"Quero imaginar sob que novos traços o despotismo poderia produzir-se no mundo... Depois de ter colhido em suas mãos poderosas cada indivíduo e de moldá-los a seu gosto, o governo estende seus braços sobre toda a sociedade... Não quebra as vontades, mas as amolece, submete e dirige... Raramente força a agir, mas opõe-se sem cessar a que se aja; não destrói, impede que se nasça; não tiraniza, incomoda, oprime, extingue, abestalha e reduz enfim cada nação a não ser mais que um rebanho de animais tímidos, do qual o governo é o pastor. (...)
A imprensa é, por excelência, o instrumento democrático da liberdade." Alexis de Tocqueville
(1805-1859)

"A democracia é a pior forma de governo imaginável, à exceção de todas as outras que foram experimentadas." Winston Churchill.

domingo, 10 de janeiro de 2016

TEORIA DA CONSPIRAÇÃO


Confesso que ontem voltei a estudar o tema. Já vi quadrilhas bem de perto. Talvez perto o suficiente para saber que uma boa teoria da conspiração sempre tem dois lados, aparentemente opostos, mas que se atraem numa estranha confraria. Basta pesquisar um pouco o que temos hoje na internet sobre UFOs e afins. De um lado estariam “os americanos”, esses imperialistas que já falam com ETs e escondem isso da maioria da plebe rude e de outros “iluminados”, que perceberam antes de todo mundo que eles já estão entre nós.
O motivo do tema? Porque ele me interessa particularmente para entender a “filosofia petista”, se é que existe alguma coisa desse tipo no comportamento medianamente ladravaz e truculento desses bandidos. Acho que é lenda urbana, como os ETs e o óleo ungido de Israel, com seu cheiro característico de óleo de pastel barato. O fato é que o Brasil é muito permissivo com seitas e afins. São “empresas”. Ganham muito dinheiro com suas atividades borderlines, no limite da contravenção ou dentro dela mesmo, mas precisam de “legitimidade” para se tornarem “autoridades” em seus galinheiros.
Essa é, portanto, a cruzada dessa gente rumbeira: serem “aceitos” na sociedade que vem aceitando tudo. Há filósofos e historiadores no país dispostos a ver tudo como uma grande engrenagem, onde cada um exerce o papel de formiga, ou de aviãozinho da quadrilha.
Sob certos aspectos, a coisa é um pouco pior, pois é uma “mentalidade” e não um arranjo combinado. Como as moscas, estes indivíduos apenas “zumbem” em uníssono, sem saber direito para que causas serve o que estão fazendo. O brasileiro não é lá muito esclarecido. Agitado da maneira correta, seria a bucha dos canhões desse gente rumbeira, acostumada na tubaína e na mortadela a fazer “o país que vai pra frente”, sabe-se lá em direção a que abismo. A esquerda tinha o protagonismo das ruas e das massas quando parecia legítima aos olhos de muitos. O embuste não durou dois governos ladrões completos.
Escandalizada com a abrangência do patrulhamento e da roubalheira, a sociedade só agora se deu conta de que tirou o ladrãozinho dos cofres públicos de sempre para lá colocar o ladrãozão no lugar. Anestesiada até então pelo “representativismo”, não percebeu que, de novo, passou um cheque em branco para um bando de bandidos fazerem o que bem entendem de nossos combalidos cofres públicos.
Já disse aqui mesmo que tenho dificuldade em aceitar que exista uma “sofisticada organização criminosa” no poder, pois de sofisticada ela não tem nada. São roubos comuns, que só não foram devidamente esclarecidos porque a lei sempre foi conivente com este tipo de bandidagem. Já não é mais.
A roubalheira “deu na vista”, passou dos limites, lambuzou a petralharia segundo seus próprios membros e está aí agora para todo mundo ver também. O que vão fazer de seus agentes e beneficiários? O Brasil que presta espera uma resposta que seja convincente. Até agora só os “ricos empresários” estão comendo cadeia, sem confundir os “delcídios”, idiotas úteis que foram pegos em flagrante delito.
A primeira instância funcionou bem até aqui. Vamos ver o que acontece quando o “puxadinho do PT” na toga for acionado para salvar o rabão lustroso desses calhordas. O pouco que vimos até agora já foi de enojar. Se são bolivarianos legítimos ou fraudados, pouco interessa. Estão na mira de uma sociedade que já não tolera mais essa vigarice travestida de “defesa” dos interesses sociais. Só deles.
Sabemos bem o que os vigaristas defendem. No momento, defendem tão somente o próprio traseirão avantajado e incômodo. Comer cadeia não deve ser nada agradável, para quem já foi tão longe na vigarice sem ser pego. Questão de tempo.

10 de janeiro de 2016
Vlady Oliver

LEGADO DA DILMA: INFLAÇÃO DE 10,67% - REAJUSTE DA BOLSA FAMÍLIA DE 1,4%


A previsão de um reajuste abaixo da inflação de 2015 para o programa Bolsa Família neste ano deverá ter um impacto direto na renda das residências mais pobres do Brasil. Considerado o gasto efetivo do ano passado, de R$ 27,7 bilhões, e o orçamento para o programa deste ano, de R$ 28,1 bilhões, o máximo reajuste possível para o benefício será de 1,4%.

Sem especificar números, o Ministério do Desenvolvimento Social (MDS) divulgou na semana passada que haverá R$ 1 bilhão a mais para o programa em 2016, o que permitiria uma correção maior, de até 3,7%. Ainda assim, o porcentual ficará bem abaixo do IPCA, índice de inflação oficial do País, que ficou em 10,67% no ano passado, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Durante uma década, o orçamento do Bolsa Família cresceu consistentemente acima da inflação (ver quadro acima), mas a situação se inverteu desde o ano passado, quando o total liberado para o programa subiu só 1,8% em relação a 2014.

“O Bolsa Família impacta bastante o consumo e a vida de seus beneficiários, que possuem renda extremamente baixa. Entretanto, o valor desembolsado tem baixa representatividade. Corresponde a aproximadamente 0,5% do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro”, afirma Renato Meirelles, diretor do Data Popular. Segundo o instituto, 50% dos pagamentos são feitos na região Nordeste do País, que concentra 6,9 milhões do total de 13,9 milhões de beneficiários.


Diante do perfil dos beneficiários, a perda do poder de compra do Bolsa Família deverá impactar justamente a camada mais carente da população. Em 2014, a consultoria Plano CDE, especializada na base da pirâmide, realizou um estudo que subdividiu beneficiários do programa em quatro categorias sociais distintas. 
Segundo o sócio-diretor da Plano CDE, Maurício de Almeida Prado, o Bolsa Família representava 23% do rendimento doméstico total do mais pobre dos quatro grupos. “O Bolsa Família garante a recorrência de renda para as famílias mais pobres. Nos meses em que o trabalho é escasso, pois a informalidade é alta entre essa população, é o benefício que coloca a comida na mesa”, diz o especialista.

Leia mais aqui no Estadão.
10 de janeiro de 2016
in coroneLeaks

A REVOLUÇÃO CULTURAL DO PT

O Ministério da Educação está preparando uma Revolução Cultural que transformará Mao Tsé-Tung em um moderado pedagogo, quase um "reacionário burguês." Sob o disfarce de "consulta pública", pretende até junho "aprovar" uma radical mudança nos currículos dos ensinos fundamental e médio — antigos primeiro e segundo graus. Nem a União Soviética teve coragem de fazer uma mudança tão drástica como a "Base Nacional Comum Curricular.

No caso do ensino de História, é um duro golpe. Mais ainda: é um crime de lesa-pátria. Vou comentar somente o currículo de História do ensino médio. Foi simplesmente suprimida a História Antiga.

Seguindo a vontade dos comissários-educadores do PT, não teremos mais nenhuma aula que trata da Mesopotâmia ou do Egito. Da herança greco-latina os nossos alunos nada saberão. A filosofia grega para que serve? E a democracia ateniense? E a cultura grega? E a herança romana? E o nascimento do cristianismo? E o Império Romano? Isto só para lembrar temas que são essenciais à nossa cultura, à nossa história, à nossa tradição.

Mas os comissários-educadores — e sua sanha anticivilizatória — odeiam também a História Medieval.

Afinal, são dez séculos inúteis, presumo. Toda a expansão do cristianismo e seus reflexos na cultura ocidental, o mundo islâmico, as Cruzadas, as transformações econômico-políticas, especialmente a partir do século XI, são desprezadas. O Renascimento — em todas as suas variações — foi simplesmente ignorado. Parece mentira, mas, infelizmente, não é. Mas tem mais: a Revolução Industrial não é citada uma vez sequer, assim como a Revolução Francesa ou as revoluções inglesas do século XVII.

O apagamento da História, ao estilo Ministério da Verdade de "1984," não perdoou a história dos Estados Unidos — neste caso, abriu exceção somente para a região onde esteve presente a escravidão. Do século XIX europeu, tudo foi jogado na lata de lixo: as unificações alemã e italiana, as revoluções — como a de 1848 —, os dilemas político-ideológicos, as mudanças econômicas, entre outros temas clássicos e indispensáveis à nossa História.

Os policiais da verdade não perdoaram também a História do Brasil. Os movimentos pré-independentistas — como as Conjurações Mineira e Baiana — não existiram, ao menos no novo currículo. As transformações do século XIX, a economia cafeeira, a transição para a industrialização foram desconsideradas, assim como a relação entre as diversas constituições e o momento histórico do país, isto só para ficar em alguns exemplos.

Mas, afinal, o que os alunos vão estudar? No primeiro ano, "mundos ameríndio, africanos e afro-brasileiros." Qual objetivo? "Analisar a pluralidade de concepções históricas e cosmológicas de povos africanos, europeus e indígenas relacionados a memórias, mitologias, tradições orais e a outras formas de conhecimento e de transmissão de conhecimento." E também: "interpretar os movimentos sociais negros e quilombolas no Brasil contemporâneo, estabelecendo relações entre esses movimentos e as trajetórias históricas dessas populações, do século XIX ao século XXI." Sem esquecer de "valorizar e promover o respeito às culturas africanas, afro-americanas (povos negros das Américas Central e do Sul) e afro-brasileiras, percebendo os diferentes sentidos, significados e representações de ser africano e ser afrobrasileiro."

No segundo ano — quase uma repetição do primeiro — o estudo é sobre os "mundos americanos." Objetivo: "analisar a pluralidade de concepções históricas e cosmológicas das sociedades ameríndias a memórias, mitologias, tradições e outras formas de construção e transmissão de conhecimento, tais como as cosmogonias inca, maia, tupi e jê." Ao imperialismo americano, claro, é dado um destaque especial. Como contraponto, devem ser estudadas as Revoluções Boliviana e Cubana; sim, são exemplos de democracia. E, no caso das ditaduras, a sugestão é analisar o Chile de Pinochet — de Cuba, nem tchum.

No terceiro ano, chegamos aos "mundos europeus e asiáticos." Se a Guerra Fria foi ignorada, não foi deixado de lado o estudo da migração japonesa para o Paraguai na primeira metade do século XX (?). O panfletarismo fica escancarado quando pretende "problematizar as juventudes, discutindo massificação cultural, consumo e pertencimentos em diversos espaços no Brasil e nos mundos europeus e asiáticos nos séculos XX e XXI." Ou quando propõe "relacionar as sociedades civis e os movimentos sociais aos processos de participação política nos mundos europeus e asiáticos, nos séculos XX e XXI, comparando-os com o Brasil contemporâneo."

Quem assina o documento é o ex-ministro da Educação Renato Janine Ribeiro, um especialista brasileiro em Thomas Hobbes. Porém, Hobbes ou o momento em que viveu (o século XVII inglês) são absolutamente ignorados pelos comissários-educadores. Para eles, de nada vale conhecer Hobbes, Locke, Platão, Montesquieu, Tocqueville, Maquiavel, Rousseau ou Sócrates. São pensadores do mundo europeu. O que importa são as histórias ameríndias, africanas e afro-brasileiras.

O documento está recheado de equívocos, exemplos estapafúrdios, de panfletarismo barato, de desconhecimento da História. Os programas dos cursos universitários de História foram jogados na lata de lixo e há um evidente descompasso com a nossa produção historiográfica. A proposta é um culto à ignorância. Nenhuma democracia no mundo ocidental tem um currículo como esse. Qual foi a inspiração? A Bolívia de Morales? A Venezuela de Chávez? A Cuba de Castro?

Ou Lula, aquele que dissertou sobre a passagem de Napoleão Bonaparte pela China?



10 de janeiro de 2016
Marco Antonio Villa é historiador e professor da Universidade Federal de São Carlos.
Artigo publicado originalmente no jornal O Globo.

STF AUTORIZA QUEBRA DE SIGILOS DO SENADOR EDISON LOBÃO

EX-MINISTRO FOI CITADO NO ESCÂNDALO DE DESVIOS NA USINA ANGRA 3
EX-MINISTRO FOI CITADO NO ESCÂNDALO DE DESVIOS NA USINA ANGRA 3. FOTO: BETO BARATA/ESTADÃO CONTEÚDO

O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a quebra dos sigilos fiscal e bancário do senador Edison Lobão (PMDB-MA), segundo a assessoria de imprensa do STF. A quebra dos sigilos foi solicitada pela Polícia Federal e concedida em 10 de dezembro de 2015, antes do início do recesso do Judiciário.

Além de Lobão, o STF também permitiu a quebra dos sigilos de André Serwy, suposto operador do senador, e de empresas ligadas ao senador. A autorização foi para o período compreendido entre 2011 e 2015.

O nome do ex-ministro de Minas e Energia foi citado em delação premiada no âmbito da Operação Lava Jato que investiga desvios de dinheiro na construção da Usina Nuclear Angra 3.

Procurado pela reportagem, o advogado do senador, Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, disse que o senador já tinha colocado os sigilos à disposição da investigação quando prestou depoimento à Polícia Federal. "O senador espontaneamente colocou todos os sigilos à disposição da investigação, logo esta quebra determinada pelo ministro Teori em nada nos preocupa. Na realidade, veio ao encontro do pedido do próprio senador". (ABr)



10 de janeiro de 2016
diário do poder

JOSEF STALIN - DEZ VEZES PIOR QUE HITLER

HOLOCAUSTO - A EXECUÇÃO DO MAL

QUEM FOI PABLO ESCOBAR?

FILME - A GUERRA DE CANUDOS

Guerra de Canudos - filme completo - YouTube

https://www.youtube.com/watch?v=P4OYhj7Io0E

10 de janeiro de 2016
m.;americo

DOCUMENTÁRIO. ANTONIO CONSELHEIRO

COMO FOI O FIM DO NAZISMO? A HISTÓRIA POR TRÁS DO FILME " A QUEDA "

A GUERRA DE CANUDOS

História do Brasil A Guerra de Canudos [Edição e Narração ...

https://www.youtube.com/watch?v=oui1fjsbneM
10 de mar de 2013 - Vídeo enviado por Alexandre Maltezi
História do Brasil A Guerra de Canudos [Edição e Narração:ProfCesar Mota]. Alexandre ... povoação ...

10 de janeiro de 2016
m.americo

A ERA VARGAS

1930. A REVOLUÇÃO DE 30 INICIA A ERA VARGAS

32 A GUERRA CIVIL

10 de janeiro de 2016
m.americo

DENÚNCIA DO HISTORIADOR MARCO ANTONIO VILLA

marcos antonio villa denuncia outro golpe do pt ... - YouTube

https://www.youtube.com/watch?v=tQ-LY1gz3l8
6 dias atrás - Vídeo enviado por Vanderlei M C
MARCOS ANTONIO VILLA DENUNCIA OUTRO GOLPE DO PT CONTRA A EDUCAÇÃO! ... MEC quer ...

10 de janeiro de 2016
m.americo

BOLSONARO EXPLICA POR QUE NÃO PÕE FILHA EM ESCOLA PÚBLICA.


Atenção, pais de todo o Brasil.

O deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), que denuncia desde 2010 a doutrinação ideológica e sexual feita pelo Ministério da Educação, gravou o vídeo abaixo para explicar por que não coloca sua filha Laura, de 5 anos, em escola pública.

Comentando o recente artigo do historiador Marco Antonio Villa sobre “A Revolução Cultural do PT“, Bolsonaro mostra uma série de livros supostamente didáticos aos quais o governo petista expõe crianças e adolescentes do país.

Assista.




Cartilha gay distribuída em escola no Rio choca pais e alunos, ensina crianças a ser homossexuais.


Um material feito exclusivamente para o público gay foi distribuído na porta do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ). Na cartilha, ilustrações com imagens de sexo em grupo 
chocaram alunos e pais.