"Quero imaginar sob que novos traços o despotismo poderia produzir-se no mundo... Depois de ter colhido em suas mãos poderosas cada indivíduo e de moldá-los a seu gosto, o governo estende seus braços sobre toda a sociedade... Não quebra as vontades, mas as amolece, submete e dirige... Raramente força a agir, mas opõe-se sem cessar a que se aja; não destrói, impede que se nasça; não tiraniza, incomoda, oprime, extingue, abestalha e reduz enfim cada nação a não ser mais que um rebanho de animais tímidos, do qual o governo é o pastor. (...)
A imprensa é, por excelência, o instrumento democrático da liberdade." Alexis de Tocqueville
(1805-1859)

"A democracia é a pior forma de governo imaginável, à exceção de todas as outras que foram experimentadas." Winston Churchill.

sexta-feira, 27 de março de 2015

AVECESOU... O PESO DA VERGONHA E DA SOLIDÃO É DEMAIS PARA CORAÇÕES EMPEDERNIDOS.

Filhodaputa Tem Coração? O Mal Bloqueia as Veias Abertas da América Latrina

José Dirceu teve um princípio de AVC hoje em sua casa em Brasília. Neste momento, Dirceu está fazendo exames.
27 de março de 2015
selva brasilis

NOTA AO PÉ DO TEXTO

Duras são as palavras  do "selva brasilis"... É possível ter compaixão de quem miserabilizou a vida de milhões de brasileiros? O dinheiro que sangrou pelas veias abertas desse país latino-americano, deixou de ser usado para políticas públicas de saúde, segurança, saneamento básico, educação... E milhões de brasileiros continuaram o seu ciclo de atrasos em setores básicos da nação, deixando o povo ao desamparo do mínimo indispensável para alguns restos de dignidade.
Então, retorno a minha interrogação inicial: é possível compaixão por quem desprezou uma nação inteira pela ambição desmesurada? É possível compaixão por quem perdeu qualquer sombra de escrúpulos e saqueou o dinheiro público, para locupletar-se de prazeres mundanos?
Sim... Talvez seja possível a compaixão, pelos que compreendem a breve e efêmera passagem do homem pela terra, e sabe que não adianta acumular riquezas pela simples razão de que não poderá levá-las a lugar algum. Toda a ambição se esfarela diante da vida que se estende por dois pontos: antes o desconhecido e depois o desconhecido... 
A vida é apenas uma travessia entre infinitos. A miserável vida de políticos fraudadores do bem público, da "res publica", por si apenas já é digna de compaixão, pois alimenta-se do medo permanente do futuro, do que possa acontecer ante a descoberta do roubo.
E aí sobram exemplos da destruição do orgulho, da vaidade, da ambição de tantos políticos, de tantos ditadores que tropeçaram ao longo do caminho da improbidade, da falta de caráter, da indignidade de suas vidas, dos retratos que sobram para a posteridade.
A compaixão não é apenas um ato da vida cristã, mas também representa a sensibilidade humana dos que percebem a fragilidade, a fraqueza, a debilidade da vida. Apenas um fio entre eternidades...
A saciedade da fortuna despreza os pequenos prazeres que a vida nos dá de graça. A riqueza satura os sentidos, nos transforma em caçadores de estranhos resíduos dos nossos instintos, que ainda sobrevivem sob a nossa delicada capa de cultura, de civilização
A compreensão de que a vida nos é dada para a realização de alguns misteriosos desígnios, nos força a compaixão por todos os seres vivos, da nossa espécie ou não.
Compaixão, o mais digno dos sentimentos.

CORRUPÇÃO??

Graça Foster diz que "corrupção se formou fora da Petrobras". E ela deixou entrar.

 O começo de tudo...em 2003.

(VEJA) A ex-presidente da Petrobras Graça Foster afirmou nesta quarta-feira que o esquema de corrupção investigado na Operação Lava Jato da Polícia Federal foi montado "fora" da estatal. Ela presta depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito da Câmara que apura os desvios na empresa.

Em sua fala inicial e em resposta às indagações do relator da CPI, o petista Luiz Sérgio (RJ), Graça Foster disse que as auditorias externas contratadas pela estatal não detectaram o funcionamento do esquema de corrupção até que a própria Justiça passou a investigar o caso. Por isso, segundo ela, não é possível dizer que os desvios começaram dentro da companhia. "O esquema de corrupção, no meu entendimento, com os dados que tenho hoje, se formou fora da Petrobras", disse ela.

Graça Foster afirmou ainda que afirmou ainda que o sistema interno de detecção de irregularidades é eficiente: "A gestão interna da Petrobras é suficientemente boa".

Contradições - Quando depôs à CPI anterior que investigou os desvios na Petrobras, em junho do ano passado, a ex-presidente disse que a empresa não chegou a detectar o pagamento de propina pela SBM Offshore a funcionários da empresa brasileira. Em novembro, entretanto, ela admitiu que já em maio havia sido informada do caso pela própria SBM. Graça Foster negou ter mentido: "Eu li milhões de vezes e não entendi que tivesse mentido", disse ela. No entanto, desculpou-se: "Peço desculpas por não ter sido tão clara quanto eu deveria ser".

A ex-presidente afirmou ainda que, "olhando agora", a compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, "não foi um bom negócio". A transação gerou perdas de mais de 659 milhões de dólares à Petrobras.

27 de março de 2015
in coroneLeaks

O PIBINHO DA DILMA...

Dilma produz pibinho oficial de 0,1% em 2014, mas na margem de erro...


(VALOR ECONÔMICO-RIO ) O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro teve expansão de 0,1% em 2014, de acordo com o resultado das Contas Nacionais divulgado nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O número já contempla a revisão metodológica anunciada recentemente pelo órgão.
Trata-se do pior resultado para o indicador desde o recuo de 0,2% da economia do país em 2009.
As contas dos dois anos anteriores também foram revisadas. Assim, o PIB de 2012 saiu de um crescimento de 1%, para expansão de 1,8%, e o de 2013 foi alterado de alta de 2,5% para aumento de 2,7%.

O resultado de 2014 veio melhor que a média apurada peloValor Data junto a 19 consultorias e instituições financeiras, que apontava variação zero no período. As projeções iam de queda de 0,4% a aumento de 0,4%.

No quarto trimestre do ano passado, o PIB brasileiro cresceu 0,3%, sobre o terceiro, feitos os ajustes sazonais. Na comparação com o mesmo período em 2013, houve queda de 0,2%. A expectativa era de crescimento de 0,1%.

Oferta
No lado da oferta, a indústria teve retração de 1,2% em 2014. Este resultado veio acima da média apurada pelo Valor Data, que previa recuo de 1,9%. O setor de serviços teve expansão de 0,7% no período. A média apurada pelo Valor Data era de alta de 0,6%. Já a agropecuária avançou 0,4%, resultado abaixo da média esperada de expansão de 1,4%.

Demanda
Pelo lado da demanda, o consumo das famílias cresceu 0,9% no ano passado, em linha com a estimativa média do Valor Data. A demanda do governo aumentou 1,3%. Já a formação bruta de capital fixo (FBCF, que representa o investimento em máquinas e equipamentos e na construção civil) caiu 4,4%. A expectativa era de queda de 7,9%. A taxa de investimento atingiu 19,7% do PIB em 2014 e a de poupança ficou em 15,8%.

Setor externo
No setor externo, as exportações caíram 1,1% em 2014, segundo o IBGE, enquanto as importações caíram 1% no ano passado. Esperava-se estabilidade nas exportações e queda de 0,7% nas importações. 

27 de março de 2015
in coroneLeaks

CORRUPÇÃO SISTÊMICA DO PT x INVESTIGAÇÃO SISTÊMICA DA OPERAÇÃO LAVA JATO


 

Tem corrupção na Petrobras. Tem corrupção nas estatais. Tem corrupção no BNDES. Tem corrupção em vários ministérios. Tem corrupção dentro do Palácio do Planalto, haja vista a queda e o envolvimento em escândalos de vários chefes da Casa Civil. Tem corrupção na tesouraria do PT. A corrupção implantada pela esquerda no Brasil é sistêmica. É a sustentação de um projeto de poder. Abaixo, matéria do G1.

O procurador do Ministério Público Federal (MPF) e coordenador da força-tarefa criada para a Operação Lava Jato, Deltan Dallagnol, afirmou durante entrevista à jornalista Miriam Leitão, exibida nesta quinta-feira (26) na GoboNews, que há informações de que a corrupção ultrapassa a Petrobras e atinge outros órgãos públicos.

“Temos informações - informações de inteligência, por enquanto - de que a corrupção, ela está alastrada também para outros órgãos públicos. Isso nos traz uma preocupação muito grande, não só de buscar punição, responsabilização integral de quem cometeu esses crimes, mas também de mudar nosso ambiente”, disse Dallagnol.

“Nós temos informação de que isso [corrupção em outros órgãos] acontece. Aliás, muitas pessoas já diziam isso antes",completou. O procurador também que no atual modelo de trabalho do Ministério Público estão sendo oferecidos pacotes de acusações com tudo o que está sendo apurado pela Operação Lava Jato.

"Nós temos trabalhado com prioridades. E oferecido pacotes de acusações. Nós temos buscado focar para produzir resultados. Porque todo mundo que quer abraçar o mundo acaba não abraçando ninguém", disse.

De acordo com Dalagnol, ainda há novas etapas das investigações "por vir". "Certamente, a maior parte das investigações ainda está por vir. Existem muitas coisas que ainda estão em processo de investigação. A investigação é como a apuração de qualquer coisa na nossa vida. Você busca descobrir se algo aconteceu, começa a coletar evidencias e informações para chegar a uma conclusão."

27 de março de 2015
in coroneLeaks

THE MAN OF THE YEAR




Com absoluta exclusividade este blog obteve a informação de que a revista Time Magazine, a mais vendida no mundo ocidental, decidiu escolher, antecipadamente, o homem do ano (The man of the year). Embora prematura, a escolha reflete os feitos administrativos e políticos de um sujeito da América do Sul, brasileiro e lageano. Trata-se de Raimundo Colombo, uma revelação para o mundo.

Ele já foi eleito três vezes prefeito de Leiges (Lages em inglês). Duas vezes governador de Santa Catarina e pode vir a ser eleito, pela segunda vez, ao Senado da República.

Afora isto, presidiu empresas estatais no seu estado. Um caso raro.

Conhecido pelos apelidos de “gandula” ou “soneca”, ambos cunhados pelos seus pares no Senado Federal, é um tipo bonachão que sabe exercitar como ninguém o jeito “rolando lero”.
Pouco sabe, mas tudo resolve com expressões como: vamos analisar, vamos aperfeiçoar, estamos resolvendo, conseguimos recuperar, é possível equacionar e etc.

Instalou a fábrica da BMW no norte catarinense, cujas consequências para o setor metal-mecânico, serão admiráveis.

Restaurou a Ponte Hercílio Luz, construiu novo acesso ao aeroporto da capital. Assinou várias “Ordens de Serviço” para obras inacabadas em todo o território estadual. Instalou um radar em Lontras que avisa quando as chuvas serão torrenciais. Ocorrendo enchentes, apesar do aviso do radar, as pessoas continuam a perder seus animais, móveis e até bens imóveis. Além de ficaram acampadas em escolas ou ginásios esportivos.

Contraiu empréstimo de R$ 10 bilhões de reais com o governo federal, mas não se sabe quanto já gastou. Fez uma operação de crédito com o Bank of America no valor de US$ 726 milhões de dólares para saldar uma dívida com a União no valor de R$ 1,5 bilhão e, pela variação cambial, o montante já está em R$ 2,2 bilhões de reais. Ou seja, perdeu R$ 700 milhões de reais.

Fixou o piso salarial para professores em R$ 5 mil reais, sendo que os mestres recebem R$ 7 mil reais e os doutores R$ 9 mil reais.

Contratou uma consultoria com a empresa multinacional Roland Berger, não se sabe por quanto, nem quem a pagou, para a reforma administrativa que está “empacada” na Assembleia Legislativa, desprezando a capacidade da elite intelectual de Santa Catarina.
Inaugurou o Memorial Cruz e Souza, museu que atrai a visita de milhares de cidadãos mensalmente.

Foi capaz de reunir vários partidos políticos, entre eles o PSD, PMDB, PC do B, PSDB, PP e outros menores para facilitar sua gestão na ALESC. Tudo por amor ao povo.
Construiu inúmeras câmaras frigorificadas para as diversas cooperativas de agricultores estaduais. Despoluiu rios e lagos e recompôs a mata ciliar onde era necessária. Construiu hospitais de primeira linha e acabou com as filas de necessitados.
Modernizou a segurança pública, adquiriu máquinas, veículos e armas e baixou os níveis de criminalidade para zero.

Introduziu melhorias na maricultura e fez da atividade a mais competitiva do hemisfério sul. Instalou antenas parabólicas nas escolas da rede escolar estadual e, sintonizando canais estrangeiros, fez dos estudantes catarinenses, pequenos poliglotas.

Despoluiu o mar. Fez da atividade pesqueira a mais rentável do planeta.
Acabou com as verbas de publicidade e usou os veículos concessionários de comunicação para anunciar suas conquistas. Fez da CELESC e da CASAN as empresas mais eficientes do país em suas respectivas áreas: Luz e água/esgoto. 

 


Em seu governo não há um caso de corrupção. Vozes da oposição dizem que é porque muitos roubam, pulverizando a atividade ilícita.

Por último, deixou na manga da camisa a sua última cartada: Se a empresa chinesa SINOTRUCK não construir caminhões pesados na região de Leiges (Lages em inglês), será a maior construtora de vacas-mecânicas para laçadas, na América do Sul.

27 de março de 2015

DOUTRINAÇÃO IDEOLÓGICA NA PAUTA DO CONGRESSO E DA MÍDIA

descortes_esp_rea
É inegável a vitória obtida nesta semana contra a doutrinação ideológica nas escolas e universidades do País.  A audiência da Comissão de Educação da Câmara Federal, ocorrida na terça-feira, 24, levou a discussão sobre o problema a um patamar inédito.
A temática da doutrinação política e ideológica ganhou, pela primeira vez, uma audiência pública no Congresso Nacional. É claro que existe um longo caminho a ser percorrido, mas a própria realização da audiência oferece motivos para comemoração.

Trata-se de um marco em termos simbólicos e midiáticos. A imprensa, ainda que de forma tímida,noticiou o debate. Do ponto de vista político, a audiência foi uma iniciativa da sociedade civil sem qualquer tipo de vinculação partidária.

O movimento Escola Sem Partido (ESP), cujo fundador e coordenador é o advogado Miguel Nagib, congrega desde 2004 pais de alunos, estudantes e professores que já não suportam a instrumentalização da educação para fins ideológicos e partidários.

Eis um aspecto que perturba os engenheiros sociais do Ministério da Educação: entre os fundadores e participantes do ESP estão vítimas diretas e indiretas da doutrinação que ocorre em escolas e universidades da rede pública e particular.

A natureza civil e apartidária do ESP impede que os ideólogos que comandam (e corrompem) a educação brasileira façam uso do expediente-petista-padrão que consiste em rotular o movimento e negar a sua legitimidade.

A audiência teve ainda mais impacto pela participação de professores e representantes de instituições de ensino que confirmaram o que o Escola Sem Partido denuncia há mais de dez anos: a educação brasileira foi sequestrada pelos ideólogos de esquerda.

descortes_audiencia
Basta citar a fala do professor do Departamento de Geografia da Universidade Federal do Paraná, Luis Lopes Filho, que desconstruiu a tese furada segundo a qual o esquerdismo é sinônimo de “pensamento crítico”:
“Esses livros didáticos não entregam o que eles prometem. Citam Paulo Freire e dizem que a prioridade é ensinar a pensar, mas apresentam questões polêmicas sob um único viés”.
Também está registrada e foi noticiada a fala do sociólogo Braúlio Porto de Matos, professor da Universidade de Brasília, que se referiu a Paulo Freire como um exemplo de ideólogo cuja obra tão somente trata a pedagogia como um meio de doutrinação esquerdista.

O problema é o professor militante

Alguns freireanos magoados depois, o próprio Miguel Nagib – que certa vez ouviu da filha que seu professor havia comparado o guerrilheiro Che Guevara  a São Francisco de Assis –  lembrou que tal expediente é um claro desrespeito à Constituição:
 “O uso da sala de aula para fins políticos e ideológicos afronta, a um só tempo, o princípio constitucional da neutralidade política e ideológica do Estado, e a liberdade de consciência dos estudantes, assegurada pelo art. 5.º, VI, da Constituição Federal. A sala de aula hoje é um local onde a Constituição Federal não tem valor”, denunciou.
O problema não é a existência de professores esquerdistas na sala de aula. Posso dizer que já tive bons professores de esquerda que não tentaram me doutrinar e, pelo que me consta, até hoje estimulam o debate com seus alunos, respeitando os diversos pontos de vista.

O problema é o professor militante que – aproveitando-se da vulnerabilidade de indivíduos ainda em formação – transforma a aula em um momento de catecismo ideológico. E é também o Ministério da Educação, que transforma livros didáticos em cartilhas ideológicas.

No site do Escola Sem Partido é possível ler vários depoimentos de alunos do ensino médio e universitário que foram intimidados por professores militantes porque não comungavam dos dogmas da esquerda. Isso não é aula, tampouco debate; é apenas catecismo.

Pink-floyd-film-Stills81
O marxismo deve estar presente nos currículos escolares como uma importante corrente de pensamento a ser pesquisada. Aliás, eu, particularmente, considero salutar o debate na sala de aula sobre o marxismo e suas consequências sociais, econômicas e culturais.
O que não se pode fazer é tratar o marxismo como única corrente de pensamento que merece ser estudada, como se o marxismo abarcasse todo o pensamento crítico.

Só um cínico toma um ponto de vista ideológico específico como instrumento de “despertamento das consciências” – desculpa de professores militantes da rede particular de ensino.

Quem diz Marx, deve ser capaz de dizer Misses; que a Michel Foucault se contraponha Roger Scruton; e que os autores marxistas que habitam as salas de aula tenham como companheiros de aventura Sir Isaiah Berlin, Mário Ferreira dos Santos, Raymond Aron, Karl Popper etc…

Não existe pensamento crítico sem que os supostos pensadores críticos sejam alvos de críticas e contraposições. Os discípulos devem aprender a questionar seus mestres. Ou, como diria o velho Marx, de omnibus disputandum (tudo deve ser questionado).

27 de março de 2015
Thiago Cortês


NOTA AO PÉ DO TEXTO

Já era tempo de o país se dar conta da infiltração granscista nas escolas e universidades.
Um plano sinistro de doutrinação (porque não de lavagem cerebral?) propagado por professores, subvertendo o processo democrático ao transformar a educação em instrumento de pregação comunista, ou como quer o eufemismo petralha, do socialismo do século XXI, para ludibriar os incautos. 
Não bastam os exemplos da Venezuela, de Cuba?… E porque não da própria desorganização social e econômica que foi imposta pelo PT ao país, sob orientação do Foro de São Paulo, braço “chavista-cubano-lulista” na América Latina?…
Mas agora, o rei está nu… E caminhamos para novas realidades políticas.
m.americo

BLOG NOS ESTADOS UNIDOS

VENDO DE PERTO O QUE É A VERDADEIRA INCLUSÃO SOCIAL E A IGUALDADE DE OPORTUNIDADES QUE SÓ O CAPITALISMO DE VERDADE É CAPAZ DE REALIZAR


Bombando: o blog em Miami Beach vendo de perto a pujança norte-americana.

Como os estimados leitores já estão sabendo o blog está em Miami Beach. Neste momento num café e bistrô cheio de gente. Antes o blog perambulou por algumas ruas e avenidas. Incrível saber que é possível andar nas ruas desta cidade à noite. Agora mesmo pensava sobre isso. Comparava o Brasil com os Estados Unidos.

Há um calçadão aqui perto que estava repleto de pessoas. Quase uma rua inteira de calçadão com mesas, cadeiras, poltronas, toldos. Gente de todas as idades conversando, comendo e bebendo. Diversos restaurante e cafés excelentes. Cardápios para todos os gostos. Alimentação farta e de alto nível.

A economia americana é algo fantástico. Tudo bombando! A pegada em nível de trabalho dessa gente é incrível. O salário mínimo é de US$ 8 dólares por hora. Uma atendente de um restaurante aqui de Miami com 22 anos de idade, sem grandes especialidades, me disse que ganha por mês US$ 2 mil dólares, algo em torno de no mínimo uns R$ 6 a 7 mil reais pelo cambio atual.

Se alguém quer ver mesmo igualdade e inclusão social vá aos Estados Unidos. Estou chegando à conclusão que o capitalismo turbinado é o paraíso na Terra.

Nunca vi nada igual em toda a minha vida. Já estive em alguns países europeus, mas nada que se compare com os Estados Unidos.

O avião em que viajei, um Boeing 777, veio lotado até a boca! Vou conferir quantos passageiros são desovados em Miami diariamente.

Já há uma legião enorme de brasileiros vivendo aqui em Miami e em outras cidades da Florida. A maioria não é constituída de ricaços, mas de pessoas que eram pobres no Brasil e já estão atingindo o patamar da classe média. Estão felizes. Muitas me perguntam o que está acontecendo com o Brasil.

É surpreendente e gratificante saber que é possível o progresso em todos os sentidos. Todas as expectativas que alimentei sobre os Estados Unidos ao longo da minha vida estão sendo superadas a cada minuto que passa nesses poucos dias que estou aqui. Impossível descrever com palavras esta experiência. Não vim fazer compras como faz a maioria dos que vêm aqui. Vim conferir. Vim observar tudo que é possível ser observado. Incrível é que me sinto à vontade. Os Estados Unidos constituem um país insuperável em todos os sentidos.


27 de março de 2015
in aluizio amorim

CONGRESSO QUER REFORMA POLÍTICA APROVADA ATÉ SETEMBRO, VALENDO PARA 2016



(Valor) O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), disse que a Casa fará um esforço concentrado para a votação da reforma política em maio. Segundo Cunha, a Câmara terá uma semana para votar toda matéria relativa à reforma política. Cunha e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), participaram do debate "Mais Mulheres na Política", na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

"Devemos fazer uma semana em maio para votarmos única e exclusivamente tudo o que tivermos que votar de reforma política", afirmou. O objetivo é chegar a um consenso para que as mudanças de legislação eleitoral já valham para as eleições municipais de 2016. "É para que isso possa valer para as eleições de 2016, onde vão ser discutidos sistema de eleição, sistema eleitoral, financiamento de campanha, coincidência ou não de mandatos, se teremos ou não reeleição, o tempo de campanha, se teremos coincidência de eleições, tudo isso estará esclarecido", detalhou.

Cunha disse que a reforma precisa estar promulgada em 30 de setembro. E disse que é possível concluir esta semana a votação da emenda constitucional que torna obrigatória a presença das mulheres nas mesas diretoras da Casa. Tanto Cunha quanto Renan em diversos momentos reafirmaram que o Congresso terá uma pauta independente do Planalto. "Quando o Executivo não faz a sua parte, suplementarmente, o Legislativo vai ter que fazer", disse Renan, em referência à alteração do indexador da dívida dos Estados e municípios.

Questionado se o Congresso Nacional está ocupando um espaço maior nesse segundo mandato, Renan disse que o Congresso não tem outro caminho a não ser fazer a sua parte e cumprir o seu papel constitucional. "Disso o Brasil tenha certeza de que tanto Cunha quanto eu não vamos abrir mão", disse. O Senado adiou para terça-feira a deliberação sobre tornar mandatório ou não uma lei que autoriza o governo federal a renegociar as dívidas.

Já Cunha disse não ter dúvidas que a "lei foi feita para ser cumprida". O pemedebista foi relator do projeto que altera o indexador da dívida de Estados e municípios. "Como fui relator à época, eu não tenho dúvida nenhuma porque foi discutido dessa forma com o governo. Nós entendemos que é compulsório", afirmou de maneira taxativa. "O texto é do governo, eu apenas adaptei o texto que o governo mandou".

Segundo Cunha, o recuo do governo com relação à mudança de indexador da dívida de Estados e municípios é quebra de contrato. Para deixar claro o seu ponto de vista, Cunha fez uma correlação com a quebra de confiança entre governo e mercados. "Não tem condições se querer passar mensagem para os mercados que o país tem condições de atrair investidores, de manter politicamente um ajuste fiscal, se, ao mesmo tempo, não se respeita contratos", afirmou.

O presidente da Câmara procurou ser enfático em afirmar que o PMDB não está em rota de colisão com o governo federal. Lembrou que não há na Câmara dos Deputados nenhuma matéria colocada pelo governo que tenha sido derrotada. "As medidas provisórias de ajuste fiscal ainda não chegaram ao plenário da Câmara e o projeto de desoneração da folha de pagamento chegou na sexta, foi distribuído, já tem relator e vamos votar certamente antes de 45 dias, para que a pauta não seja trancada", afirmou.

Para Cunha, o processo político foi tumultuado pela tentativa de criação de um partido para rivalizar o PMDB, o que "desgastou a relação", afirmou, em referência ao movimento incentivado pelo ministro das Cidades, Gilberto Kassab. "Há desconfianças que o governo estimulou a criação do partido para enfraquecer o PMDB".

27 de março de 2015
in coroneLeaks

PAPUDA À VISTA

Dirceu e Duque foram pagos pelo mesmo lobista.

O mensaleiro Zé Dirceu está cada vez mais encrencado. Sua ligação com Renato Duque, preso em Curitiba, é cada vez mais evidente, como comprovam os documentos apreendidos pela PF:
A Polícia Federal encontrou na residência do ex-diretor de Serviços da Petrobrás Renato Duque – indicado do PT ao cargo – contrato de sua empresa de consultoria, a D3TM Consultoria e Participação, com a Jamp Engenheiros Associados, de 2013, no valor de R$ 1,2 milhão. A Jamp pertence ao operador de propinas Milton Pascowitch, que atuava em nome da Engevix Engenharia no esquema de cartel e corrupção na estatal desbaratado pela Operação Lava Jato. Engevix e Jamp pagaram R$ 2,6 milhões ao ex-ministro José Dirceu – também por serviços de consultoria, entre 2008 e 2012.
A própria Engevix, também contratou os serviços de consultoria do ex-diretor de Serviços em 2014, segundo comprovam contratos e notas apreendidas nas buscas feitas pela PF.
Duque está preso desde o dia 16, depois que foi deflagrada a Operação Que País é Esse – décima fase da Lava Jato. Nesta semana, ela foi transferido junto com outros 11 detidos da Custódia da Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, para um presídio do sistema estadual paranaense.
Pelo menos 11 notas fiscais apreendidas mostram pagamentos mensais da Jamp de R$ 100 mil para a D3TM entre maio de 2013 e abril de 2014, quando Duque comunicou que não poderia mais cumprir seu contrato. O documento de encerramento da parceria foi encontrado também. 
(Fausto Macedo - Estadão).
27 de março de 2015
in blog do orlando tambosi

O PREÇO DA IMPUNIDADE: CARTEIROS PAGAM O PREJUÍZO DO PT

O PT conseguiu um feito inimaginável: interferindo numa empresa privada, o fundo de pensão Postalis, que administra as contribuições dos funcionários dos Correios, direcionou recursos para investimentos duvidosos com o intuito de financiar esquemas e parceiros. Até aí, nada muito diferente do que já vimos do partido recentemente. Extraordinário é saber que a roubalheira foi tão grande que os funcionários associados a esse fundo de pensão terão que pagar, de seu próprio bolso, o rombo criado pelo PT. E pelos próximos 16 anos no mínimo. Leiam a notícia no Correio Braziliense, da qual destaco o trecho:


O conselho deliberativo do Postalis impôs aos funcionários a contribuição extra que terá forte impacto sobre os salários. O corte de 25,98% nos contracheques, definido num primeiro momento, será reavaliado a cada ano a partir do retorno dos investimentos e da expectativa de vida dos participantes. Um funcionário que tem salário de R$ 10 mil, por exemplo, receberá R$ 2.598 a menos no final do mês apenas para cobrir o déficit, além o valor da contribuição definida.

Para pagar o prejuízo de R$5,6bilhões, os funcionários dos Correios terão descontados esses 25,98% de seus pagamentos até 2030!

O que não está sendo devidamente lembrado agora é que tudo isso podia ter sido evitado mais ou menos em 2006, quando a CPMI dos Correios já havia, através de sua subrelatoria de Fundos de Pensão, explicitado como o Postalis, dentre outros fundos, errava deliberadamente para favorecer os esquemas do mensalão. Trago abaixo alguns trechos do relatório daquela CPMI em que os esquemas no Postalis são explicados. De lá para cá eles radicalizaram nos erros, passando a comprar títulos podres além de nossas fronteiras.

Este é um exemplo de como a impunidade fortalece a prática criminosa. Não há notícia de que os responsáveis da Postalis tenham sido punidos pelos estragos já nítidos em 2006. Como sabemos, FHC capitaneou a omissão e covardia de seu partido em dar vazão aos claros fundamentos que se tinha então para avançar um impeachment de Lula. Os gestores do Postalis não foram punidos e isso virou uma licença ou prova de que, mesmo flagrados, nada de ruim poderia acontecer. O PT e Lula não foram punidos e isso permitiu que novos escândalos de corrupção saqueassem outras estatais. É preciso ter isso bem claro: os carteiros estão pagando hoje tanto pela roubalheira de sua diretoria quanto pelas intenções petistas mas também pela covardia tucana, representada pela figura de FHC.

Relembrem então o que se apurou no Postalis até 2006, extraído da conclusão da sub-relatoria de Fundos de Pensão da CPMI dos Correios, que pode ser baixado nesse link. Destaco apenas o levantado em relação aos Bancos do Mensalão (BMG e Rural) e ao Banco Santos, que sofreu intervenção do Banco Central:
Antes de 2003, o Postalis nunca investira no Banco Rural, um dos bancos do mensalão. Em 2003 investiu R$5milhões e em 2004 foram R$ 10milhões;
Antes de 2003, o Postalis nunca investira no Banco BMG, um dos bancos do Mensalão. Em 2003 investiu R$ 5 milhões e em 2004 R$ 14 milhões;

Trecho do relatório:

A Sub-relatoria analisou o volume de recursos investidos pelo Postalis nos bancos BMG e Rural, entre os períodos de janeiro de 2000 e agosto de 2005, com a finalidade de identificar eventuais variações e concentrações nestas instituições, em conexão com as denúncias feitas pelo ex-Deputado Roberto Jefferson de que estes bancos estariam sendo utilizados para financiar o designado esquema do “mensalão”, por meio dos fundos de pensão. A necessidade de se quantificar os valores investidos se confirmou quando os dirigentes do Banco Rural afirmaram, em depoimento Relatório Final dos Trabalhos da CPMI “dos Correios” Volume III – Pág. 1360 à Sub-relatoria, ter comemorado o aumento, em 2004, das captações com as entidades de previdência.

Os recursos do Postalis investidos nos bancos BMG e Rural foram distribuídos conforme a seguir:


O Postalis teve perdas significativas em investimentos com o Banco Santos na véspera da interdição do banco;

Trechos do relatório

No dia 29 de outubro de 2004, o Nucleos investiu R$ 1,8 milhões em CDBs do Banco Santos. Isto ocorreu há menos de um mês da intervenção levada a efeito pelo Banco Central. Situação idêntica ocorreu com o Postalis, o que sugere que o Banco Santos conseguiu angariar recursos de fundos de pensão dias antes da referida intervenção, ocorrida em 12 de novembro de 2004.

Apesar da afirmação de que não havia como saber sobre a intervenção, o mercado há vários meses caracterizava os investimentos no Banco Santos como aplicações de alto risco de crédito. Este fato resta evidenciado ante o rebaixamento da classificação de risco feito pela agência Moody’s em junho de 2003.

(…)em 4 de junho de 2003, o Banco Santos foi classificado como rating “B1” em sua primeira classificação de risco feita pela Moody’s. Instituições com risco do tipo “B” representam, segundo a Moody’s, qualidade pobre de crédito e baixa segurança sobre o pagamento pontual de obrigações relacionadas a certificados de depósito de longo prazo.

(…)O Postalis registrou, em 2004, perdas no valor de R$ 36 milhões referentes a aplicações em CDBs do Banco Santos e debêntures da PROCID, holding do Grupo Santos, adquiridos em carteira própria, com exceção de uma aplicação de R$ 4 milhões, feita pelo fundo exclusivo FI PREVIDENCIARIO CAIXA DIAMANTE RF no dia 28 de outubro de 2004, há menos de um mês da intervenção promovida pelo Banco Central

Quanto mais custará a trabalhadores do país a continuidade desse governo petista?




27 DE MARÇO DE 2015

Reaçonaria

TOMBINI: RESULTADO DO PIB É "PAUSA NO CRESCIMENTO".(EU JÁ PENSO QUE SEJA MESMO É MENOPAUSA...)

ECONOMIA CRESCEU 0,1% EM 2014, NA COMPARAÇÃO COM ANO ANTERIOR


APESAR DE FRACO, O RESULTADO DO PIB FICOU ACIMA 
DO PREVISTO PELO BANCO CENTRAL (FOTO: EBC)


O presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini, disse – em nota – que o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos em um país) do país "confirmou a pausa no crescimento econômico no ano".

A economia brasileira cresceu 0,1% em 2014, na comparação com o ano anterior. O PIB fechou o ano em R$ 5,52 trilhões, segundo dados divulgados hoje (27) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Na nota, Tombini diz que, não obstante o resultado do PIB, a revisão das estatísticas pelo IBGE – graças a aprimoramentos metodológicos – revelou um quadro de maior expansão da atividade econômica desde 2012, com participação mais elevada do investimento na economia e melhores indicadores de solvência do país. O presidente do BC disse também que os ajustes macroeconômicos que estão sendo feitos "tendem a construir bases mais sólidas para a retomada da confiança e do crescimento econômico".

Apesar de fraco, o resultado do PIB ficou acima do previsto pelo Banco Central. Ontem (26), no Relatório Trimestral de Inflação, a autoridade monetária revisou para baixo a projeção de variação da atividade econômica em 2014. De crescimento de 0,2%, previsto em dezembro, a projeção passou para retração de 0,1%. Para 2015, o BC espera recuo de 0,5% do PIB. (ABr)


27 de março de 2015
diário do poder

PAINEL PITORESCO...


LULA QUER MERCADANTE EMBAIXADOR, ‘BEM LONGE’

O ex-presidente Lula voltou a insistir na demissão imediata do ministro Aloizio Mercadante (Casa Civil), como “única saída” para a retomada do entendimento com o PMDB. A idéia de Lula é nomear Mercadante embaixador, aonde ele quiser, “de preferência bem longe”. Lula se irritou com a nova trapalhada do ministro, que fez Dilma desafiar o PMDB ajudando a fundar o Partido Liberal (PL), de Gilberto Kassab.

POLÍTICA ESTOMACAL

Visceral, Mercadante faz política com raiva, e quis se vingar do PMDB e do “emparedamento” do governo no Congresso, dando força ao PL.

JANELA DE DESERÇÃO

A criação de partido, como o PL, abre a janela para transferência de deputados sem risco de perder o mandato. A idéia é esvaziar o PMDB.

IRRELEVÂNCIAS

Após tornar o ministro Pepe Vargas (Articulação) irrelevante, Eduardo Cunha, o presidente da Câmara, está louco para encarar Mercadante.

ENQUADRAMENTO


Eduardo Cunha se recusou a receber Pepe Vargas, afirmando que não aceitava intermediários nas relações “entre presidentes de poderes”.

DILMA SUBMETEU TRAUMANN A HUMILHAÇÃO FINAL

Demitido nesta quarta (25) do cargo de ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social, Thomas Traumann deixou funcionários do Planalto constrangidos com a humilhação a que se submeteu na segunda-feira (23). Ele ficou plantado durante todo o dia na porta do gabinete de Dilma, implorando inutilmente para ser recebido por ela. Pretendia explicar o documento cujo vazamento, dias atrás, a irritou.

ADIAMENTO

O ex-ministro também pretendia pedir a Dilma para ficar no cargo até junho, a fim de “descolar” sua saída do caso do documento vazado.

DIVERSIONISMO

Traumann divulgou haver retornado de breves férias na terça-feira, mas ele voltou ao Planalto na segunda, quando insistiu em falar com Dilma.

CASCA GROSSA


A repulsa de Dilma não é pessoal. Também maltratava a antecessora dele, Helena Chagas, e tem o hábito de submeter auxiliares a bullying.

VASOS COMUNICANTES

O deputado JHC (SD-AL) meteu Graça Foster em saia justa, ontem, ao conferir se ela apoiou a indicação de Luiz Eduardo Carneiro (já convocado para depor) para presidir a Sete Brasil. Ela confirmou. A empresa enrolada no petrolão é obra de André Esteves, do banco BTG.


TUTTI BUONA GENTE

A Sete Brasil, em cuja gestão Graça Foster admitiu meter o bedelho, foi antes dirigida pelo ex-gerente Pedro Barusco, o corrupto confesso que foi braço direito do ex-diretor petista da Petrobras Renato Duque.

BANCADA DO PETROLÃO

Graça Foster chegou à CPI da Petrobras na Câmara cercada da “bancada do petrolão”, de deputados do PT. Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP) ironizou a tropa de choque: “O depoimento é só da Graça”.

FOTO NA PAREDE

Desafeto de Lula, que o detesta, o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), mantém relacionamento tão amistoso com Dilma que até pendurou uma foto oficial da presidente em seu gabinete.

ORÁCULO

O ex-senador José Sarney está montando um instituto, ainda sem nome definido, no Setor Hoteleiro Norte, em Brasília. Ali, ele pretende trabalhar e receber políticos. Quer manter a influência.

PLENÁRIO VAZIO

A ida de Ricardo Berzoini na Câmara nem de longe lembrou o show de Cid Gomes. Com duas dúzias de parlamentares, parecia mais tricô de comadres. Esvaziou de vez com o início do jogo Brasil 3x1 França.

OUTRA DERROTA

O governo também foi derrotado na Câmara na aprovação do projeto relatado pela deputada Gorete Pereira (PR-CE), que assegura mamografia a partir dos 40 anos. O governo insistiu nos 50 anos.

CUMPRINDO TABELA

Os funcionários da liderança do governo no Senado, que não são poucos, estão feito baratas tontas. Quase dois meses depois do início do ano Legislativo, o novo líder do governo ainda não foi definido.

PENSANDO BEM...

...após tantas trapalhadas, o ministro Aloizio Mercadante já pode ser considerado o co-piloto alemão de Dilma, no governo.



27 de março de 2015
diário do poder

THE ECONOMIST: BRASILEIROS FORAM VÍTIMAS DE ESTELIONATO




A revista britânica The Economist publicou um novo editorial sobre o Brasil na edição que chega às bancas neste final de semana. Intitulada "Lidando com Dilma", a publicação aponta os motivos que deixam brasileiros "fartos" da presidente. Para a Economist, Dilma mentiu na campanha e os eleitores estão percebendo que foram vítimas de um "estelionato eleitoral". "Mas umimpeachment seria uma má ideia", diz a revista.

"Não é difícil ver por que os eleitores estão com raiva", afirma a publicação. "Ela presidiu o conselho da Petrobras de 2003 a 2010, quando os promotores dizem acreditar que mais de 800 milhões de dólares foram roubados em propinas e canalizados para os políticos do PT e aliados", diz.

Além disso, a revista afirma que Dilma venceu as eleições presidenciais de outubro "vendendo uma mentira". "De fato, como muitos eleitores estão percebendo agora, Dilma vendeu uma mentira", diz o texto. A revista diz que os erros cometidos no primeiro mandato de Dilma levaram o Brasil à situação de crise atual, que exige corte de gastos públicos e aumento de impostos e juros. "Some-se a isso o fato de que a campanha de reeleição pode ter sido parcialmente financiada pelo dinheiro roubado da Petrobras. Os brasileiros têm todos os motivos para sentirem que eles foram vítimas de um equivalente político do estelionato", diz o texto.

Apesar das palavras duras, o editorial da The Economist afirma que o impeachment pode ser "um exagero emocional". "A legislação brasileira considera que presidentes podem ser acusados apenas por atos cometidos durante o atual mandato", diz o texto. "E, ainda que muitos políticos brasileiros achem que a presidente é dogmática ou incompetente, ninguém acredita seriamente que ela enriqueceu. Contraste com Fernando Collor que embolsou o dinheiro."

O editorial também afirma que as instituições estão trabalhando para punir os criminosos. "Um impeachment iria se transformar em uma caça às bruxas que enfraqueceria as instituições, que ficariam politizadas", diz o texto, que pede que Dilma e o PT assumam as responsabilidades "pela confusão que ela fez no primeiro mandato, em vez de se tornarem mártires do impeachment". "Ter Dilma no gabinete fará com que os brasileiros estejam mais propensos a entender que as velhas políticas é que são as culpadas, não as novas."


Veja.com
(Com Estadão Conteúdo)

27 de março de 2015
in camuflados

"EU ERA O DONO DO ORÇAMENTO" - AFIRMA PAULO ROBERTO COSTA





O ex-diretor de Abastecimento da Petrobrás Paulo Roberto Costa, primeiro delator da Operação Lava Jato, disse à força-tarefa do Ministério Público Federal e da Polícia Federal que chegou à unidade estratégica da estatal para substituir um diretor indicado pelo PSDB no cargo. De acordo com Costa, a primeira reunião que teve com o ex-deputado José Janene (PP) – morto em 2010 – , foi em 2004 no Aeroporto Santos Dumont. Desse encontro, afirmou o delator, teria participado também o ex-deputado federal Pedro Correa (PP-PE).

O relato foi gravado em vídeo pela força-tarefa da Lava Jato em 11 de fevereiro deste ano. O ex-diretor é o primeiro delator do esquema de corrupção e propina instalado na estatal petrolífera e desbaratado

Segundo Costa, o processo de cartelização das empreiteiras no setor de Abastecimento começou em 2006. Isto porque não havia obras sendo feitas por sua diretoria.

“Esse processo de cartelização começou não foi na minha área, porque eu não tinha obra. Esse processo de cartelização começou na área de plataformas, navios, sondas de perfuração, que tinham os recursos. Eu não ia fazer processo de cartelização de uma obra de R$ 20 milhões. O cara ia fazer processo de cartelização numa obra que custava R$ 500 milhões, R$ 1 bilhão”, disse.

O delator afirmou que entre 2004 e 2006, a interação entre ele e os ex-parlamentares foi ‘mínima’. Sem obras, não haveria como receber propina. O PP, com PT e PMDB, são suspeitos de lotear diretorias da Petrobrás para arrecadar entre 1% e 3% de propina em grandes contratos, mediante fraudes em licitações e conluio de agentes públicos com empreiteiras organizadas em cartel.

“Fiquei lá esse período, pouca coisa a ser feita. Obviamente que os políticos chegavam: ‘E aí, Paulo, quando vai ter (obra)?’. (Ele dizia) ‘Está fazendo projetos, deve ter licitação, possivelmente em 2006 pode começar a ter os projetos maiores e tal’”, afirmou. “Nesse meio de tempo, estava ocorrendo Mensalão, então, tinha recursos de outras fontes. O Mensalão estava em vigor, tinha outros recursos. De 2006 para frente começaram a aparecer outros projetos na minha área.”

À força-tarefa da Lava Jato, Costa disse que nenhuma empreiteira o procurou até 2006 para falar de cartel. Segundo o delator, ele ‘não tinha importância’.

“Você faz o que na área de Abastecimento? Eu era o dono do orçamento. Eu sou o responsável pelo orçamento, mas eu não sou o responsável pela contratação, pela execução, pelos aditivos”, afirmou. “A importância que o cara tem é orçamento, é dinheiro. Eu não tinha dinheiro, por que eles iam me procurar?”

Costa decidiu firmar um acordo de delação premiada em agosto do ano passado. Ele considerou que não tinha a menor chance de sair da carceragem de Polícia Federal, em Curitiba, onde ficou detido, tão cedo. Após contar o que sabia, ele deixou a prisão em setembro. Hoje, cumpre prisão domiciliar.



VEJA O DEPOIMENTO DE PAULO ROBERTO COSTA NA ÍNTEGRA


27 de março de 2015
Julia Affonso, Beatriz Bulla, Ricardo Brandt e Fausto Macedo, Estadão

COMUNICAÇÃO GUERRILHEIRA






Petistas se engalfinham para cuidar da bilionária verba de publicidade, que irriga campanhas na mídia, azeita jornais e move 'soldados' na 'guerrilha política'

A Esplanada dos Ministérios está com mais uma vaga aberta e o PT já se lançou com todas as suas garras para ocupá-la. Está em jogo um butim de bilhões de reais, destinados a alimentar os "soldados" da "guerrilha política" da comunicação do governo.

Mal completou o terceiro mês de seu segundo mandato, Dilma Rousseff perdeu ontem o terceiro ministro de seu balofo gabinete. Thomas Traumann deixou a Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (Secom), pouco mais de um ano após assumir o cargo.

É o segundo a pular do banco em uma semana, antecedido por Cid Gomes, que durante breves 76 dias foi o responsável pela "pátria (des)educadora". A outra mudança se deu na Secretaria de Assuntos Estratégicos, com a troca de Marcelo Néri por Mangabeira Unger, ocorrida em fevereiro.

Traumann deixou o posto em meio a uma guerra de petistas para controlar o dinheiro que o governo gasta com publicidade. Ricardo Berzoini, o aloprado ministro das Comunicações, pleiteia para sua pasta a responsabilidade para cuidar do orçamento que irriga campanhas na mídia e azeita o funcionamento de muitos jornais pelo país afora. Hoje a verba está sob a alçada da Secom.

Segundo o Siafi, o sistema de acompanhamento da execução orçamentária do governo federal, a gestão Dilma gastou R$ 880 milhões com publicidade no ano passado. É quase o dobro dos R$ 456 milhões despendidos em 2011, primeiro ano do governo dela. Tais despesas subiram 60% acima da inflação no período.

Nesta conta não estão incluídas as verbas das estatais, que são muito maiores e sobre as quais a Secom também tem ingerência: foram R$ 1,47 bilhão em 2013, dado mais recente disponibilizado pela caixa-preta do governo, conforme publicou a Folha de S.Paulo em dezembro. (A maior parte vem da Petrobras; isso lhe diz algo?)

Tudo somado, é uma dinheirama e tanto. Os gastos publicitários explodiram no ano eleitoral, em mais um claro indício de quais são, de fato, os reais objetivos da estratégia de comunicação petista. Em 2014, os gastos com publicidade institucional da Presidência da República chegaram a ser mais altos que os de ministérios como Saúde e Educação, mostrou o Contas Abertas em janeiro.

Em análise interna que acabou precipitando sua demissão, o ex-ministro Traumann deixou claro como se orienta a comunicação do governo petista: "A guerrilha política precisa ter munição vinda de dentro do governo, mas ser disparada por soldados fora dele". É para controlar este exército que os petistas agora se engalfinham pelas verbas da Secom. Não tem nada a ver com interesse público, mas sim com poder, voto e eleição.

27 de março de 2015
Instituto Teotônio Vilela

CHAMANDO A CRISE PRA DANÇAR

Assim como fizera o cego Tirésias, avisando ao general Júlio César que os idos de março poderiam ser-lhe aziagos, não faltou quem aconselhasse mudança de atitude à presidente Dilma Rousseff para ela recuperar poder e prestígio antes de chegar um abril ainda pior. Segundo xeretas palacianos, seu inspirador, pai político e profeta de plantão Luiz Inácio Lula da Silva o fez aos berros. Ex-aliados, amigos de ocasião e adversários de sempre insistem na tese, mas ela faz "ouvidos de Mercadante", no exato trocadilho do professor Cláudio Couto.

Dois membros recentes de seu novo primeiro escalão preferiram pular fora do bote furado antes que este fizesse água em plena seca. No documento "sigiloso" encaminhado a ela própria pelo secretário da Comunicação, Thomas Traumann, ficou patente a confissão do pior dos crimes para uma gestão que se jacta de servir a um real, embora debilitado, Estado Democrático de Direito: a mistureba rastaquera do que é de César com o que é de Deus, ou do diabo: o culto à personalidade, o interesse do partido e os cofres da Viúva. A confissão pode ter passado batida na leitura do documento pela destinatária, mas não dos pobres coitados da planície que bancam a farra, entre os quais o autor destas mal traçadas linhas. Ao contrário de Brutus, que César havia escolhido para sucessor, Traumann apunhalou-a à distância, sem dar à chefona sequer a oportunosa ensancha de parodiar Suetônio: "Até tu, Thomas?". Foi para o exterior, à espera de ter a traição premiada com o doce abacaxi da assessoria de comunicação da Petrobrás arrombada.

Cid Gomes estrelou "Os 300 de Sobral" em palco de circo mambembe, mas não conta mais com a mão amiga dela. Chutou o balde da coalizão governista e enfiou a peixeira no presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), mas fez sangrar a "presidenta" no lado oposto da Praça dos Três Poderes. Constatando a lorota da "Pátria Educadora", preferiu bancar o Jânio Collor em 2018, esquecendo o malogro do mano Ciro em idêntica intentona.

Não se sabe ao certo se foi Cid que preferiu desertar do exército dos que combatem à sombra dos escudos inimigos ou se foi a "generala" que o defenestrou. Mas não há dúvida alguma de que, como nunca antes aconteceu na história deste país, o distinto público, que paga os vencimentos de todos os personagens desta tragicomédia bufa, ficou sabendo da demissão pela boca do presidente da Câmara, até então tido como desafeto. Como no Flamengo x Vasco do Maracanã no domingo, o goleiro Oliva, filho e irmão de briosos generais, rolou a bola no campo molhado para o ex-amigo de Garotinho bater a gol (como Alecsandro, artilheiro rubro-negro) e correr para a galera, com guarda-chuva e galocha.

Terá sido por isso que esta semana começou com a notícia de que parte do conselho do padim Lula de Caetés será aceita e o Freddie Mercury da dupla com Pepe Legal Vargas ficaria no emprego, mas não seria mais o articulador político? Ainda é duvidoso que a surdez aos apelos de aliados da coalizão possa confinar o ministro ao gabinete na função de subcarimbador de colegas. Não é pouco! Mas para quem se acha capaz de repetir a experiência de Richelieu no Paranoá não deve ser muito agradável perder o poder de dar as cartas na barganha. O eventual roque de Mercadante no xadrez do Planalto, contudo, é lana caprina em comparação com a tarefa árdua que a chefona do governo tem de amansar a massa.

Com 84% dos entrevistados do Datafolha dizendo que acham que ela sabia da roubalheira na Petrobrás, resultando em só 13% de quem avalia seu governo de bom a ótimo, Dilma não terá vida fácil. Vai ser difícil evitar que a maior concentração popular com a camisa da seleção (e depois dos 7 a 1 da Alemanha!) da história nos idos de março seja superada pela que se reunirá de novo nas ruas das cidades brasileiras em 12 de abril. O sangue de Traumann, Cid e Mercadante não saciará a sede da massa.

Sem ter o diagnóstico certo do mal que assola sua gestão, Dilma apelou para o receituário de sempre, aconselhada por algum "assessor para assuntos aleatórios". Disseram-lhe que o povo não tem foco, como se a miopia tivesse ido à rua, e não ficado, como ficou, no palácio. Miguel Rossetto, o porta-voz de uma alocução só e o mais breve de todos os tempos e em qualquer governo, disse que só protestou quem não votou nela - uma absurda agressão sofrida pela velha aritmética euclidiana. Pois se 62% dos entrevistados acham seu governo ruim ou péssimo, não há como algum eleitor de Dilma - com 51,64% dos votos válidos no segundo turno, segundo o Tribunal Superior Eleitoral - não estar frustrado com madame.

Para tirar de foco o "Fora Dilma", o governo tenta vender a ideia de que este foi um breve contra a corrupção, uma queixa genérica. E, aí, ressurgiu a velha lorota do pacote de leis anticorrupção, medida a que ela já tinha apelado na resposta às manifestações populares de junho de 2013, na campanha eleitoral e no discurso da vitória. Mas o advogado Modesto Carvalhosa escreveu, em artigo publicado neste espaço anteontem, que o pacote requenta iniciativas legais da ditadura militar (artigo 350 do Código Eleitoral, de 1965) e do extinto ex-inimigo número um e atual aliado preferencial Fernando Collor (a Lei da Improbidade Administrativa, de 1992, vigente). Um prato feito indigesto!

Para recuperar o fôlego perdido Dilma deveria trocar seus traques juninos por bombas de hidrogênio políticas. Implodir a coalizão de apoio, reduzindo o Ministério de 39 para 13, número de seu Partido dos Trabalhadores (PT), cuja estrela perdeu o fulgor, pode ser uma cartada para, pelo menos, embaralhar o jogo. Outra seria nomear logo um ministro acima de qualquer suspeita para completar o Supremo Tribunal Federal. Não se safará se só se livrar da dupla aloprada Freddie Mercury e Pepe Legal. Mas esta não será uma má ideia para tentar escapar - melhor do que chamar a crise pra dançar!

27 de março de 2015
José Neumanne