"Quero imaginar sob que novos traços o despotismo poderia produzir-se no mundo... Depois de ter colhido em suas mãos poderosas cada indivíduo e de moldá-los a seu gosto, o governo estende seus braços sobre toda a sociedade... Não quebra as vontades, mas as amolece, submete e dirige... Raramente força a agir, mas opõe-se sem cessar a que se aja; não destrói, impede que se nasça; não tiraniza, incomoda, oprime, extingue, abestalha e reduz enfim cada nação a não ser mais que um rebanho de animais tímidos, do qual o governo é o pastor. (...)
A imprensa é, por excelência, o instrumento democrático da liberdade." Alexis de Tocqueville
(1805-1859)

"A democracia é a pior forma de governo imaginável, à exceção de todas as outras que foram experimentadas." Winston Churchill.

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

HEROÍNA QUASE DESCONHECIDA

 

irena-sendler

Este texto, vindo à luz no início de nosso blog como independente, em 02 de Outubro de 2011, foi um dos posts que me deu mais prazer em publicar.

Faz 3 anos de sua publicação, e acredito que muitos leitores de hoje não o leram. Peço licença para republicá-lo, apenas para lembrar de uma heroína da Segunda Guerra Mundial que ficou oculta nas sombras da História. A montagem da ilustração foi feita pelo nosso saudoso editor Giulio Sanmartini.

No dia 12 de Maio de 2008 cerrava-se o véu da vida sobre Irena Sendler. Não sabem quem é? Era apenas mais uma heroína desconhecida da Segunda Grande Guerra, no estilo de Oskar Schindler, que ficou conhecido em meio mundo graças a Steven Spielberg. Irena Sendler era uma heroína desconhecida fora do seu país, a Polônia, e apenas reconhecida  por alguns historiadores, já que os anos de obscurantismo comunista havia apagado a sua façanha dos livros de história oficiai, como é de hábito, infelizmente, nos idiotas esquerdistas.

QUANDO UMA SÓ PESSOA FAZ A DIFERENÇA
 Ela  nunca contou a ninguém nada da sua vida durante todos aqueles anos. Em 1999 a sua história começou a ser conhecida, e foi graças a um grupo de alunos de um Instituto do Kansas, EUA, e ao seu trabalho de final de curso sobre os heróis do Holocausto. Na investigação deram com poucas referências sobre Irena e somente existia um dado surpreendente: Era um católica romana que tinha salvado a vida de 2.500 meninos judeus! Como era possivel que existisse tão pouca informação sobre uma pessoa assim? Quando buscaram sua tumba, não a encontraram, porque ainda estava viva. Foram vê-la e obtiveram seu depoimento pessoal. Vivia em um asilo no centro de Varsóvia.


Irena Sendler, née Krzyżanowska, depois Sendlerowa, era uma polonesa, enfermeira e assistente social que vivia em Varsóvia, trabalhando no Depto de Bem-Estar Social, que cuidava das salas de jantar comunitárias da cidade, em 1939, quando a Alemanha invadiu o país. Em 1942, os alemães confinaram os judeus no infame gueto de Varsóvia e Irena, horrorizada pelas condições de vida naquele lugar, uniu-se ao Conselho para Ajuda aos Judeus (Zegota). Conseguiu identificações da oficina sanitária, sendo que uma das tarefas era a luta contra as doenças contagiosas. Como os alemães invasores tinham medo de que se desencadeasse uma epidemia, aceitavam que os poloneses controlassem o lugar. Logo ela entrou em contato com famílias às quais se oferecia para levar os filhos com ela para fora do gueto. Mas não podia dar garantias de sucesso. Era um momento horroroso, tinha de convencer os pais de que  lhe entregassem seus filhos e eles perguntavam-lhe: “Pode prometer que meu filho viverá”?… O que poderia prometer quando nem  podia saber se poderiam sair do Gueto? E a única coisa certa era que os meninos morreriam se permanecessem ali. As mães e as avós não queriam separar-se de filhos e netos. Irena as entendia perfeitamente  e, naquele então, ela era mãe. De todo o processo que ela levava a cabo com os meninos, o mais duro era o momento da separação. Algumas vezes, quando Irena ou suas companheiras tornavam a visitar as famílias  para tentar fazê-las mudar de opinião, ficava sabendo que todos tinham sido levados  ao trem que os conduziria aos campos de extermínio. Cada vez que isso acontecia, ela lutava com mais força para salvar as crianças. Começou a tirá-las em ambulâncias como vítimas de tifo, mas logo a seguir se valeu de tudo o que estivesse ao seu alcance para escondê-las e tirá-las dali: cestos de lixo, caixas de ferramentas, carregamentos de mercadorias, sacos de batatas, ataúdes… Nas suas mãos, qualquer coisa se transformava numa via de escape. Conseguiu recrutar ao menos uma pessoa de cada um dos dez centros do Departamento de Bem-estar Social. Com a ajuda dessas pessoas elaborou centros de documentos falsos, com assinaturas falsificadas, dando identidade temporária aos meninos judeus. Irena vivia os tempos da guerra pensando nos tempos da paz. Por isso não se cansava de manter com vida esses meninos. Queria que um dia pudessem recuperar seus verdadeiros nomes, sua identidade, suas histórias pessoais, suas famílias. Foi quando criou um arquivo que registrava os nomes dos meninos e as suas novas identidades. Anotava os dados em pedaços pequenos de papel que enterrava dentro de potes de conserva, debaixo de uma macieira, no jardim do seu vizinho. Guardou, sem que ninguém suspeitasse, o passado de 2.500 meninos… até que os nazistas foram embora acabando com o gueto. Mas um dia os nazistas souberam das suas atividades. Em 20 de Outubro de 1943, Irena foi detida pela Gestapo e levada à prisão de Pawiak onde foi brutalmente torturada. No colchão de palha da sua cela, encontrou uma estampa de Jesus Cristo. E ficou com ela como resultado de uma casualidade miraculosa naqueles duros momentos da sua vida, até o ano de 1979, em que  se desfez dela dando-a  de presente a João Paulo II. Irena era a única que sabia os nomes e onde se encontravam as famílias que albergaram os meninos judeus. Suportou a tortura e se recusou a trair seus colaboradores ou a qualquer dos meninos ocultos. Quebraram-lhe os pés e as pernas, além de outras inúmeras torturas. Mas  ninguém conseguiu romper a sua vontade. Foi sentenciada à morte. Uma sentença que nunca chegou a se cumprir, porque a caminho do local da execução, o soldado que a levava a deixou escapar. Os membros da Zegota o tinha subornado. Mas, oficialmente, ela constava das listas dos executados. A partir de então, continuou trabalhando, mas com uma identidade falsa. No final da guerra, ela mesmo desenterrou os vidros de conserva e fez uso das anotações para encontrar as 2.500 crianças que colocou com familias adotivas. Ajuntou muitas delas aos seus parentes, ainda vivos, espalhados por toda Europa, mas a maioria tinha perdido as suas famílias nos campos de concentração.  Os meninos só a conheciam pelo apelido: JOLANTA.
Anos mais tarde, quando a sua história saiu num jornal, junto com  fotos suas da época da guerra, diversas pessoas começaram a contactá-la para dizer: “Lembro de seu rosto… sou um daqueles meninos, lhe devo a minha vida, meu futuro, e gostaria de vê-la”! Irena tinha no seu quarto fotos com alguns daqueles meninos sobreviventes ou com filhos deles. Seu pai, um médico que faleceu quando ela ainda era pequena, lhe fez memorizar o seguinte: “Sempre ajude a quem estiver se afogando, sem levar em conta a sua religião ou nacionalidade. Ajudar cada dia a alguém, tem que ser uma necessidade que saia do coração”! Ela não se considerava uma heroína, e nunca reinvidicou crédito algum pelas suas ações. “Poderia ter feito mais. Este lamento me acompanhará até o dia de minha morte”. A frase que disse às crianças era: ‘Não se planta sementes de comida. Planta-se sementes de bondade. Tratem de fazer um círculo de bondade, pois ele os rodeará e os fará crescer mais e mais.’
Em 2006 foi proposta para receber o Prêmio Nobel da Paz… mas não foi selecionada. Quem o recebeu foi Al Gore por sua campanha sobre o Aquecimento Global.
Nem sempre o prêmio é atribuído a quem mais o merece… Sabemos que o prêmio é político…
Hoje, a internet tem um movimento através de emails para, pelo menos, milhões de pessoas possam conhecer sua história e, também, em memória dos 6 milhões de judeus, 20 milhões de russos, 10 milhões de cristãos (inclusive 1.900 sacerdotes católicos ) 500 mil ciganos, centenas de milhares de socialistas, comunistas e democratas e milhares de deficientes físicos e mentais que foram assassinados, massacrados, violados, humilhados e mortos à fome, com os povos do  mundo e os próprios alemães muitas vezes olhando para o outro lado.  
Agora, mais do que nunca, com o recrudescimento do racismo, da discriminação e os massacres de milhões civis em conflitos e guerras sem fim em todos os continentes, é imperativo assegurar que o Mundo nunca esqueça.  Gente como Irena Sendler, que salvou milhares de vidas praticamente sozinha, é extremamente necessária.

Texto de apoio:  Manuel Franco del Castillo (tradutor)

10 de setembro de 2014
MAGU
in blog do Giulio sanmartini
Relacionado

NOTAS POLÍTICAS DO JORNALISTA JORGE SERRÃO

Investidores denunciam à CVM que Dilma, Mantega e fundos apoiavam atos de Paulo Roberto na Petrobras
 
 

Documentos e atas apresentados por investidores à Comissão de Valores Mobiliários confirmam que Dilma Rousseff, quando ministra e conselheira-presidente de Luiz Inácio Lula da Silva e, depois, Presidenta da República, tinha pleno conhecimento e respaldava todas as ações de diretores executivos e membros dos conselhos de Administração e Fiscal da Petrobras.

Por isso, vai falhar a manobra do Palácio do Planalto de desvincular Dilma por responsabilidade direta ou indireta nos problemas gerados por Paulo Roberto Costa que, sem ser diretor financeiro, mas apenas de abastecimento, controlava 1.832 contas correntes do sistema Petrobras (a maioria no Banco do Brasil, que é alvo dos investigadores da Operação Lava Jato).

Acionistas minoritários da empresa comprovaram à CVM que Dilma apoiava as decisões de gestão na Petrobras junto com Guido Mantega (seu ministro desafeto, demitido tecnicamente da Fazenda). Tudo acontecia em parceria com o BNDES, BNDESpar e os fundos de pensão Previ, Petros e Funcef, que elegiam conselheiros ao arrepio da Lei das Sociedades Anônimas e das normas da CVM.

Os investidores denunciaram Dilma, Mantega, conselheiros da Petrobras, BNDES e fundos de pensão pelos delitos de conflito de interesses e abuso de poder controlador por parte da União Federal. Se o caso avançar para a esfera jurídica e legislativa, Dilma pode acabar enquadrada por crime de responsabilidade – que a torna passível de impeachment.

Detentores de ações ordinárias e preferenciais da Petrobras representaram à CVM para que “fixe o entendimento de que acionistas que forem vinculados ao controlador da companhia (União Federal) não podem participar das votações em separado nas assembleias em que são eleitos os representantes dos minoritários nos Conselhos de Administração e Fiscal”. Os investidores reclamaram que essa prática irregular é comum há pelo menos 10 anos, ferindo o artigo 9º, parágrafo 1º, IV, da Lei 6.385/1976, além de contrariar as normas da CVM, xerife do mercado de capitais no Brasil.

Além de pedir que o BNDES, BNDESpar, Petros (Petrobras), Previ (Banco do Brasil) e Funcef (Caixa Econômica Federal) fiquem impedidos de interferir na escolha de conselheiros da Petrobras, os investidores pedem que a União, seu banco de fomento e os fundos de pensão sejam condenados ao pagamento de multa pelos atos que configuraram conflito de interesses e abuso de poder de controle acionário. Se a CVM cumprir suas próprias normas, permitindo aos acionistas minoritários escolherem representantes para fiscalizar e tomar decisões gerenciais em favor da empresa, poderiam ser evitados escândalos como a Lava Jato e outros evidentes crimes, também investigados por auditorias do Tribunal de Contas da União.    

Dilma já sabe que, se perder a eleição (o que é bem provável), todas as broncas da Petrobras cairão em seu colo. Este é o mesmo drama de Guido Mantega, que só não deixa o cargo de ministro para não ficar sem o “foro privilegiado” contra as ações movidas contra ele na Petrobras (onde preside o conselho que respaldou ações ou se omitiu em manobras erradas de Paulo Roberto Costa).

Mantega também é alvo de broncas judiciais na esfera da Eletrobras e na área leonina da Receita Federal. O ministro caído da Fazenda é questionado porque o Conselho de Controle de Atividades Financeiras, o COAF, vinculado ao Ministério, não foi eficiente em “prevenir a utilização dos setores econômicos para a lavagem de dinheiro e financiamento de terrorismo” – conforme crimes que se comprovam nas investigações da Operação Lava Jato.

Quem fica em situação mais embaraçosa que Mantega é sua desafeta Dilma Rousseff. Se a Presidenta sabia do que se passava na Petrobras, fica passível de conivência com os crimes. Se de nada sabia, como sempre tenta alegar em defesa própria, Dilma se concede um atestado de incompetência para gerir o Brasil.

Agradecimentos...


Ministros do TCU, com certeza, não leram as três linhas finais do Extrato de Ata do Conselho de Administração da Petrobras, datada de 3 de maio de 2012, onde ficou escrito aquilo que seria hoje uma piada:

“O presidente do Conselho de Administração Guido Mantega, em face da renúncia do diretor Paulo Roberto Costa (...) Outrossim, determinou o registro dos agradecimentos do colegiado ao Diretor que deixa o cargo, pelos relevantes serviços prestados à companhia, no desempenho de suas funções”.

O documento é assinado por Hélio Shiguenobu Fujikawa, Secretário-Geral da Petrobras, sendo registrado na Junta Comercial do Rio de Janeiro com o número 00002327390, em 16 de maio de 2012.

A Grande Família


Empreiteira garante que jato de Lula não é dela


A Assessoria de imprensa da Andrade Gutierrez nos procurou ontem para esclarecer que aeronave citada na nota “Lula a Jato”, prefixo PR-DIB, não pertence à empresa, conforme publicado na edição de 8 de setembro.

Lobistas de Brasília garantem que a aeronave da foto é usada por Lula em seus deslocamentos pelo País.

Resta agora descobrir quem seria o dono do jatinho que tanta carona dá ao ex-Presidente...

A aposta em Brasília é que ela pertença ao Papai Noel, que também se veste de vermelho igual aos petistas, e gosta de ajudar os amigos necessitados...

O roteiro

O avião de Lula saiu Campo de Marte às 9h 45 da manhã de domingo, 7 de setembro, com 4 passageiros, para a reunião de emergência sobre o caso Paulo Roberto Costa.

Chegou em Brasília 11h 38min, com estacionamento em área de autoridades (Hangar 3 do BSB JK).

Como a reunião foi relâmpago, o jatinho partiu de Brasília às 14h 45 e desceu em Congonhas 16h 07min.

Por fim, retornou com os pilotos para BH às 18h 30min.

Ruim para todas


Ainda bem que a Presidenta Dilma sacaneou a Marina, ironizando:

“Não tenho banqueiro me sustentando”...

Do jeito que a Dilma administra, sem saber de nada, até o banqueiro acabaria indo à falência...

O amor é lindo...

Marina deixou ontem seus adversários PTs da vida ao avacalhar que petistas e tucanos sofrem da famosa síndrome de Estocolmo:

“O PT se apaixonou por quem sequestrou seus sonhos: Renan, Sarney, Jader Barbalho, Maluf. Com o PSDB é a mesma coisa”.

Quem vive cortejada pela Oligarquia Financeira nacional e transnacional, como a Marina, deve saber o que diz pelo Twitter...

Rebaixada

Depois de ter “demitido tecnicamente”, por repetidas vezes, nos últimos dias, o Ministro da Fazenda de seu desgoverno, Dilma Rousseff nem tem o direito de ficar PT da vida com a agência de classificação Moody´s, por ter revisado a perspectiva de risco do Brasil de estável para negativa.

A inabilidade e incompetência de Dilma fazem jus ao rating BAA2.

A Moody´s adverte que a economia brasileira continuará com crescimento baixo e abaixo do potencial do país, junto com a piora dos indicadores de dívida – graças à manutenção da política de juros altos combinada com a gastança pública.

Jogada da Porto Seguro

Controlada pelo Itaú-Unibanco, a Porto Seguro (Bovespa PSSA3), presidida por Fábio Luchetti, criou uma armadilha para os clientes do cartão de crédito com sua marca que desejam renovar alguns seguros – inclusive o “seguro fiança”, que de seguro não tem nada...

Na tela de renovação ou contratação do seguro fiança, aparece para o corretor a opção de pagamento com cartão de crédito.

No entanto, na hora em que o corretor programa a operação, o sistema alega que não pode usar o cartão para fazer o negócio, e o cliente é obrigado a pagar na modalidade de débito em conta corrente.

O cliente do cartão Porto Seguro Internacional, bandeira Visa, número 4121 7706 9876 71xx, foi vítima desta brincadeirinha da seguradora na hora de renovar o “estelionato-fiança” (negócio com vantagens apenas para a seguradora e não para quem é forçado a fazê-lo, em evidente operação ilegal de “compra casada”, se quiser fazer ou renovar o aluguel de um imóvel).

Providências

O consumidor prejudicado já formalizou uma queixa ao Banco Central do Brasil e à Superintendência de Seguros Privados, exigindo uma providência para que demais consumidores não sejam lesados.

Também fez a denúncia aos organismos e demais órgãos de defesa do consumidor.

E, como os errados temem sempre a pressão das redes sociais, publicou no Facebook, no Twitter e até no “Zap-zap”...

Aliás, o tal “seguro fiança” é um produto praticamente monopolizado da Porto Seguro com a conveniência das imobiliárias, que ainda ganham comissões de corretagem em cima do otário obrigado a pagar os mais absurdos aluguéis do planeta na atualidade.

Marinando...


Os coordenadores do programa de governo da candidata à presidência Marina Silva (PSB) vão encontrar com a iniciativa privada na próxima segunda-feira (15/09), na Amcham – São Paulo, das 9h às 10h 30min.

Walter Feldman, Neca Setubal e Maurício Rands vão expor o programa de governo de Marina e responder a dúvidas do empresariado da plateia.

A Amcham já tinha recebido os presidenciáveis Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB), morto em 13 de agosto.

A Águia está de olho...

O Tio Sam e sua Águia investigam a denúncia de que a Venezuela de Nicolas Maduro esteja fornecendo passaportes para o terrorismo internacional.

O jornalista Moisés Naim denuncia que os serviços secretos de Cuba estariam por trás da parada errada:

"As autoridades canadenses descobriram que um número significativo de cidadãos iranianos e outros cidadãos ligados a grupos radicais islâmicos entraram no país com passaportes venezuelanos. O Centro para a organização Sociedade Livre e Segura, estima que entre 2008 e 2012, pelo menos 173 passaportes venezuelanos foram dadas aos membros desses grupos radicais para vir para a América do Norte. Na verdade, várias pessoas envolvidas em ataques terroristas na Bulgária e Líbano receberam passaportes emitidos na Venezuela, onde os serviços de identificação são controlados por Cuba”.

Hermanos chineses?

Militares brasileiros - e os norte-americanos também - estão de orelha em pé com a construção de uma base aeroespacial chinesa que começa a ser construída em Neuquén – a 1.380 quilômetros de Buenos Aires, a capital argentina.

O ministro do Planejamento argentino, Julio de Vido, garante que a base tem fins exclusivamente pacíficos, dentro do plano chinês de chegar à Lula em 2020.

O acordo dos chineses com os hermanos também prevê a construção de duas barragens, para geração de energia, na Patagônia.

Brasil que funciona

A produção brasileira de grãos da safra 2013/2014 chegará a 195,46 milhões de toneladas, um aumento de 6,80 milhões de toneladas ou o equivalente a 3,6% sobre a safra anterior, de 188,65 milhões de toneladas.

O total de área plantada chega a 56,93 milhões de hectares, o que significa uma alta de 6,3%, se comparada com a de 53,6 milhões de hectares da safra 2012/2013.

A Conab fez a pesquisa do dia 24 a 30 de agosto, levantando informações para a pesquisa em parceria com agrônomos, técnicos do IBGE, cooperativas, secretarias de agricultura, órgãos de assistência técnica e extensão rural (oficiais e privados) e agentes financeiros e revendedores de insumos.

Super Poderosa

Defensores da onda do poliamor acharam muito fofa a reportagem da revista New York Magazine com Martine Rothblatt – que comanda a United Therapeutics – uma das gigantes do setor farmacêutico, avaliada em US$ 5 bilhões.

Aos 59 anos, ela não ganhou destaque apenas por ser uma das 10 executivas mais bem pagas dos Estados Unidos da América.

Mas sim porque fez, em 1994, fez uma cirurgia de “redesignação genital” (mudando de sexo, de homem para mulher).

A reportagem também destacou que Martine Rothblatt é casada com a mesma mulher há mais de 30 anos, com quem tem quatro filhos – o que serviria de inspiração para Agnaldo Silva como uma de suas poderosas personagens da novela global “Império”...

Retrato cinematográfico do futuro próximo


As elites paulistanas estão PTs da vida com o retrato cruel que será feito delas no filme “Jardim Europa”, com estreia agendada nos cinemas para 25 de setembro.

Dirigido por Mauro Baptista Vedia, conta a história de uma família de endinheirados em decadência que se recusam a abandonar um dos mais luxuosos bairros de São Paulo.

Tensão dramático-humorística do filme é quando o pai da família, o boêmio e aristocrata Alberto, depois de anos de afastamento, volta a viver na mesma casa com a mulher Eleonora e seus três filhos adultos: Ana Luiza, Mariana e Luis Felipe (que é escritor).

Já tem gente boa apostando que o filme é o retrato cinematográfico de um futuro muito bem próximo para a classe média-alta brasileira...

A História do Homem Henry Sobel


É o título do filme de André Bushatsky que estreia nos cinemas do Rio de Janeiro e São Paulo nesta quinta-feira.

O longa-metragem biográfico conta a história de quatro décadas de atuação do famoso rabino, carismático, vaidoso e complexo, com filmagens entre 2011 e 2012.

Com enfoque de esquerda, a “A História do Homem Henry Sobel” já é encarado pela caserna como mais uma propaganda contra a imagem dos militares – o que vai gerar boa polêmica...

Futuro da Saúde

O LIDE Interior SP1, presidido por Fábio Fernandes, e o LIDE Saúde – Ribeirão Preto, comandado por Pedro Palocci, promoverão um jantar-debate sobre “O futuro da saúde”.

Terá a participação especial do presidente do Hospital Israelita Albert Einstein, de São Paulo, Claudio Lottenberg.

Será no Espaço Golf, em Ribeirão Preto, no próximo dia 23 de setembro (terça-feira), às 19h 30min.

Oração Penitenciária
 

10 de setembro de 2014
Jorge Serrão é Jornalista, Radialista, Publicitário e Professor.

O JOGO POLÍTICO - NADA É O QUE PARECE SER

Algumas coisas me tem "saltado aos olhos" nos últimos tempos no que diz respeito a atuação da grande imprensa brasileira. Aquela dos jornalões e emissoras de rádio e televisão que, em troca de muita grana - e imagine muita grana mesmo - se propõe a desviar as atenções da plebe dos assuntos efetivamente importantes.
As próximas eleições para o cargo máximo da República Federativa do Brasil me preocupam. A competição aparentava destinar-se a reproduzir mais uma vez a falsa dicotomia entre PT e PSDB - as duas faces da mesma moeda podre resultante da ideologia socialista/comunista, já morta e enterrada pelas sociedades mais avançadas - já que a terceira opção de destaque (também do mesmo matiz ideológico anacrônico) não exibia condições efetivas de concorrer em condições de relevância.

Todavia um infausto acontecimento veio tumultuar o que já parecia encaminhado conforme os desígnios da Oligarquia Financeira Internacional - a que realmente decide o que inocentemente designamos "política brasileira".
A morte do ex governador pernambucano Eduardo Campos teve o poder de embaralhar o jogo político, e semear uma dúvida em grande parte dos cidadãos. A fatídica queda do avião que conduzia o adversário quase inócuo dos dois protagonistas principais teria sido um acidente aéreo ou algo muito bem planejado desde a cúpula do poder mundial?
A internet pode ser uma boa fonte de conhecimento ao mesmo tempo em que também é uma enorme fonte de mentiras. Logo após o desditoso fato "depoimentos" e relatos controversos surgiram. 
 
De concreto, somente um vídeo mostrando o avião caindo em "picada", isto é, com seu corpo na posição quase vertical, sumindo por trás de um prédio, e a fumaça de sua explosão ao chocar-se com o solo.
Também surgiram macabras fotos que seriam de despojos humanos que teriam se chocado contra os prédios vizinhos ao acidente, embasando a tese de que teria ocorrido uma explosão no interior da aeronave.
As imagens aqui usadas foram obtidas na página do jornal O Tempo, de Minas Gerais.
O sigilo legal imposto ao andamento das investigações talvez nunca permita aos reles mortais saberem toda a plenitude do como e o que aconteceu. 
Mas como contraponto à teoria da conspiração, podemos apresentar dois argumentos simples: se alguém planejasse um atentado, esse seria realizado bem antes da chegada do avião a Santos, quando estivesse sobrevoando a parte marítima de seu trajeto - seria muito mais eficaz em termos de esconder provas.
Mais ainda: a aeronave já havia realizado o procedimento de pouso - tendo suspenso o mesmo devido ao mau tempo -, assim, se houvesse a previsão de uma explosão a bordo, ela ocorreria com o avião já no solo e sem seus passageiros, causando somente danos materiais. Quanto aos supostos restos mortais, ou o que tenha caído nas paredes do prédio que aparece manchado, é provável que se devam aos danos ocasionados por ocasião do primeiro choque da aeronave contra o canto do telhado do imóvel que aparece quase no centro da primeira fotografia que acompanha este texto (clique sobre ela para aumentar). Mas, estamos sempre sujeitos ao aparecimento de "fatos novos", como o estranho trabalho de manutenção no avião acidentado, feito dois dias antes da tragédia.
Temos, então, que de concreto, restaram duas realidades. A candidatura ao cargo de Presidente acabou caindo no colo da dona Osmarina Silva, projetando-a meteoricamente para junto dos principais concorrentes e desestabilizando o quadro da competição pelo cargo presidencial. A outra realidade foi a descoberta que o avião acidentado não tinha dono. Pelo menos um dono regularizado. E estava sendo usado como transporte do candidato de forma um tanto quanto obscura, para não ser grosseiro.
Por enquanto, vemos que a "grande imprensa" comprada evita enfrentar este assunto. Pelo contrário, parece que procura abafá-lo, como quando sob a administração do Cachaceiro-Mor surgiam poços de petróleo milagrosos no pré-sal sempre que alguma merda governamental era descoberta. Agora, na falta de novos poços e com a Petrobrás na berlinda dos escândalos (dizem os sábios que não se fala em corda na casa de enforcado) os destaques diversionistas tem sido o médico tarado preso no Paraguai, e a estapafúrdia ênfase dada ao racismo nos estádios de futebol. Tudo firulas para iludir os incautos da platéia no show de ilusionismo barato.
O médico safado já foi condenado a uma pena que abrange sua próxima reencarnação. Havia fugido, mas sua recaptura põe um ponto final ao caso que as emissoras de TV tentaram ressuscitar sem êxito.
A pantomima do racismo gremista foi asquerosa. Notadamente, o caso foi mais de falta de educação que crime. A mesma falta de educação que permite que se chame adversários e juízes de filho da puta, ofendendo as coitadas das mães que muitas vezes sequer gostam de futebol. Ou que "permite" que se mande "tomar no c*" a ocupante do mais elevado cargo do país, em solenidades transmitidas jornalisticamente para todo o mundo. A perfídia foi tal que, contrariando a prática cotidiana de proteger a imagem de bandidos, evitando mostrá-los na televisão - com todo o apoio dos "defensores de direitos dus manus" - o rosto da "gaúcha racista" foi divulgado para o mundo todo, por jornais e emissoras de televisão, contribuindo para que ela perdesse seu emprego e tivesse sua residência apedrejada por alguns idiotas. Paralelamente, as manifestações de indignação forçada por parte das "personalidades" de sempre é simplesmente nojenta. 
Não lembro de ter visto atores e atrizes, e outros de menor quilate terem se manifestado por ocasião de brigas de torcida, que redundaram em assassinatos e ferimentos graves, nem mesmo quando alguns imbecis depredaram os banheiros de um estádio e mataram um torcedor jogando um vaso sanitário sobre ele. As próprias manifestações de jornalistas pouco passaram de pífias.
Obviamente, usaram o episódio para abafar o que realmente interessa e, de lambuja, eliminaram um adversário dos times do Rio e SP na competição. Não que o Grêmio, com a trajetória que tem tido fosse longe, mas poderia prejudicar os "donos da bola" (RJ e SP).
Enquanto isso, as revelações do pilantra ex diretor da Petrobrás são escamoteadas do público sob o argumento obsceno do "sigilo jurídico".
Menos mal que algumas informações são vazadas mesmo contrariando os interesses da quadrilha ora empoleirada no poder, ou quem sabe atendendo os interesses de alguns membros dela. Pelo sim, pelo não, há que se repercutir e divulgar MUITO as notícias sobre as patifarias confessadas para que o assunto não caia no esquecimento como outros similares. Os cidadãos, jornalistas e raros políticos honestos devem manter o assunto em evidência e pressionar para que a delação não seja mantida sob sigilo. Estamos em vésperas de eleições e o povão tem que saber em quem não votar!
Enfim, voltando às eleições, vemos na propaganda obrigatória que as discussões políticas se prendem a firulas inexpressivas e os grandes assuntos de interesse da nação são simplesmente ignorados.
Melhorias na infra estrutura nacional de transportes, segurança, saúde e educação são prometidas mas não é definido como serão realizadas. Só promessas de "investimentos", isto é, aumento dos gastos sem preocupação com melhorias na fiscalização de sua aplicação. Estabilidade econômica, incentivo à indústria e geração de empregos, idem. Combate à exploração predatória de nossas riquezas minerais (Nióbio parece tabu para candidatos e entrevistadores), nem pensar! 
Provavelmente isso ocorre em função de não haver nenhuma preocupação ou previsão de abordagens a respeito desse temas. Os candidatos limitam-se a prometer a continuidade dos programas de "distribuição social de rendas", leia-se manutenção da compra de votos e da população miserável sob o jugo do medo de perder suas "bolsas".
O ilusionismo da campanha limita-se à manipulação da opinião dos telespectadores. Uma das atuais preocupações políticas na ótica jornalística é o casamento entre homossexuais, assunto já resolvido em cartórios. O mesmo se aplica ao aborto, cujas condições de execução estão regulamentadas desde meados do século passado; e o uso medicamentoso de substâncias oriundas da canabis. Saliente-se que o uso de substâncias medicamentosas não tem nada a ver com fumar maconha como alguns canalhas procuram induzir a população.
Para encerrar, manifesto aqui minha contrariedade da propaganda do TSE, que usa recursos públicos para "prestigiar" o que o escritor Janer Cristaldo denominou de "máfia do dendê", começando pelo chatíssimo Carlinhos - talvez para recompensá-lo pelo fiasco da cachirola -, passando pelos outros dois baianos, Daniela Mercuri e outro que faz ou fazia parte de um grupo que executa essa coisa sublime que eles chamam "axé".  Penso que deveria ser assunto de uma "reportagem investigativa" essa preferência midiática e governamental pela "cultura" nordestina, em detrimento de outras regiões do país. 
Será preconceito ou porque a gauchada não se anima a pedir uma graninha via Lei "Ruanê" para difundir o Porca Véia, o Mano Lima, o Elton Saldanha e tantas outras figuras de expressão sulista? Até mesmo o lançamento de CD's e DVD's em homenagem a artistas históricos do RS como César Passarinho, Teixerinha, Cenair Maicá, Leopoldo Rassier e outros poderiam ter o incentivo de empresas gaúchas, mas parece que o pessoal não tem coragem de enfrentar um "não"!
Afinal, se aquelas porqueiras do nordeste - e também o "sertanojo" do centro oeste - podem morder as burras estatais, por que as porqueiras do sul não podem?
Concluindo, como afirmei no início, o próximo pleito presidencial me preocupa. A campanha segue morna, embalada pela imprensa que a divulga de modo a não provocar sobressaltos. Apesar das novidades de Paulo Roberto da Costa ainda não representarem perigo direto aos candidatos, elas podem ser mais um "fato novo" a provocar mudanças nos rumos dessa campanha. Em um mês, tudo pode mudar. O partido de Osmarina Silva ainda não explicou suficientemente a situação do avião em que morreu Eduardo Campos. 
O seu uso ilegal pode ser o "ás na manga" para retirá-la da disputa quando a cambada do PT ou do seu irmão siamês PSDB tiverem certeza da derrota.
Minha preocupação é se o povinho aceitará alguma jogada de "tapetão" feita na última hora. E para que lado se bandeará a "grande imprensa" dependente do Tesouro Nacional. Isto realmente me assusta.
 
10 de setembro de 2014
in mujahdin cucaracha

ENQUANTO AS ANTAS URRAM, A CARAVANA DO PT PASSA

Os quadros do PT são exemplarmente pobres nos quesitos inteligência e honestidade, e.g., Marxilena Chauí. Mas quando focamos nos economistas do PT - Jesus Cristo tenha piedade de nós!- a coisa realmente degringola. 
Os economistas petistas, invariavelmente ligados a Unicamp, USP e FGV de São Paulo são tão horríveis, tão ignorantes e despreparados que o partido para se ver livre deles arranja bocas onde puder.
Os piores são sempre mandados para o exílio, nas sinecuras dos órgão públicos internacionais como World Bank e FMI, onde se especializam em fazer tabelas pilotando o Excell e tomar cafezinho com os colegas para falar de futebol, tudo em bom e sonoro português pois não conseguem aprender inglês.
Um desses economistas do PT escreve a seguinte pérola que realça ainda mais sua boçalidade:
 
Mas volto ao debate econômico brasileiro.
O celebrado tripé — responsabilidade fiscal, controle da inflação, flutuação cambial — chega a ser ligeiramente constrangedor. É isso que ainda passa por sabedoria econômica no Brasil? Difícil encontrar um economista razoável que discorde desses três pontos.
 
Mas caberia indagar: por que só esses três? Outros aspectos parecem igualmente fundamentais.
E a sólida regulamentação financeira? E reservas internacionais adequadas? E o desenvolvimento da infraestrutura? E, por último, mas não menos importante, porque não incluir a sustentabilidade na lista? A independência do Banco Central é outro mito.
 
É razoável esperar que o Banco Central tenha autonomia para tomar as suas decisões de política monetária. Mas algum Banco Central pode ser rigorosamente independente do governo eleito?
Não devem as políticas monetárias e financeiras ser coordenadas, em alguma medida, com os demais aspectos da política econômica?
 
10 de setembro de 2014
in selva brasilis

BASTAM 45 SEGUNDOS POR DIA...

Para desmontar o embuste à caça de mais um mandato

Os responsáveis pelo programa eleitoral de Aécio Neves alegam que Dilma Rousseff tem sido poupada de chibatadas verbais por falta de tempo. Como os 4min35 diários são usados prioritariamente para mostrar quem é, e o que pretende fazer o candidato do maior partido da oposição, sobram muito pouco ou quase nada para expor as tapeações deslavadas, as panes do neurônio solitário, o amazônico acervo de mentiras, a demasia de promessas esquecidas e outras sequelas dos defeitos de fabricação da presidente à caça de um segundo mandato.
Para escancarar a farsa protagonizada pela doutora em nada, bastam 45 segundos por dia.

10 de setembro de 2014
Augusto Nunes, Veja

BANCO DO BRASIL E A PETROBRAS (E OUTRAS...) A CAMINHO DO BREJO...

Ações do Banco do Brasil caem 9% com ataques de Dilma aos bancos. Petrobras perde 10,3% do valor. É o PT acabando com o patrimônio nacional, fazendo o diabo para vencer a eleição.

 
Desde segunda-feira a presidente Dilma tem se apropriado do discurso petista dos anos 1980 de que os bancos são o inimigo a ser combatido. Tanto em campanha na rua quanto em seu programa eleitoral na TV e no rádio, a candidata passou a valer-se da estratégia de associar banqueiros à causa dos males que atingem a população. A intenção é atingir a candidata Marina Silva (PSB), que tem em sua equipe Neca Setúbal, acionista do banco Itaú. 
 
Dilma também se apropriou de um dos pontos do programa de governo de Marina, a autonomia do Banco Central, para desferir críticas. Para a candidata, um BC autônomo será gerido em prol dos interesses de banqueiros. Resultado dessa retórica é que não só o Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, despencou quase 6% neste início de setembro, como as ações dos bancos também sentiram o baque. Temendo maior interferência do governo no sistema financeiro caso Dilma se reeleja, investidores fugiram dos papéis das principais instituições bancárias desde segunda-feira.
O Banco do Brasil foi o mais impactado. Perdeu 9% de seu valor de mercado apenas nos primeiros dez dias de setembro. Já as ações preferenciais do Bradesco recuaram 6,8% no período. Nesta quarta-feira, as quedas são de 1,58% e 2,47% respectivamente. Itaú, Santander e BTG Pactual também acompanharam a tendência de queda. Os bancos só não perdem no acumulado do mês para a Petrobras, cujo valor de mercado recuou 10,3%.
Banco Central — Em propaganda eleitoral de 30 segundos produzida pelo marqueteiro João Santana, que começou a ser veiculada nesta terça-feira, o PT lançou mão das retóricas de pobres contra ricos, negros contra brancos e banqueiros contra o povo para ilustrar a ideia de que dar autonomia ao Banco Central é o mesmo que entregar o órgão aos donos de instituições financeiras. A crença deturpada que a presidente tem em relação ao papel do BC foi destrinchada dias atrás no site Muda Mais, patrocinado pelo partido. Nesta quarta-feira, Dilma replicou com todas as vírgulas a cartilha adiantada pelo Muda Mais: a petista afirmou que a autonomia do Banco Central causará aumento das taxas de juros, desemprego e redução de salário para os brasileiros.
 
 (Revista Veja)
 
10 de setembro de 2014
in coroneLeaks

FORA, GAFANHOTOS LULISTAS

 

O governo Lula, apinhado de militantes gafanhotos, desde o início liberou os gastos com cartão corporativo. A coisa chegou a níveis escandalosos, como lembra o historiador Marco Antônio Villa em seu livro A década perdida:
Em 2004, 3.167 servidores detinham este tipo de cartão. Em 2008, o número triplicara: 11.510. Em 2003, gastou-se com cartões corporativos R$ 8,7 milhões de reais. Quatro anos depois, o valor total atingiria R$ 78 milhões - um aumento de 900%! Não havia qualquer tipo de controle sobre essas despesas. Na maior parte das vezes, os portadores dos cartões realizavam saques em dinheiro - e de quantias consideráveis.
 
Pense nisto antes de votar. O continuísmo lulista, com Dilma ou Marina no ministério, jamais teve escrúpulos no trato da coisa pública. 

10 de setembro de 2014
in orlando tambosi

"ONDA DA RAZÃO" NA BOCA DA URNA

SEGUNDO AÉCIO NEVES, DEVE PREVALECER LEVANDO-O AO 2º TURNO PARA SALVAR O BRASIL DO CAOS ANUNCIADO.

 
Aécio Neves (PSDB) participou nesta quarta-feira da série de sabatinas promovidas pelo GLOBO com os quatro principais candidatos à Presidência da República. A entrevista foi marcada por várias críticas do tucano à candidata Marina Silva, que aparece 20 pontos à frente de Aécio nas pesquisas. 

O ex-governador de Minas falou que essa "não é uma eleição para homenagens" e se apresentou como "um caminho de mudança segura".
Em um momento, ele insinuou que Marina vai governar "com um terceiro time do PSDB e do PT". - Tenho propostas para o Brasil, é isso que me anima. O que é a nova política? Governar com um terceiro time do PSDB e do PT?
 
Mesmo criticando Marina, o senador "lamentou" que a rival não tivesse apoiado José Serra no segundo em 2010, ele afirmou que não é hora de acenar possíveis apoios em uma eventual disputa entre Dilma e Marina.
Na ocasião, ele declarou ter "uma seleção brasileira de pessoas" ao seu lado em eventual governo.
 
- Lamentei muito ela não ter apoiado no segundo turno o ex-candidato José Serra, na última eleição, talvez hoje não estivéssemos nessa situação de hoje. Eu sei que tenho a seleção brasileira de pessoas para compor o governo. As pessoas precisam saber que não é uma eleição para homenagem, é para virada consistente sem riscos.
 
Aécio afirma que começou uma "segunda eleição" desde a morte de Campos. Ele declarou que, nas urnas, vai prevalecer "a onda da razão", em menção velada a Marina.
- Nós estamos tendo uma segunda eleição. Tivemos uma eleição até o acidente que vitimou Eduardo Campos. Temos uma eleição nova e precisamos nos adaptar a essa nova realidade. Tenho feito um esforço maior e vou fazer até o último dia dessa eleição - disse Aécio - Acredito que no momento da decisão vai prevalecer a onda da razão. 
 
Comentando ataques da presidente Dilma à política econômica de Fernando Henrique Cardoso, ele afirmou que "não teria havido governo do PT se não tivesse o governo do PSDB". E tentou ligar o nome de Marina aos petistas, ao lembrar a oposição "quase física" que o partido realizava, segundo ele, na época do Plano Real.
- O PT de Dilma, o PT de Marina se opunha de forma vigorosa àquilo que era construído - disse Aécio, afirmando que "não vê em momento nenhum" a ex-senadora "chamar atenção" para sua militância de 24 anos para o PT. 
 
O ex-governador de Minas criticou ainda a "nova política" de Marina. Ele disse que pretende arrancar votos de Dilma e Marina "mostrando as contradições das candidatas". - Eu vejo Marina falar muito dessa nova política. Sou de uma terra que sempre ensinou que existe é a boa e a má política. 
 
PETROBRAS
 
Aécio se comprometeu a não privatizar a Petrobras e saiu em defesa da exploração da camada pré-sal.
 
- Tenho compromisso com a não privatização, mas com a reestatização da Petrobras: vou devolver aos Brasileiros. Eu vou tirar a Petrobras da Política. O pré-sal é o tesouro que nós temos. O Brasil perdeu um tempo enorme, cinco anos, em que US$ 300 bilhões foram investidos no mercado de petróleo e nada aqui.
O que está hoje sendo produzindo do pré-sal foi aquilo que começou a produzir no governo Fernando Henrique, lá atrás. No meu governo, o pré-sal será uma prioridade, com recursos indo 75% para a Educação e 25% para a Saúde.
 
REELEIÇÃO
 
Ao dizer que Dilma "desmoralizou" a reeleição, o candidato fez críticas à emenda que permitiu novos mandatos, votada com apoio do PSDB no primeiro mandato do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. O presidenciável afirma que vai tentar acabar com a possibilidade de reeleição, que ele chamou de "covardia". Para ele, o governo petista faz uso da máquina nas campanhas.
 
- Foi uma experiência. A reeleição não foi votada para o Fernando Henrique. Foi para os prefeitos, foi para os governadores. Eu acho que a reeleição faz mal para o Brasil. É uma covardia. Não há limite entre o público e o privado. A atual presidente acabou por desmoralizar a reeleição. Os atos de reeleição da presidente Dilma são atos de governo.
 
Aécio declarou ainda que "não morreria de amores" por um novo mandato e que não seria candidato novamente, se eleito, caso disso dependesse a aprovação do fim da reeleição. Para ele, o governo petista faz uso da máquina nas campanhas. - Nós temos que ver aquilo que deu errado e modificar. Houve uma decisão tomada pela maioria do Congresso Nacional. Eu temo muito pelos próximos quatro anos que nós vamos ter pela frente - disse.

( O Globo )

10 de setembro de 2014
in aluizio amorim

QUANDO O HUMOR DESENHA A REALIDADE

                                                     Tchau, petralhas!
 
10 de setembro de 2014

VÍDEO COM LOBÃO E OLAVO DE CARVALHO: ANÁLISE DA CAMPANHAN ELEITORA

SUPER-EXTRA! DEBATE EM VÍDEO COM LOBÃO E OLAVO DE CARVALHO VAI FUNDO NA ANÁLISE DA CAMPANHA ELEITORAL. REVELAÇÕES EXCLUSIVAS!

https://www.youtube.com/watch?v=wzuGdSfzGNE&feature=player_embedded

Aqui está a gravação completa do hangout, bate-papo online, realizado nesta segunda-feira com o músico escritor e colunista da revista Veja, o Lobão e o filósofo, escritor e jornalista Olavo de Carvalho, que há mais de uma década vive nos Estados Unidos.

Neste vídeo os dois analisam o que está rolando na campanha presidencial. Recomendo muito que vocês vejam com atenção este este programa, já que são formuladas análises que vão muito além do debate eleitoral que se trava por meio dos grandes veículos de comunicação.

Olavo de Carvalho denuncia que Marina Silva é o plano B, do Foro de São Paulo, a organização comunista fundada por Lula e Fidel Castro, que coordena a atividade esquerdista em todo o continente latino-americano. Aliás, neste momento o PT está com uma campanha nas ruas sobre um tal Plebiscito da Constituinte visando um suposta reforma política que nada mais é que uma manobra golpista visando rasgar a atual Constituição substituindo-a por uma Carta Bolivariana, como ocorreu na Venezuela com o chavismo.

O conteúdo deste vídeo, repito, traz informações exclusivas que de maneira nenhuma são veiculadas pelos grandes veículos de comunicação. São informações fundamentais para entender o processo político brasileiro e por que a eleição presidencial marcada para 5 de outubro está indicando, segundo as pesquisas, o surpreendente crescimento de Marina Silva. Por que a eleição poderia ficar entre Dilma e Marina Silva, se são verso e anverso da mesma medalha esquerdista? Esses detalhes são abordados neste vídeo e apontam as causas.

Portanto, todos que se interessam em saber o que realmente está por trás dessa estranha campanha eleitoral que começou a esquentar com a queda do avião matando Eduardo Campos e, de repente, sem mais nem menos, surgiu Marina Silva no topo das pesquisas.

Em grande medida o bate-papo levado a efeito por Lobão e Olavo de Carvalho, esclarece e responde a muitas dessas indagações, já que a grande imprensa se mantém na superfície dos fatos, sem procurar aprofundar a investigação, sobretudo no que se refere ao Foro de São Paulo que está por trás de todo o processo eleitoral brasileiro. 

E ainda tem o caso do "petrolão" o escândalo da roubalheira da Petrobras, que também é analisado. 

Não deixe de ver!

10 de setembro de 2014
in aluizio amorim

O HUMOR DO ALPINO

 

image
 
 
10 de setembro de 2014


O MULTICULTURALISMO DESTRÓI A DIGNIDADE DOS GRUPOS QUE DIZ DEFENDER

-
Multiculturalismo: a prática é bem diferente da utopia...

O tema do multiculturalismo é um dos mais importantes da era moderna, especialmente para os países europeus, imersos em um caldeirão cultural cada vez mais agitado e produzindo radicalismo para todo lado. A praga do politicamente correto chegou ao ponto de impedir julgamentos básicos acerca de atrocidades cometidas por indivíduos ou grupos de indivíduos no seio da Europa, só porque vêm de “culturas diferentes”.
João Pereira Coutinho, em sua coluna de hoje, volta ao assunto relatando um caso escabroso ocorrido em uma pequena cidade perto de Londres. Algo como 1.400 menores teriam sido abusadas sexualmente e traficadas para prostituição. Caso se recusassem, eram submetidas a extrema violência. Isso se deu por vários anos, e não em Cabul, mas a três horas da capital britânica. Como pode?
O colunista explica: as “autoridades” locais sabiam, mas nada fizeram. Ou pior: fizeram, contra as vítimas! Afinal, eram brancas, e os “supostos” criminosos eram paquistaneses muçulmanos. Como resume Coutinho, isso foi possível porque “no glorioso mundo do multiculturalismo demente, parece que é pior ser racista, ou acusado de racismo, do que ser pedófilo e cafetão”.
A bizarrice toda só é possível em um mundo que rasgou qualquer critério minimamente objetivo de julgamento moral, enterrou completamente seus valores básicos, seus pilares civilizatórios. Para Coutinho, podemos extrair duas lições do episódio:
A primeira, óbvia, é mostrar como o pensamento politicamente correto não é apenas uma doença intelectual. Na prática, essa doença tem consequências: ao desejar “proteger as minorias” de estigmas e discriminações, os fanáticos do pensamento politicamente correto acabam desprotegendo outras minorias que estariam melhor servidas se a lei fosse igual para todos. Cega e justa.
Mas existe uma segunda lição, menos óbvia, mas igualmente importante: a covardia das autoridades de Rotherham não é apenas uma traição a gente pequena e vulnerável. Também é uma traição para a própria comunidade paquistanesa, sobretudo para os milhares de inocentes que, como lembra o enviado desta Folha, ajudaram a construir o país e a defender o reino na Segunda Guerra Mundial.
Se os criminosos tivessem sido tratados e punidos individualmente, a comunidade paquistanesa não seria confundida com eles. Nem manchada pelos seus crimes. Mas o pensamento politicamente correto não trata os indivíduos como indivíduos. Prefere a atitude totalitária de os tratar em rebanho, removendo-lhes a identidade —e a responsabilidade.
Eis a ironia final: aqueles que defendem a “política de grupos” são os mesmos que destroem a dignidade desses grupos. 
É um resultado esperado da mentalidade coletivista que assola o mundo hoje. Ao enxergar apenas grupos, e não indivíduos, os inocentes pagam o pato dos criminosos só por pertencerem ao mesmo grupo cultural. É a mania de segregar com base em tribos e ignorar a menor minoria de todas: o indivíduo.
Algo como punir todo um time porque alguns torcedores xingaram o adversário. A “culpa coletiva” é altamente injusta, pois exime de responsabilidade aquele que cometeu o erro. Os liberais e conservadores rejeitam tais práticas e pregam, em seu lugar, o império das leis isonômicas, igualmente válidas para todos sob uma mesma nação.
Rodrigo Constantino

PROCESSO DA TRIBUNA DA IMPRENSA ENVERGONHA A JUSTIÇA BRASILEIRA





É um recorde que envergonha o pais. Canalhice que humilha a liberdade de imprensa do Brasil. Covardia e omissão que deveria doer no coração dos juízes. Refiro-me ao processo de indenização da Tribuna da Imprensa. Há 35 anos ainda sem solução. O mais grave é que o STF há muito tempo determinou que a União mandasse pagar a Tribuna da Imprensa.

A má vontade dos homens, aliada à irresponsabilidade, à inércia e à burocracia da justiça, é patética e irritante. Todos se perguntam porque tanta indolência, omissão e sordidez. Os homens de bem que ainda acreditam nas leis e nos magistrados continuam exigindo resposta para uma pergunta simples: o que falta para a justiça pagar a indenização que a União deve a Tribuna da Imprensa?

Será que advogados e parte da banda boa da imprensa não deveriam, mais uma vez, com firmeza, exigir providências para esta insensatez  que cobre de vergonha a todos nós? O próprio STF, a Suprema Corte do país, e seus atilados ministros, que julgaram procedente a ação movida pela Tribuna da Imprensa contra a União, não se sentem incomodados com o pouco caso que a Justiça Federal carioca trata o assunto?

Os magistrados que demoram um eternidade para julgar avançar e finalmente concluir o processo de indenização favorável a Tribuna da Imprensa também são desrespeitosos com Hélio Fernandes, que a vida inteira lutou e continua lutando, bravamente, pelo aprimoramento da democracia e da liberdade de expressão.

A Tribuna da Imprensa comandada por Hélio Fernandes sempre foi uma trincheira das boas causas nacionais. As páginas da Tribuna da Imprensa abrigavam comentaristas consagrados e respeitados. Representantes de todos os segmentos de atividades.
Entre eles, lembro com orgulho, Sobral Pinto. Se ainda estivesse entre nós, a palavra forte e marcante de Sobral Pinto não descansaria enquanto a justiça, pela qual ele se dedicou incansavelmente, não desse um ponto final neste longo martírio que se tornou a indenização à Tribuna da Imprensa, pelos dez anos de censura prévia. Foi o único jornal do país a sofrer tão longa perseguição.

10 de setembro de 2014
Vicente Limongi Netto