência”.

O índice de pobreza extrema que ignora a inflação

O combate à pobreza no Brasil também apresenta-se como questionável. A fim de erradicar a miséria, o governo realiza um repasse mensal complementar para que a renda per capita de famílias mais pobres alcance ao menos R$ 70 ao mês, valor muito aquém do necessário.
Em onze das 18 capitais monitoradas pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), R$ 70 não garantem sequer a compra da parte de uma cesta básica destinada a uma pessoa. Em São Paulo, seriam necessários R$ 95,41 para a aquisição.
Além disso, essa quantia foi adotada em junho de 2011 e jamais reajustada para acompanhar a inflação. Se considerarmos o reajuste inflacionários desde 2009, quando o projeto começou a sair do papel, o índice não corrigido escondia ainda em 2013 nada menos que 27,3 milhões de brasileiros vivendo na pobreza extrema.

De olho na reeleição

No momento em que este texto é finalizado, o Google já contabiliza 4160 sites publicando a mesma notícia da agência EFE: “PT completa 34 anos focado na reeleição de Dilma“. Mas, de fato, a reeleição vira alvo do partido desde o momento em que assume o poder e define qual será a história que tentará contar na eleição seguinte.
 
Para 2014, além da suposta erradicação da pobreza extrema, o governo tentará emplacar a redução da conta de energia e a importação de médicos para trabalhar nas menores cidades do país, mesmo que a redução esteja sendo paga pelos próprios cofres públicos – ou seja, indiretamente pelos próprio brasileiros – e haja investigação sobre a prática de trabalho escravo no Mais Médicos.
 
O marketing do partido sabe que só precisam segurar sua versão da história por mais alguns meses, no caso, até outubro. É justamente o tempo que a oposição possui para trazer a verdade ao brasileiro. Não conseguindo, caberá ao governo bolar novas histórias para a eleição seguinte e assim seguir no que vem se provando ser seu principal projeto político, o de ampliação e manutenção do próprio poder.
 
10 de fevereiro de 2014
Marlos Ápyus

MAIS UM CUBANO ABANDONA O PROGRAMA "MAIS MÉDICOS"

Médico designado para trabalhar no interior de São Paulo já estaria nos Estados Unidos, segundo mensagem postada na internet

1901360 1442164679351613 1213323301 n 600x315 Mais um cubano abandona o programa Mais Médicos
 
O Programa Mais Médicos registra um novo caso de deserção. O médico cubano Ortelio Jaime Guerra abandonou há pelo menos uma semana a cidade paulista de Pariquera-Açu, onde prestava atendimento.  
Em mensagem postada em rede social nesta segunda-feira, 10, o médico informa que estaria agora nos Estados Unidos. No texto, afirma não ter comunicado os amigos a partida por “questões de segurança”. 
O secretário de Saúde de Pariquera-Açu, Willian Rodrigo Virgínio de Souza, confirmou a saída de Ortelio, mas não quis entrar em detalhes sobre a data do ocorrido.  
Questionado, o Ministério da Saúde também informou que Ortelio era intercambista, mas não detalhou as condições em que ele saiu do programa nem revelou seu paradeiro. Na semana passada, o ministro da Saúde, Arthur Chioro, havia dito que já foram registradas desistências de cubanos do Mais Médicos. Mas todos teriam retornado para aquele país.  
Ortelio ingressou no programa em dezembro de 2013. Na sua mensagem de despedida, postada na rede social, ele agradece pessoas próximas com quem trabalhou e pede desculpas pelo português. “Nao tivei muito tempo pra perfeccionarlo”, diz.
Este é o segundo caso de saída de intercambistas cubanos do Mais Médicos em menos de uma semana. Na terça-feira passada, 4, a cubana Ramona Matos Rodrigues pediu abrigo na liderança do DEM depois de fugir da cidade de Pacajá, no Pará, onde prestava assistência à população.  
Ramona afirmou que a decisão foi tomada depois de obter conhecimento de que o Ministério da Saúde repassa mensalmente para os médicos que atuam no programa o equivalente a R$ 10 mil. Recrutada por meio de um convênio firmado entre Organização Pan-Americana (Opas) e Cuba, Ramona disse receber o equivalente a US$ 400.
10 de fevereiro de 2014
Estadão
in implicante

BRASIL REAL SEM O MARQUETINGUE DOS VELHACOS

Balança comercial tem rombo de US$ 5,8 bilhões no acumulado de 2014. Na primeira semana deste mês, exportações caíram 24,6% na comparação com a mesma semana de 2013 e houve saldo negativo de US$ 1,703 bilhão


http://4.bp.blogspot.com/_wtIW3W4dzjA/TH7zhj7lb4I/AAAAAAAACJo/2x2h8lW8p9Q/s640/temer.jpg

Com o saldo negativo de US$ 1,703 bilhão da primeira semana de fevereiro, a balança comercial brasileira acumula déficit de US$ 5,761 bilhões em 2014 - informou nesta segunda-feira, 10, o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comercio (MDIC). Foram 27 dias úteis até agora.

Na comparação com o mesmo período de 2013 (mês de janeiro e primeira semana de fevereiro, mas com 23 dias úteis), o saldo negativo estava em R$ 4,222 bilhões. O déficit acumulado em 2014 é 36% maior que o do ano passado.


Fevereiro. 
 
Na primeira semana de fevereiro, foram registradas exportações de US$ 3,258 bilhões e importações de US$ 4,961 bilhões.

As vendas externas no acumulado de 2014 somam US$ 19,284 bilhões, com média diária de US$ 714,2 milhões, 1,8% menor que no mesmo período de 2013 (US$ 727,0 milhões). As importações totalizam US$ 25,045 bilhões no acumulado de 2014, com média diária de US$ 927,6 milhões, alta de 1,9% em relação ao mesmo período do ano passado (US$ 910,6 milhões).

A média diária das exportações na primeira semana de fevereiro foi de US$ 651,6 milhões, queda de 24,6% em relação à media diária de fevereiro de 2013. A venda de produtos básicos caiu 32,4%, por conta, principalmente, de petróleo em bruto, milho em grão, algodão em bruto, fumo em folhas, farelo de soja, minério de ferro, café em grão, e carne suína e de frango.

Os embarques de manufaturados registraram queda de 19,4%. 
A retração foi puxada por automóveis de passageiros, óxidos e hidróxidos de alumínio, autopeças, pneumáticos, bombas e compressores, calçados e motores e geradores elétricos. No grupo de semimanufaturados, a queda nas exportações foi de 18,1%, puxada por açúcar em bruto, semimanufaturados de ferro ou aço, celulose e ouro em forma semimanufaturada.

Nas importações, a média diária da primeira semana de fevereiro de 2014 foi de US$ 992,2 milhões, 6,1% acima da média de fevereiro de 2013 (US$ 934,9 milhões). Aumentaram as compras no exterior de combustíveis e lubrificantes (43,4%), aparelhos eletroeletrônicos (12,5%), cereais e produtos de moagem (6,0%), plásticos e obras (3,2%) e instrumentos de ótica e precisão (3,1%).


Renata Veríssimo - Agência Estado
10 de fevereiro de 2014

COM JEITO PETRALHA DE "GUVERNÁ"

 

O Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) acumula um desempenho nada animador nos últimos 15 anos. De julho de 1999 a fevereiro de 2014, seu reajuste foi de 99,71%, bem abaixo da inflação no período. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), por exemplo, acumula alta de 159,24% até janeiro deste ano, o último dado disponível.
O saldo do FGTS é atualizado todo dia 10 de cada mês, respeitando a fórmula de 3% ao ano mais Taxa Referencial. Na ponta do lápis, o rombo criado pelo descolamento entre o atual modelo de reajuste e os índices de preços está na casa dos bilhões. Só neste ano, R$ 6,8 bilhões deixaram de entrar no bolso dos trabalhadores, segundo cálculos do Instituto FGTS Fácil, organização não governamental que presta auxílio aos trabalhadores. Em 2013, a cifra chegou a R$ 27 bilhões.

A TR é calculada pelo Banco Central e tem como base a taxa média dos Certificados de Depósitos Bancários (CDBs) prefixados, de 30 dias a 35 dias, oferecidos pelos 30 maiores bancos do País. A redução da taxa básica de juros, a Selic, a partir de 1999, foi diminuindo o valor da TR e fez com que o reajuste do FGTS não conseguisse nem repor as perdas com a alta dos preços da economia.
A queda mais forte dos juros promovida no início do governo de Dilma Rousseff só acentuou esse problema. De 2012 para cá, não foi raro o momento em que a taxa ficou zerada.
 
A reversão dessa política, com o atual ciclo de aperto monetário, já elevou a Selic para 10,5% ao ano, o que ajuda a recompor um pouco a remuneração pela TR. Mas é insuficiente para que o FGTS seja reajustado no mesmo ritmo da inflação.
 
Uma simulação do FGTS Fácil aponta que um trabalhador que tinha R$ 10 mil em 1999, e não teve mais nenhum depósito desde então, teria agora R$ 19.971,69 pela atual regra. O valor subiria para R$ 40.410,97 caso o reajuste considerasse os 3% anuais mais a correção da inflação pelo INPC, uma diferença de mais de 100%.

Disputa. 
 
De olho nessa rentabilidade perdida, milhares de brasileiros tentam conseguir na Justiça uma mudança na correção do fundo. As centrais sindicais também entraram no jogo e estão movendo ações coletivas, geralmente a preços mais baixos que os cobrados por advogados em processos individuais.
O volume de ações começou a crescer no ano passado, quando o STF decidiu que a TR não poderia ser usada como índice de correção monetária para os precatórios - títulos de dívida emitidos pelo governo para pagar quem ganhou ações na Justiça contra o poder público.
A partir daí, muitos advogados entenderam que esse raciocínio poderia ser estendido para o debate sobre o FGTS, mas o tema é polêmico. "O STF disse que a TR não é índice de correção da inflação, nada além disso", afirma Geraldo Wetzel Neto, sócio do Bornholdt Advogados.

Na semana passada, a Defensoria Pública da União (DPU) ajuizou uma ação civil pública na Justiça do Rio Grande do Sul pedindo que a correção do FGTS seja alterada para melhor refletir a perda do poder de compra.
O juiz da 4ª Vara Federal de Porto Alegre, Bruno Brum Ribas, já decidiu que as resoluções ao longo desse processo terão validade em todo o País. Na avaliação do magistrado, é preciso reconhecer o alcance nacional da questão "sobretudo pela inquestionável proliferação de demandas da espécie já há alguns meses em todo o País".
Vale a ressalva de que, caso os trabalhadores vençam essa batalha, a diferença no reajuste do FGTS valeria não só para aqueles que têm saldo atualmente, mas também para quem efetuou resgates desde 1999.
A Caixa Econômica Federal, responsável pela administração do FGTS, acumula mais de 39 mil processos na Justiça sobre o tema e diz que já conseguiu vitória em 18,3 mil deles. Neste ano, contudo, começaram a aparecer as primeiras decisões favoráveis ao trabalhador. O banco informou, em nota, que "recorrerá de qualquer decisão contrária ao FGTS."

Mas o caminho ainda deve ser longo. 
 
A palavra final sobre o tema deve acontecer só na última instância do judiciário brasileiro, o Supremo Tribunal Federal (STF). "É uma tese ainda em início de trajetória no poder judiciário", ressaltou a assessoria de imprensa da DPU. "O julgamento vai ser demorado porque haverá um componente político quando o tema chegar em Brasília", diz Wetzel.
Nas contas do tributarista Carlos Henrique Crosara Delgado, do escritório Leite, Tosto e Barros, a discussão só deve chegar ao Supremo num período de cinco a dez anos. "A tese em discussão é a mesma dos planos econômicos, de que o patrimônio do trabalhador foi corroído."
Dinheiro represado. 
 
Todos os meses, as empresas são obrigadas a depositar o equivalente a 8% do salário do empregado na conta do FGTS. Como a disputa pela mudança da correção do fundo está longe de terminar, as perdas continuam a crescer mês a mês.
O problema se agrava porque, caso o trabalhador não tenha sacado o valor, não há opção de destinar o dinheiro para uma aplicação mais vantajosa ou, ao menos, que cubra a inflação. O dinheiro do fundo pode ser resgatado, por exemplo, em caso de demissão sem justa causa, doença grave ou compra de imóvel.
Mario Avelino, presidente do Instituto FGTS Fácil, diz que embora as questões relativas ao FGTS possam ser questionadas em um período de até 30 anos, a hora é de tentar recuperar as perdas. "Quanto mais ações de trabalhadores, mais pressão sobre o judiciário", afirma.
Embora a percepção geral seja de que a maré está virando a favor dos trabalhadores, alguns especialistas lembram que não há garantias, por enquanto, de vitória dos trabalhadores.
Isso porque as decisões favoráveis até agora ainda podem ser questionadas. "O trabalhador pode, por exemplo, cair com um juiz que não tenha esse raciocínio e aí terá de pagar os honorários advocatícios caso perca a ação’, alerta Delgado.

Apesar dos riscos, vale a ressalva de que o trâmite na Justiça, em ação individual ou coletiva, deve se arrastar por muitos anos. Logo, a decisão sobre a ação de um trabalhador pode, eventualmente, coincidir com o período em que o tema estará em discussão no STF.
 
 
 
 




EXPURGOS DA TR
 
10 de fevereiro de 2014
Hugo Passarelli - O Estado de S. Paulo